África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ENERGÍA-ALEMANHA
Menos subsídios para paineis solares
Daan Bauwens

Berlim, Alemanha, 13/3/2012, (IPS) - A Alemanha é capaz de produzir tanta energia solar quanto o resto do mundo junto.


Crédito: Daan Bauwens/IPS
Manifestantes na Porta de Brandenburgo, em Berlim, pedem a volta dos subsídios para a nergia solar.
Mas, agora seu governo propõe drásticas mudanças nos subsídios para paineis fotovoltaicos, argumentando que a demanda é tão alta que já não pode manter essa tecnologia.

Este país tem capacidade de produção superior a 25 mil megawatts (MW). Somente em dezembro passado acrescentou a quantia recorde de 7.500 MW ao seu parque solar. Isto equivale, em média, a cinco centrais nucleares. Nos dias claros, o sol pode fornecer até 25% da energia da Alemanha.

Sucesso da energia no país se deve a uma generosa política de subsídios para promover as fontes renováveis, especialmente as células fotovoltaicas. O sistema de subvenções obriga as empresas públicas a pagaram aos cidadãos que geram sua própria energia solar, por exemplo, com paineis nos tetos de suas casas.

Na Alemanha também há cooperativas que alugam espaço em terraços de prédios públicos para instalação de módulos solares. Com os anos, a capacidade energética alemã mais do que duplicou o objetivo proposto pelo governo. Mas no final do mês passado os ministros Norbert Röttgen, do Meio ambiente, e Phillip Rösler, da Economia, apresentaram um plano para reduzir em quase 30% os subsídios à energia solar.

A decisão foi tomada depois que Grã-Bretanha, Itália e França realizaram cortes semelhantes no ano passado. Na Alemanha as subvenções já haviam diminuído 50% nos últimos três anos. Röttgen e Rösler propuseram no dia 23 de fevereiro que os cortes começassem no último dia 9, deixando menos de duas semanas de preparação. Isto causou indignação na indústria solar e entre os ambientalistas, o que gerou protestos diante da Porta de Brandenburgo, em Berlim.

“Esta decisão matará o mercado da energia solar”, disse Stefan Hief, presidente da Cosmoenergy, fabricante de células fotovoltaicas. “Se tem que haver cortes, não deveriam ser tão drásticos como propõe o governo. Deste modo perderemos milhares de postos de trabalho no setor, em um momento em que os líderes mundiais da produção de energia solar e o público alemão estão a favor das fontes renováveis. Para nós esta decisão simplesmente significa uma total eliminação da energia solar”, afirmou Hief à IPS.

Em carta aberta à chanceler Angela Merkel, a associação da indústria solar, BSW-Solar, alertou que as reduções propostas prejudicam “a posição da Alemanha como exemplo internacional em matéria de energia solar”. Diante dos anúncios do governo de Merkel, empregados da fabricante norte-americana de paineis First Solar, no Estado alemão de Brandenburgo, agora trabalham apenas meio período.

Não está claro o motivo de as autoridades quererem reduzir os subsídios. Segundo algumas fontes, a medida busca canalizar mais dinheiro para outras energias renováveis, com a eólica. Mas, o motivo principal pode ser que, devido ao seu êxito, os custos da energia solar estão subindo muito para o governo. O aumento na capacidade de produção em dezembro obrigou as autoridades a concederem subsídios superiores a US$ 10,5 bilhões.

As empresas de energia, obrigadas a pagar aos cidadãos que contam com paineis, repassam os custos extras aos seus clientes na fatura de eletricidade. O governo, portanto, argumenta que reduzirá a carga financeira que pesa sobre os consumidores se baixar os subsídios. Mas, segundo Cornelia Ziehm, da Deutsch Umwelthilfe (Assistência Ambiental Alemã) em Berlim, os motivos são principalmente políticos.

“É verdade que há um problema. A quantia destinada à indústria solar é alta. No entanto, mais do que isto, nestes tempos de crise o ministro alemão da Economia, Rösler, necessitava de um novo tema para abordar. Descobriu que os subsídios para a energia solar são bastante altos, e, assim, propôs reduzi-los como meio de diminuir os custos para os cidadãos alemães”, disse Ziehm à IPS.

“Esta ideia não foi bem recebida pelo Ministério do Meio Ambiente. Mas, desde que no último verãos e decidiu eliminar completamente a energia nuclear até 2020 em razão do desastre na usina atômica de Fukushima, na Japão, o titular da pasta, Röttgen foi muito pressionado por várias pessoas de seu partido, a CDU” (União Democratacristã), acrescentou Ziehm.

Alguns membros dessa força política “estão a favor da energia nuclear e ainda discordam de sua eliminação, mas votaram sob pressão da presidente da CDU, Angela Merkel. Para Ziehm, esta decisão pode ser vista como uma contrarrevolução” dentro do partido.

Após os protestos realizados na semana passada na Porta de Brandenburgo, um porta-voz oficial declarou que os cortes nos subsídios não entrarão em vigor antes de 1º de abril. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
 “Sonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
 Europa, paralizada por la división entre norte y sur
MÁS >>