África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

China e Índia, a imagem não é tudo
Kristin Palitza

Cidade do Cabo, África do Sul, 25/5/2012, (IPS) - China e Índia geraram uma explosão de intercâmbios comerciais e de investimentos na África na década passada.


Crédito: Claire Ngozo/IPS
Operários chineses diante de um novo hotel cinco estrelas de US$ 90 milhões no Malawi.
Porém, o primeiro tem fama de prejudicial para este continente, enquanto o segundo é visto com bons olhos. Pequim aparece como economicamente desapiedado, enquanto os interesses empresariais indianos costumam ser considerados benéficos para a África. Entretanto, os investimentos de ambos na África devem ser compreendidos em um contexto maior, segundo especialistas que participaram da conferência "Dinheiro, poder e sexo: o paradoxo do crescimento desigual", organizada pelo Open Society Institute for Southern Africa, que terminou ontem na Cidade do Cabo.

Os especialistas concordaram que é responsabilidade dos governos africanos estabelecer normas firmes para o fluxo de investimentos estrangeiros e garantir uma relação direta entre comércio e desenvolvimento. "Não estamos incentivando nossas comunidades econômicas regionais nem a União Africana (UA) para obter melhores acordos ou o tipo de investimentos de que precisamos", lamentou Buddy Kuruku, assessor na Libéria do Centro Africano para a Transformação Econômica.

Se a África priorizar o desenvolvimento com apoio da UA, seus 54 países poderão controlar rapidamente os investimentos das economias emergentes em seus territórios. "As potências mundiais competem por uma presença no continente, e a África pode se beneficiar disso. Se os países da UA trabalharem de forma solidária, não temerão a Índia nem a China", argumentou Zhongying Pang, professor de relações internacionais da Universidade Renmin da China, em Pequim.

É muito cedo para dizer que impacto terão os dois países na África, mas "é potencialmente mais positivo do que negativo", observou Howard French, ex-chefe do escritório do jornal The New York Times na China. "Durante muito tempo, a África não teve a possibilidade de escolher com quem queria manter relações comerciais", acrescentou French, que participa de uma pesquisa da Open Society Foundation sobre migrações chinesas para este continente.

A competição entre China e Índia por oportunidades de investimento, além de Europa e América do Norte, oferece aos países africanos um leque de possíveis sócios comerciais e maior peso para fixar as regras do jogo. Segundo o Banco Mundial, o investimento estrangeiro direto das duas potências emergentes na África cresceu de forma drástica. De fato, Pequim é o maior investidor, doador de ajuda e sócio comercial do continente. Os acordos para construção de infraestrutura e extração de recursos chegaram a US$ 127 bilhões em 2010.

A Índia tem um peso muito menor do que a China, mas sua influência na África aumenta a passos de gigante. Atualmente, mantém acordos comerciais no valor de US$ 46 bilhões no continente e anunciou que investirá US$ 70 bilhões até 2015. "O Estado chinês é, certamente, um enorme motor da atividade econômica na África, embora a Índia se esforce para promover seus investimentos na extração de recursos", destacou French. Além disso, as exportações da África para a Ásia triplicaram nos últimos cinco anos, chegando a 27% do total das importações asiáticas, segundo dados de 2010 do Banco Mundial, que mostram uma clara tendência ao rápido crescimento do comércio Sul-Sul.

Essa tendência aumenta desde que a África do Sul uniu-se a Brasil, China, Índia e Rússia no grupo Bric, de economias emergentes, em dezembro de 2010, quando este passou a chamar-se Brics. O interesse de Pequim na África gera maior desconfiança porque se baseia principalmente na atuação de enormes companhias estatais interessadas em grandes obras públicas e de infrestrutura, como estádios, estradas e ferrovias, muitas vezes com fundos estatais e multilaterais.

"A China tem uma política muito formal para fomentar seus interesses e investimentos na África. Já a Índia, não", explicou Kuruku. Nova Délhi tem uma perspectiva de curto prazo, com uma estratégia de dois a cinco anos. A presença indiana neste continente ocorre principalmente por meio de empresas privadas e concentrada na compra. "Isto é, as companhias da Índia tendem a gerar mais emprego e facilitar a transferência de capacidades, ao contrário dos investimentos chineses, pois pouquíssimos deles geram trabalho na África", detalhou Kuruku.

