África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Cubanos buscam alfabetização climática
Patricia Grogg

Havana, Cuba, 2/5/2012, (IPS) - O papel da comunidade pode ser fundamental na adaptação à mudança climática, desde que seja preparado adequadamente para compreender e fazer seu o problema. "Falta uma alfabetização" nessa matéria, afirmou Ángela Corvea, promotora ambiental de longa data.


Crédito: Jorge Luis Baños/IPS
uiteiros dedicam tempo para limpar o Rio Almendares.
"As pessoas nem sempre levam a sério estes problemas e não têm a percepção de risco diante dos fenômenos naturais, que cada vez serão mais frequentes e severos", disse Corvea ao responder a uma pergunta sobre o tema feita pelo Café 108, uma iniciativa do site do escritório da IPS em Cuba para propiciar a participação cidadã na pesquisa jornalística.

Em sua opinião, "pequenas ações comunitárias e locais poderiam ajudar a enfrentar estes caminhos que não são iminentes, mas que já estão aí". Aumento da temperatura e do nível médio do mar, secas recorrentes, inundações e furacões mais intensos figuram entre as eventuais consequências das transformações e variações climáticas.

Criadora em 2003 do projeto ecológico Acualina, para transmitir conhecimentos ambientais "à grandes massas" e especialmente crianças e adolescentes, Corvea organiza, há mais de uma década, um trabalho de saneamento costeiro para contribuir com a campanha multinacional "Limpando o Mundo", surgida na Austrália.

"É preciso promover a economia de água e outros recursos, consumir só o necessário, não contaminar, tentar manter um entorno limpo e bonito, reciclar, estar informado, ensinar os demais, especialmente crianças e jovens, ser solidário, falar destes temas em qualquer âmbito para chamar a atenção e ir criando consciência", reitera a incansável ativista.

Enrique Arango, especialista do Centro Nacional de Pesquisas Sismológicas, concorda com Corvea em que os riscos da mudança climática são vistos no longo prazo, o que dificulta criar consciência no plano comunitário. "É como fumar. Ninguém vê o perigo iminente e não deixa o vício mesmo sabendo que o tabagismo faz mal", apontou. No caso de Cuba é difícil desligar a comunidade do papel centralizado de todas as instâncias políticas e administrativas. "Se não vier de cima (das autoridades), não se faz ou fica inconcluso", disseram alguns entrevistados e participantes da pesquisa do Café 108.

Segundo Arango, entre as eventuais vias para "alfabetizar" as pessoas em seus bairros e localidades figuram os projetos interativos, nos quais participa uma alta porcentagem da população, mas que exige uma sistematização, liderança e principalmente vontade política em todos os níveis. "Caso contrário, só se terá alguns resultados enquanto o plano estiver em execução", alertou.

Em Cuba, as redes sociais começaram a ter um papel concreto na conscientização ecológica quando integrantes do Twitter promoveram em dezembro pela internet uma ação de limpeza e educação ambiental na desembocadura do Rio Almendares. "As grandes coisas partem de pequenas coisas. Cada um faz seu pedacinho e se ajuda. No fim, a questão não era só recolher o lixo, mas provocar uma reação, conscientizar a população da região a fazer saneamento e cuidar da parte que lhe toca", explicou à IPS o tuiteiro Salvatore (@salvatore300).

O líder do grupo de rap Cubanos na Rede, Osmel Francis, promove ações de cuidado e proteção social do entorno a partir de sua arte. "Os cantores nem sempre sabem o quanto podem ser úteis para a sociedade", declarou à IPS. Nesse caminho, uniu-se a Corvea em jornadas de limpeza do Rio Quibú, um dos mais contaminados de Havana.

Francis acredita que a consciência ambiental é deficiente e a chave para elevá-la é a educação. "Também falta a mídia se envolver mais, porque fazemos campanhas e jornadas ecológicas que nem sempre são divulgadas. Não vejo a questão do meio ambiente entre as prioridades. Sobre adaptação à mudança climática, inclusive nós, ambientalistas, deveríamos receber capacitação, assim saberíamos melhor o que fazer e como chegar com nossa mensagem até as pessoas", acrescentou.

A esse respeito e com sua experiência como repórter fotográfico, Rolando Pujol comentou que a população deve conhecer melhor os riscos a que se expõe. Costuma haver moradores que insistem em permanecer em áreas de risco porque têm sua vida e seu sustento "estreitamente" vinculados ao mar. Por isso, "prefere reparar uma e outra vez suas casas destruídas" pelos furacões. Some-se a isso as tradições e a história de locais que devem ser reconstruídos em áreas distantes da costa, destacou.

Ramón Pichs, especialista em mudança climática, considera "fundamental" o papel da população nas estratégias de adaptação em Cuba e em todo o resto do Caribe insular. Qualquer projeto terá mais sucesso "se as comunidades tiverem um adequado grau de conscientização com relação aos problemas", ressaltou.

Em entrevista à IPS, este especialista deu como exemplo a participação ativa da população de Cuba em programas de saúde e campanhas antivetoriais ou no caso do projeto que busca restaurar em Trinidad e Tobago o pântano de Nariva, no qual estão comprometidas várias organizações da sociedade civil e da região.

Para a adaptação, a escala local é fundamental, e, traduzindo isso em ações, o papel da população e das diferentes organizações que têm presença na comunidade, torna-se crucial, enfatizou Pichs, que também considerou muito importante a vinculação desses setores com outras instituições nacionais que cuidam da questão ambiental. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Criminalisation of Homelessness in U.S. Criticised by United Nations
 OPINION: Civil Society Calls For Impartial Inquiry on Air Crash and Catastrophe in Ukraine
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Sociedad civil exige investigación del avión derribado en Ucrania
 Masivas deportaciones no rompen sueños migratorios de hondureños
 Fomentar una ciudadanía global es vital para los ODS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
MÁS >>