África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Antibióticos na agroindústria geram bactérias resistentes
Julio Godoy

Berlim, Alemanha, 15/3/2012, (IPS) - A morte de cinco bebês prematuros na cidade alemã de Bremen, infectados por uma bactéria de ave contraída em um hospital, aumenta o temor de ambientalistas e especialistas em saúde de que o uso generalizado de antibióticos no setor agropecuário gere germens extremamente resistentes.

Os bebês prematuros, que morreram em dezembro e começo deste ano em Bremen, a 300 quilômetros de Berlim, foram infectados com uma bactéria altamente resistente por produzir a enzima betalactamasa de espectro estendido (BLEE).

Foram detectadas infecções semelhantes em outros hospitais da Alemanha, embora sem registro de mortes. Estes incidentes lançaram novamente sobre a mesa o problema da falta de higiene no setor agropecuário, especialmente nas avícolas, onde há milhares de animais confinados em espaços reduzidos. Acredita-se que a bactéria chegou aos hospitais levada de forma involuntária por pacientes que estiveram em contato com aves contaminadas.

O pai de um bebê prematuro nascido na clínica de Bremen contou a difícil situação vivida pela família. “Três dias após o nascimento, os médicos nos disseram que nosso filho tinha uma infecção, que estava muito doente e poderia morrer”, contou Maik Stefens à IPS. “Os médicos disseram que a bactéria das aves era a causa mais provável da infecção. O abuso de antibióticos nos criadouros foi a verdadeira origem do problema”, protestou o pai. Seu filho, Niclas, sobreviveu, mas outros cinco recém-nascidos prematuros com infecções semelhantes não tiveram a mesma sorte.

A morte de três bebês prematuros em dezembro forçou as autoridades sanitárias a lançarem uma exaustiva investigação sobre as condições de higiene da clínica, após a qual ordenaram sua completa renovação. Além disso, o pessoal recebeu um curso intensivo de higiene. A clínica foi reaberta em fevereiro, mas fechada definitivamente no começo deste mês após a morte de dois recém-nascidos infectados pela mesma bactéria altamente resistente.

Exames clínicos confirmam que a estrutura genética da BLEE, identificada em aves comercializadas na Europa, é idêntica à detectada em humanos infectados. Nas granjas industriais da Alemanha, as criações recebem antibióticos de forma indiscriminada, e sem importar sua situação sanitária. Segundo o Instituto Robert Koch (IRK), responsável pelo controle e pela prevenção de doenças da Alemanha, 90% dos frangos vendidos neste país contêm a enzima letal. A BLEE é resistente à maioria dos antibióticos, e foi detectada pela primeira vez em 1983 na Alemanha, precisamente pela indústria avícola.

Um estudo feito pelo governo do Estado da Renânia Norte-Westfalia confirmou que 96% dos frangos do Estado haviam recebido antibióticos. O tratamento mata a maioria dos germes, mas favorece a emergência de outros resistentes aos medicamentos. “Meu maior temor é que por abusar dos antibióticos acabemos, na verdade, cultivando bactérias altamente perigosas”, disse à IPS o diretor de diagnóstico molecular do IRK, Wolfgang Witte.

Os avicultores confirmaram que logo que detectam sinais de infecção em um animal já administram antibióticos a todos. “Do contrário corro o risco de perder todos os animais. Não posso correr o risco, porque afundarei”, disse à IPS um produtor que pediu para não ser identificado. Os antibióticos são administrados na água potável. Este sistema fez com que fosse encontrada uma alta concentração de químicos e germes nos rios, devido ao tratamento da água residual e de esgoto. Também foram encontrados bactérias e antibióticos nos campos vizinhos às granjas industriais.

Reinhild Benning, da organização ambientalista Bund, contou à IPS que muitas amostras colhidas em fevereiro no entorno de uma avícola no contexto de uma experiência continham BLEE. “Todos temem as infecções. Sentimos o mau cheiro da granja e respiramos suas emissões todos os dias”, disse Friedrich Ehlers, vizinho de uma avícola.

Contudo, o problema não é só a presença de antibióticos e germes na atmosfera. Quando as pessoas cozinham a carne contaminada, os germes morrem. Porém, é provável que eles tenham passado para outros alimentos, como as verduras, que se são comidas cruas ou apenas cozidas, provocam infecção.

Além disso, os restos de aves e gado bovino são reciclados como fertilizantes para a agricultura. Este sistema propaga germes e antibióticos, que acabam na cadeia alimentar humana, inclusive para as pessoas que evitam os produtos industriais e só consomem alimentos orgânicos. “É tamanho o escândalo que já não podemos confiar em nossos próprios alimentos”, disse à IPS a mãe do bebê infectado em Bremen, Beate Stefens.

Não é o primeiro escândalo deste tipo na Alemanha. No último verão boreal, 53 pessoas morreram e outras quatro mil ficaram doentes por comerem verduras contaminadas com uma cepa de Escherichia coli. Esta é uma bactéria encontrada no intestino dos animais e, portanto, em águas servidas, e é capaz de criar uma toxina que causa enfermidades graves. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Japón busca trabajadores extranjeros, a regañadientes
 Recrudece la persecución a homosexuales en Uganda
 Milicias cristianas se dividen en el norte de Siria
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
MÁS >>