A China expressou seu compromisso para reverter sua imagem negativa, e prevê rever sua política externa na África, esperando obter benefícios políticos neste continente. "Aprendemos com as críticas à nossa política de investimentos. Se a China quiser continuar desempenhando um papel na África, deverá manter seus princípios de não interferência, e também agregar outros, como as intervenções multilaterais e políticas que contemplem a propriedade da terra", advertiu Pang. As empresas chinesas também devem se ater às normas locais em matéria trabalhista e ambiental, facilitar a transferência de capacidades para os países africanos e melhorar suas indústrias.

Alguns analistas afirmam que a Índia, na realidade, não é muito melhor. "A Índia investiu na compra de terras aráveis para paliar a inflação de alimentos em seu próprio território", apontou Aniket Alam, editor do Economic and Political Weekly, com sede em Mumbai. "Não possui melhores padrões trabalhistas do que a China. A exploração, a corrupção e os subornos correm soltos" nesse país, acrescentou. Como a China, a Índia esteve particularmente interessada na África para poder cobrir suas crescentes necessidades energéticas, e investe em países com recursos petroleiros, como Angola, Nigéria e Sudão, destacou.

Os dois países têm indústrias que se modernizam rapidamente e uma florescente classe média com crescente renda e poder de compra. Isto faz com que cresça a demanda por recursos naturais do setor extrativista e de produtos agrícolas, mas também de mercados de exportação diversificados, como o de matérias-primas processadas, produtos da indústria leve, bens de consumo doméstico e alimentos. E a África pode oferecer tudo isso. Envolverde/IPS

Kristin Palitza, da IPS



Cidade do Cabo, África do Sul, 25/5/2012 - China e Índia geraram uma explosão de intercâmbios comerciais e de investimentos na África na década passada. Porém, o primeiro tem fama de prejudicial para este continente, enquanto o segundo é visto com bons olhos. Pequim aparece como economicamente desapiedado, enquanto os interesses empresariais indianos costumam ser considerados benéficos para a África. Entretanto, os investimentos de ambos na África devem ser compreendidos em um contexto maior, segundo especialistas que participaram da conferência "Dinheiro, poder e sexo: o paradoxo do crescimento desigual", organizada pelo Open Society Institute for Southern Africa, que terminou ontem na Cidade do Cabo.

Os especialistas concordaram que é responsabilidade dos governos africanos estabelecer normas firmes para o fluxo de investimentos estrangeiros e garantir uma relação direta entre comércio e desenvolvimento. "Não estamos incentivando nossas comunidades econômicas regionais nem a União Africana (UA) para obter melhores acordos ou o tipo de investimentos de que precisamos", lamentou Buddy Kuruku, assessor na Libéria do Centro Africano para a Transformação Econômica.

Se a África priorizar o desenvolvimento com apoio da UA, seus 54 países poderão controlar rapidamente os investimentos das economias emergentes em seus territórios. "As potências mundiais competem por uma presença no continente, e a África pode se beneficiar disso. Se os países da UA trabalharem de forma solidária, não temerão a Índia nem a China", argumentou Zhongying Pang, professor de relações internacionais da Universidade Renmin da China, em Pequim.

É muito cedo para dizer que impacto terão os dois países na África, mas "é potencialmente mais positivo do que negativo", observou Howard French, ex-chefe do escritório do jornal The New York Times na China. "Durante muito tempo, a África não teve a possibilidade de escolher com quem queria manter relações comerciais", acrescentou French, que participa de uma pesquisa da Open Society Foundation sobre migrações chinesas para este continente.

A competição entre China e Índia por oportunidades de investimento, além de Europa e América do Norte, oferece aos países africanos um leque de possíveis sócios comerciais e maior peso para fixar as regras do jogo. Segundo o Banco Mundial, o investimento estrangeiro direto das duas potências emergentes na África cresceu de forma drástica. De fato, Pequim é o maior investidor, doador de ajuda e sócio comercial do continente. Os acordos para construção de infraestrutura e extração de recursos chegaram a US$ 127 bilhões em 2010.

