África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

China e Índia, a imagem não é tudo
Kristin Palitza

Cidade do Cabo, África do Sul, 25/5/2012, (IPS) - China e Índia geraram uma explosão de intercâmbios comerciais e de investimentos na África na década passada.


Crédito: Claire Ngozo/IPS
Operários chineses diante de um novo hotel cinco estrelas de US$ 90 milhões no Malawi.
Porém, o primeiro tem fama de prejudicial para este continente, enquanto o segundo é visto com bons olhos. Pequim aparece como economicamente desapiedado, enquanto os interesses empresariais indianos costumam ser considerados benéficos para a África. Entretanto, os investimentos de ambos na África devem ser compreendidos em um contexto maior, segundo especialistas que participaram da conferência "Dinheiro, poder e sexo: o paradoxo do crescimento desigual", organizada pelo Open Society Institute for Southern Africa, que terminou ontem na Cidade do Cabo.

Os especialistas concordaram que é responsabilidade dos governos africanos estabelecer normas firmes para o fluxo de investimentos estrangeiros e garantir uma relação direta entre comércio e desenvolvimento. "Não estamos incentivando nossas comunidades econômicas regionais nem a União Africana (UA) para obter melhores acordos ou o tipo de investimentos de que precisamos", lamentou Buddy Kuruku, assessor na Libéria do Centro Africano para a Transformação Econômica.

Se a África priorizar o desenvolvimento com apoio da UA, seus 54 países poderão controlar rapidamente os investimentos das economias emergentes em seus territórios. "As potências mundiais competem por uma presença no continente, e a África pode se beneficiar disso. Se os países da UA trabalharem de forma solidária, não temerão a Índia nem a China", argumentou Zhongying Pang, professor de relações internacionais da Universidade Renmin da China, em Pequim.

É muito cedo para dizer que impacto terão os dois países na África, mas "é potencialmente mais positivo do que negativo", observou Howard French, ex-chefe do escritório do jornal The New York Times na China. "Durante muito tempo, a África não teve a possibilidade de escolher com quem queria manter relações comerciais", acrescentou French, que participa de uma pesquisa da Open Society Foundation sobre migrações chinesas para este continente.

A competição entre China e Índia por oportunidades de investimento, além de Europa e América do Norte, oferece aos países africanos um leque de possíveis sócios comerciais e maior peso para fixar as regras do jogo. Segundo o Banco Mundial, o investimento estrangeiro direto das duas potências emergentes na África cresceu de forma drástica. De fato, Pequim é o maior investidor, doador de ajuda e sócio comercial do continente. Os acordos para construção de infraestrutura e extração de recursos chegaram a US$ 127 bilhões em 2010.

A Índia tem um peso muito menor do que a China, mas sua influência na África aumenta a passos de gigante. Atualmente, mantém acordos comerciais no valor de US$ 46 bilhões no continente e anunciou que investirá US$ 70 bilhões até 2015. "O Estado chinês é, certamente, um enorme motor da atividade econômica na África, embora a Índia se esforce para promover seus investimentos na extração de recursos", destacou French. Além disso, as exportações da África para a Ásia triplicaram nos últimos cinco anos, chegando a 27% do total das importações asiáticas, segundo dados de 2010 do Banco Mundial, que mostram uma clara tendência ao rápido crescimento do comércio Sul-Sul.

Essa tendência aumenta desde que a África do Sul uniu-se a Brasil, China, Índia e Rússia no grupo Bric, de economias emergentes, em dezembro de 2010, quando este passou a chamar-se Brics. O interesse de Pequim na África gera maior desconfiança porque se baseia principalmente na atuação de enormes companhias estatais interessadas em grandes obras públicas e de infrestrutura, como estádios, estradas e ferrovias, muitas vezes com fundos estatais e multilaterais.

"A China tem uma política muito formal para fomentar seus interesses e investimentos na África. Já a Índia, não", explicou Kuruku. Nova Délhi tem uma perspectiva de curto prazo, com uma estratégia de dois a cinco anos. A presença indiana neste continente ocorre principalmente por meio de empresas privadas e concentrada na compra. "Isto é, as companhias da Índia tendem a gerar mais emprego e facilitar a transferência de capacidades, ao contrário dos investimentos chineses, pois pouquíssimos deles geram trabalho na África", detalhou Kuruku.

A China expressou seu compromisso para reverter sua imagem negativa, e prevê rever sua política externa na África, esperando obter benefícios políticos neste continente. "Aprendemos com as críticas à nossa política de investimentos. Se a China quiser continuar desempenhando um papel na África, deverá manter seus princípios de não interferência, e também agregar outros, como as intervenções multilaterais e políticas que contemplem a propriedade da terra", advertiu Pang. As empresas chinesas também devem se ater às normas locais em matéria trabalhista e ambiental, facilitar a transferência de capacidades para os países africanos e melhorar suas indústrias.

Alguns analistas afirmam que a Índia, na realidade, não é muito melhor. "A Índia investiu na compra de terras aráveis para paliar a inflação de alimentos em seu próprio território", apontou Aniket Alam, editor do Economic and Political Weekly, com sede em Mumbai. "Não possui melhores padrões trabalhistas do que a China. A exploração, a corrupção e os subornos correm soltos" nesse país, acrescentou. Como a China, a Índia esteve particularmente interessada na África para poder cobrir suas crescentes necessidades energéticas, e investe em países com recursos petroleiros, como Angola, Nigéria e Sudão, destacou.

