África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

POLITICA
Líderes da África ocidental querem a ordem
Fulgence Zamblé

Abdijan, Costa do Marfim, 2/5/2012, (IPS) - A libertação do primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, e do presidente interino, Raimundo Pereira, detidos em 12 de abril pelos golpistas, atende às cobranças da Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (Cedeao) de restabelecer imediatamente a ordem nesse país.

Os dois governantes foram enviados para a Costa do Marfim. A Cedeao havia dado à junta militar que tomou o controle da Guiné-Bissau prazo de 72 horas, até o dia 29 de abril, para reinstaurar um governo constitucional, despachando um contingente de pelo menos 500 soldados para esse país em uma tentativa de resolver a crise política reinante.

"Não podemos tolerar mais a usurpação de poder na Guiné-Bissau", declarou o presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, que também encabeça a Cedeao, durante a cúpula extraordinária realizada no dia 26 de abril, em Abdijan. Os golpistas devem dar um passo atrás e permitir o rápido início de um processo de transição, acrescentou. A Cedeao alertou, ao fim do encontro, que, se a junta não aceitasse suas demandas, imporia sanções imediatas aos membros do comando militar e seus aliados. Também ameaçou com sanções diplomáticas e econômicas contra o país e não excluiu a possibilidade de enviar alguns casos ao Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia, na Holanda.

Os chefes de Estado e de governo da África ocidental decidiram enviar soldados para Guiné-Bissau e Mali. "A força enviada para Mali ajudará os órgãos de transição e o governo interino a responder perante qualquer eventualidade e no caso de serem necessários seus serviços para restaurar a integridade territorial de Mali", declarou aos jornalistas o presidente da Comissão da Cedeao, Désiré Kadré Ouédraogo.

Estamos negociando com os rebeldes tuaregues, que controlam o norte de Mali, informou Ouédraogo. O contingente originalmente enviado a esse país cuidará da manutenção da paz e da segurança durante um período de transição de um ano, ao fim do qual espera-se que haja eleições limpas. Contudo, se as conversações fracassarem, a missão poderá ser reforçada com unidades de combate, acrescentou.

O governante interino de Mali, Dioncounda Traoré, esteve na cúpula, que teve a participação especial de Mohammad Ould Abdel Azizi, presidente da Mauritânia, que não pertence à Cedeao mas compartilha fronteira com esse país.

Os golpistas de Guiné-Bissau aceitaram o contingente de 500 a 600 soldados sob a autoridade da Cedeao. A força deverá facilitar a retirada da Missão de Assistência Militar e Técnica de Angola nesse país, colaborar com a reforma do exército nacional e ajudar a manter a segurança do programa de transição que deve ser implementado. Os efetivos do contingente serão de Nigéria, Togo, Costa do Marfim e Senegal, sob o comando do coronel Barro Gnibanga, de Burkina Faso.

A cúpula também criou um grupo de contato regional com a missão de coordenar a implantação e o controle das decisões da Cedeao sobre a Guiné-Bissau, que estará integrado por Benin, Cabo Verde, Gâmbia, Guiné, Senegal e Togo, presidido pela Nigéria. "A Cedeao tenta manter uma linha firme na condução desses dois casos. Houve um ligeiro retrocesso na situação em Mali, porque os líderes regionais reconheceram que o que ocorre no norte é mais complicado do que se pensava", explicou à IPS o especialista político Barthélémy Kodja, morador em Abdijan.

"Na Guiné-Bissau o contexto está bem definido e é fácil controlar o envio de uma força militar, mas em Mali a situação exige maiores recursos humanos, materiais e econômicos", ponderou Kodja. "Inicialmente, parecia que a Cedeao se envolveria militarmente em Mali para lutar contra os rebeldes tuaregues e outros grupos armados", acrescentou.

"Os líderes regionais, especialmente o atual presidente da Cedeao, Ouattara, mostrou certa preferência por essa atitude, mas concordaram em revisar esses planos, pois ficar preso em um conflito ali causaria graves problemas para a região e além dela", ressaltou Kodja. Após o golpe de Estado em Mali, no dia 21 de março, os rebeldes tuaregues e outros grupos armados islâmicos assumiram o controle de algumas partes do norte do país.

O presidente deposto de Mali, Amadou Toumani Touré, aceitou renunciar e permitir um governo de transição dirigido pelo presidente da Assembleia Nacional, Diocounda Traoré. O xeque Modibo Diarra foi designado primeiro-ministro do governo de transição em 17 de abril e, na semana passada, formou um governo de unidade. O golpe de Estado na Guiné-Bissau ocorreu no dia 12 de abril, entre o primeiro e o segundo turno eleitoral, previsto para o dia 29 de abril. Soldados rebeldes dispararam contra a residência do primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, e o levaram detido, bem como o presidente interino, Raimundo Pereira. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 A los migrantes les barren el sueño europeo en Trípoli
 La economía de Kenia crece, pero los pobres no se enteran
 EEUU-Cuba, el principio del fin de un histórico enfrentamiento
 Aborígenes australianos guardan soluciones climáticas
 Bandera estadounidense vuelve a Cuba
MÁS >>