A Índia tem um peso muito menor do que a China, mas sua influência na África aumenta a passos de gigante. Atualmente, mantém acordos comerciais no valor de US$ 46 bilhões no continente e anunciou que investirá US$ 70 bilhões até 2015. "O Estado chinês é, certamente, um enorme motor da atividade econômica na África, embora a Índia se esforce para promover seus investimentos na extração de recursos", destacou French. Além disso, as exportações da África para a Ásia triplicaram nos últimos cinco anos, chegando a 27% do total das importações asiáticas, segundo dados de 2010 do Banco Mundial, que mostram uma clara tendência ao rápido crescimento do comércio Sul-Sul.

Essa tendência aumenta desde que a África do Sul uniu-se a Brasil, China, Índia e Rússia no grupo Bric, de economias emergentes, em dezembro de 2010, quando este passou a chamar-se Brics. O interesse de Pequim na África gera maior desconfiança porque se baseia principalmente na atuação de enormes companhias estatais interessadas em grandes obras públicas e de infrestrutura, como estádios, estradas e ferrovias, muitas vezes com fundos estatais e multilaterais.

"A China tem uma política muito formal para fomentar seus interesses e investimentos na África. Já a Índia, não", explicou Kuruku. Nova Délhi tem uma perspectiva de curto prazo, com uma estratégia de dois a cinco anos. A presença indiana neste continente ocorre principalmente por meio de empresas privadas e concentrada na compra. "Isto é, as companhias da Índia tendem a gerar mais emprego e facilitar a transferência de capacidades, ao contrário dos investimentos chineses, pois pouquíssimos deles geram trabalho na África", detalhou Kuruku.

A China expressou seu compromisso para reverter sua imagem negativa, e prevê rever sua política externa na África, esperando obter benefícios políticos neste continente. "Aprendemos com as críticas à nossa política de investimentos. Se a China quiser continuar desempenhando um papel na África, deverá manter seus princípios de não interferência, e também agregar outros, como as intervenções multilaterais e políticas que contemplem a propriedade da terra", advertiu Pang. As empresas chinesas também devem se ater às normas locais em matéria trabalhista e ambiental, facilitar a transferência de capacidades para os países africanos e melhorar suas indústrias.

Alguns analistas afirmam que a Índia, na realidade, não é muito melhor. "A Índia investiu na compra de terras aráveis para paliar a inflação de alimentos em seu próprio território", apontou Aniket Alam, editor do Economic and Political Weekly, com sede em Mumbai. "Não possui melhores padrões trabalhistas do que a China. A exploração, a corrupção e os subornos correm soltos" nesse país, acrescentou. Como a China, a Índia esteve particularmente interessada na África para poder cobrir suas crescentes necessidades energéticas, e investe em países com recursos petroleiros, como Angola, Nigéria e Sudão, destacou.

Os dois países têm indústrias que se modernizam rapidamente e uma florescente classe média com crescente renda e poder de compra. Isto faz com que cresça a demanda por recursos naturais do setor extrativista e de produtos agrícolas, mas também de mercados de exportação diversificados, como o de matérias-primas processadas, produtos da indústria leve, bens de consumo doméstico e alimentos. E a África pode oferecer tudo isso. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. to Create National Plan on Responsible Business Practices
 Militarising the Ebola Crisis
 Iraq Looking for an ‘Independent’ Sunni Defense Minister
 Zero Nuclear Weapons: A Never-Ending Journey Ahead
 Championing Ocean Conservation Or Paying Lip Service to the Seas?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Iraq busca un ministro suní “independiente” contra el EI
 Panamá, un país y un canal con dos velocidades de desarrollo
 Ãfrica tendrá una presencia mínima en negociaciones climáticas
 Los pobres se marchitan bajo el sol abrasador de Sri Lanka
 La militarización de la epidemia del ébola
MÁS >>