Os dois países têm indústrias que se modernizam rapidamente e uma florescente classe média com crescente renda e poder de compra. Isto faz com que cresça a demanda por recursos naturais do setor extrativista e de produtos agrícolas, mas também de mercados de exportação diversificados, como o de matérias-primas processadas, produtos da indústria leve, bens de consumo doméstico e alimentos. E a África pode oferecer tudo isso. Envolverde/IPS

Kristin Palitza, da IPS



Cidade do Cabo, África do Sul, 25/5/2012 - China e Índia geraram uma explosão de intercâmbios comerciais e de investimentos na África na década passada. Porém, o primeiro tem fama de prejudicial para este continente, enquanto o segundo é visto com bons olhos. Pequim aparece como economicamente desapiedado, enquanto os interesses empresariais indianos costumam ser considerados benéficos para a África. Entretanto, os investimentos de ambos na África devem ser compreendidos em um contexto maior, segundo especialistas que participaram da conferência "Dinheiro, poder e sexo: o paradoxo do crescimento desigual", organizada pelo Open Society Institute for Southern Africa, que terminou ontem na Cidade do Cabo.

Os especialistas concordaram que é responsabilidade dos governos africanos estabelecer normas firmes para o fluxo de investimentos estrangeiros e garantir uma relação direta entre comércio e desenvolvimento. "Não estamos incentivando nossas comunidades econômicas regionais nem a União Africana (UA) para obter melhores acordos ou o tipo de investimentos de que precisamos", lamentou Buddy Kuruku, assessor na Libéria do Centro Africano para a Transformação Econômica.

Se a África priorizar o desenvolvimento com apoio da UA, seus 54 países poderão controlar rapidamente os investimentos das economias emergentes em seus territórios. "As potências mundiais competem por uma presença no continente, e a África pode se beneficiar disso. Se os países da UA trabalharem de forma solidária, não temerão a Índia nem a China", argumentou Zhongying Pang, professor de relações internacionais da Universidade Renmin da China, em Pequim.

É muito cedo para dizer que impacto terão os dois países na África, mas "é potencialmente mais positivo do que negativo", observou Howard French, ex-chefe do escritório do jornal The New York Times na China. "Durante muito tempo, a África não teve a possibilidade de escolher com quem queria manter relações comerciais", acrescentou French, que participa de uma pesquisa da Open Society Foundation sobre migrações chinesas para este continente.

A competição entre China e Índia por oportunidades de investimento, além de Europa e América do Norte, oferece aos países africanos um leque de possíveis sócios comerciais e maior peso para fixar as regras do jogo. Segundo o Banco Mundial, o investimento estrangeiro direto das duas potências emergentes na África cresceu de forma drástica. De fato, Pequim é o maior investidor, doador de ajuda e sócio comercial do continente. Os acordos para construção de infraestrutura e extração de recursos chegaram a US$ 127 bilhões em 2010.

A Índia tem um peso muito menor do que a China, mas sua influência na África aumenta a passos de gigante. Atualmente, mantém acordos comerciais no valor de US$ 46 bilhões no continente e anunciou que investirá US$ 70 bilhões até 2015. "O Estado chinês é, certamente, um enorme motor da atividade econômica na África, embora a Índia se esforce para promover seus investimentos na extração de recursos", destacou French. Além disso, as exportações da África para a Ásia triplicaram nos últimos cinco anos, chegando a 27% do total das importações asiáticas, segundo dados de 2010 do Banco Mundial, que mostram uma clara tendência ao rápido crescimento do comércio Sul-Sul.

Essa tendência aumenta desde que a África do Sul uniu-se a Brasil, China, Índia e Rússia no grupo Bric, de economias emergentes, em dezembro de 2010, quando este passou a chamar-se Brics. O interesse de Pequim na África gera maior desconfiança porque se baseia principalmente na atuação de enormes companhias estatais interessadas em grandes obras públicas e de infrestrutura, como estádios, estradas e ferrovias, muitas vezes com fundos estatais e multilaterais.

"A China tem uma política muito formal para fomentar seus interesses e investimentos na África. Já a Índia, não", explicou Kuruku. Nova Délhi tem uma perspectiva de curto prazo, com uma estratégia de dois a cinco anos. A presença indiana neste continente ocorre principalmente por meio de empresas privadas e concentrada na compra. "Isto é, as companhias da Índia tendem a gerar mais emprego e facilitar a transferência de capacidades, ao contrário dos investimentos chineses, pois pouquíssimos deles geram trabalho na África", detalhou Kuruku.

A China expressou seu compromisso para reverter sua imagem negativa, e prevê rever sua política externa na África, esperando obter benefícios políticos neste continente. "Aprendemos com as críticas à nossa política de investimentos. Se a China quiser continuar desempenhando um papel na África, deverá manter seus princípios de não interferência, e também agregar outros, como as intervenções multilaterais e políticas que contemplem a propriedade da terra", advertiu Pang. As empresas chinesas também devem se ater às normas locais em matéria trabalhista e ambiental, facilitar a transferência de capacidades para os países africanos e melhorar suas indústrias.

Alguns analistas afirmam que a Índia, na realidade, não é muito melhor. "A Índia investiu na compra de terras aráveis para paliar a inflação de alimentos em seu próprio território", apontou Aniket Alam, editor do Economic and Political Weekly, com sede em Mumbai. "Não possui melhores padrões trabalhistas do que a China. A exploração, a corrupção e os subornos correm soltos" nesse país, acrescentou. Como a China, a Índia esteve particularmente interessada na África para poder cobrir suas crescentes necessidades energéticas, e investe em países com recursos petroleiros, como Angola, Nigéria e Sudão, destacou.

Os dois países têm indústrias que se modernizam rapidamente e uma florescente classe média com crescente renda e poder de compra. Isto faz com que cresça a demanda por recursos naturais do setor extrativista e de produtos agrícolas, mas também de mercados de exportação diversificados, como o de matérias-primas processadas, produtos da indústria leve, bens de consumo doméstico e alimentos. E a África pode oferecer tudo isso. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
MÁS >>