África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

SUDÃO DO SUL
Como devolver a infância às crianças-soldado
Andrew Green*

Yuba, Sudão do Sul, 18/4/2012, (IPS) - Se o processo de reintegrá-los às suas vidas normais for feito em tempo e forma, as crianças-soldado do Sudão do Sul terão deixado de pertencer às milícias deste país em dois anos.

O Exército de Libertação Popular do Sudão (SPLA) havia se comprometido a liberar em março todas as crianças que combatiam em suas fileiras. Essa força, que é a ala militar do partido político sul-sudanês Movimento de Libertação Popular do Sudão, é uma das poucas no mundo que constam da lista da Organização das Nações Unidas (ONU) como parte de um conflito que recruta e usa crianças.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) estima que no Sudão do Sul há duas mil crianças-soldado. Embora nenhuma esteja dentro do SPLA oficial, estão nas milícias que o governo anistiou, e integradas às Forças Armadas nacionais. O país pode ficar fora da lista em dois anos, se o SPLA seguir o plano de ação que traçou e assinou, que inclui retirar todas as crianças das milícias e trabalhar para lhes dar oportunidades educativas.

Entretanto, o processo de reintegração pode demorar muito mais no caso dos meninos, na medida em que entrarem em escolas ou aprenderem habilidades para poderem ganhar a vida fora dos barracões militares. O processo começará com a identificação e a garantia de liberação formal de todas as crianças-soldado, informou Fatuma H. Ibrahim, chefe da unidade de proteção à infância do Unicef no Sudão do Sul. Quando forem liberados, receberão roupas civis, porque "o que é militar fica com os militares", afirmou.

Os garotos, com idades entre 12 e 18 anos, serão submetidos a sessões de terapia de grupo com trabalhadores sociais para tentar entender como chegaram a se integrar às milícias e para falar de qualquer tipo de violência que possam ter enfrentado. Segundo Ibrahim, será cerca de 1% que "realmente necessitará de acompanhamento clínico", embora suas opções sejam limitadas em um país com poucos recursos psiquiátricos. "É um problema muito grande. A maioria recebe pílulas, e isso é tudo", ressaltou.

Os familiares também se reunirão com trabalhadores sociais para falar sobre a reintegração e garantir que as crianças serão bem-vindas em seu regresso, desestimulando-as a voltarem às milícias. "Os país têm que estar prontos para recebê-los", destacou Ibrahim. Em algumas comunidades do país, isso inclui uma simbólica cerimônia de transição.

Em um país que viveu em guerra durante mais de duas décadas, frequentemente a força militar é uma das poucas oportunidades econômicas viáveis para os homens jovens. Muitas das crianças que o Unicef e seus aliados tiram das fileiras militares seguiram esse padrão, buscando um lugar em uma milícia para dar segurança financeira às suas famílias. Um dos grandes desafios dessa agência da ONU é dar oportunidades que estimulem as crianças que abandonam essas forças.

Após a realização das novas rodadas de liberação, será dada aos jovens a oportunidade de escolher entre ir à escola ou aprender um ofício. O limitado mercado de trabalho do país propicia que os jovens de mais idade se sintam incentivados a aprender habilidades como carpintaria, que tem cada vez maior demanda em localidades de rápido crescimento. No futuro lhes serão ensinadas duas habilidades, caso a primeira não seja rentável.

O Unicef e outras organizações também trabalham para dar incentivos a fim de impedir que as crianças-soldado voltem a se alistar. Ibrahim mencionou um projeto de criação de gado em que os rapazes recebem uma cabra para criar. Se o programa funcionar, os incentivos serão "significativos", afirmou. O novo plano de ação para o Sudão do Sul foi assinado oficialmente em 16 de março pelo Ministério da Defesa, pela força de paz da ONU no país e pela representante especial do secretário-geral para a Questão das Crianças e dos Conflitos Armados, Radhika Coomaraswamy.

Desde que ficou independente no ano passado, o Sudão do Sul experimentou episódios esporádicos de violência em todo seu território. No norte, se mantêm as hostilidades com o Sudão. E em outras partes, especialmente no Estado de Jonglei, há conflitos intertribais pelos direitos à terra e ao gado. Coomaraswamy informou que a maior parte das crianças-soldado do país estão no norte, onde a violência foi mais consistente.

O Sudão do Sul está na lista da ONU muito antes de sua independência, em julho de 2011. Em 2006, um Acordo Exaustivo de Paz foi assinado entre o norte e o sul do Sudão, pondo fim a décadas de enfrentamentos e cimentando o caminho para a independência sul-sudanesa. Nesse momento, o SPLA se comprometeu com um plano de ação para liberar suas crianças-soldado, embora não o tenha cumprido totalmente. Em 2009, as organizações de vigilância não haviam encontrado crianças-soldado em fileiras centrais do SPLA, embora ainda existissem nas milícias.

Segundo Coomaraswamy, o renovado compromisso do país procede do "poder da lista" e da pressão dos sócios internacionais. E, embora a ONU nunca tenha punido o Sudão do Sul pela inclusão nesta lista, a representante declarou que sempre havia a possibilidade de que isto ocorresse. A República Democrática do Congo, por exemplo, sofreu sanções por figurar na lista. Seu escritório negocia atualmente com a República Democrática do Congo, com a Birmânia e com a Somália, os únicos governos militares que ainda não assinaram um plano de ação. (Envolverde/IPS)

* Andrew Green informa do Sudão do Sul no contexto de uma bolsa do International Reporting Project, um programa de jornalismo independente com sede em Washington, Estados Unidos. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
 As Winds of Change Blow, South America Builds Its House with BRICS
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Tuaregs de Malí luchan por estado secular, democrático y multiétnico
 ONU apunta a la impunidad en Medio Oriente
 Sequía o inundaciones, la oscilante realidad del Caribe
 Inédita preocupación por matrimonio infantil y mutilación genital
 Alianza petrolera de China y Costa Rica vuelve a la vida
MÁS >>