África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

POLITICA
Líderes da África ocidental querem a ordem
Fulgence Zamblé

Abdijan, Costa do Marfim, 2/5/2012, (IPS) - A libertação do primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, e do presidente interino, Raimundo Pereira, detidos em 12 de abril pelos golpistas, atende às cobranças da Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (Cedeao) de restabelecer imediatamente a ordem nesse país.

Os dois governantes foram enviados para a Costa do Marfim. A Cedeao havia dado à junta militar que tomou o controle da Guiné-Bissau prazo de 72 horas, até o dia 29 de abril, para reinstaurar um governo constitucional, despachando um contingente de pelo menos 500 soldados para esse país em uma tentativa de resolver a crise política reinante.

"Não podemos tolerar mais a usurpação de poder na Guiné-Bissau", declarou o presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, que também encabeça a Cedeao, durante a cúpula extraordinária realizada no dia 26 de abril, em Abdijan. Os golpistas devem dar um passo atrás e permitir o rápido início de um processo de transição, acrescentou. A Cedeao alertou, ao fim do encontro, que, se a junta não aceitasse suas demandas, imporia sanções imediatas aos membros do comando militar e seus aliados. Também ameaçou com sanções diplomáticas e econômicas contra o país e não excluiu a possibilidade de enviar alguns casos ao Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia, na Holanda.

Os chefes de Estado e de governo da África ocidental decidiram enviar soldados para Guiné-Bissau e Mali. "A força enviada para Mali ajudará os órgãos de transição e o governo interino a responder perante qualquer eventualidade e no caso de serem necessários seus serviços para restaurar a integridade territorial de Mali", declarou aos jornalistas o presidente da Comissão da Cedeao, Désiré Kadré Ouédraogo.

Estamos negociando com os rebeldes tuaregues, que controlam o norte de Mali, informou Ouédraogo. O contingente originalmente enviado a esse país cuidará da manutenção da paz e da segurança durante um período de transição de um ano, ao fim do qual espera-se que haja eleições limpas. Contudo, se as conversações fracassarem, a missão poderá ser reforçada com unidades de combate, acrescentou.

O governante interino de Mali, Dioncounda Traoré, esteve na cúpula, que teve a participação especial de Mohammad Ould Abdel Azizi, presidente da Mauritânia, que não pertence à Cedeao mas compartilha fronteira com esse país.

Os golpistas de Guiné-Bissau aceitaram o contingente de 500 a 600 soldados sob a autoridade da Cedeao. A força deverá facilitar a retirada da Missão de Assistência Militar e Técnica de Angola nesse país, colaborar com a reforma do exército nacional e ajudar a manter a segurança do programa de transição que deve ser implementado. Os efetivos do contingente serão de Nigéria, Togo, Costa do Marfim e Senegal, sob o comando do coronel Barro Gnibanga, de Burkina Faso.

A cúpula também criou um grupo de contato regional com a missão de coordenar a implantação e o controle das decisões da Cedeao sobre a Guiné-Bissau, que estará integrado por Benin, Cabo Verde, Gâmbia, Guiné, Senegal e Togo, presidido pela Nigéria. "A Cedeao tenta manter uma linha firme na condução desses dois casos. Houve um ligeiro retrocesso na situação em Mali, porque os líderes regionais reconheceram que o que ocorre no norte é mais complicado do que se pensava", explicou à IPS o especialista político Barthélémy Kodja, morador em Abdijan.

"Na Guiné-Bissau o contexto está bem definido e é fácil controlar o envio de uma força militar, mas em Mali a situação exige maiores recursos humanos, materiais e econômicos", ponderou Kodja. "Inicialmente, parecia que a Cedeao se envolveria militarmente em Mali para lutar contra os rebeldes tuaregues e outros grupos armados", acrescentou.

"Os líderes regionais, especialmente o atual presidente da Cedeao, Ouattara, mostrou certa preferência por essa atitude, mas concordaram em revisar esses planos, pois ficar preso em um conflito ali causaria graves problemas para a região e além dela", ressaltou Kodja. Após o golpe de Estado em Mali, no dia 21 de março, os rebeldes tuaregues e outros grupos armados islâmicos assumiram o controle de algumas partes do norte do país.

O presidente deposto de Mali, Amadou Toumani Touré, aceitou renunciar e permitir um governo de transição dirigido pelo presidente da Assembleia Nacional, Diocounda Traoré. O xeque Modibo Diarra foi designado primeiro-ministro do governo de transição em 17 de abril e, na semana passada, formou um governo de unidade. O golpe de Estado na Guiné-Bissau ocorreu no dia 12 de abril, entre o primeiro e o segundo turno eleitoral, previsto para o dia 29 de abril. Soldados rebeldes dispararam contra a residência do primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, e o levaram detido, bem como o presidente interino, Raimundo Pereira. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Biodiversidad del Pacífico emerge en Domo Térmico de Costa Rica
 Se escribe el último capítulo de la lucha contra el VIH/sida
 El bambú es un arma poderosa contra el cambio climático
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
MÁS >>