África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

NÃO ALINHADOS
Esperando por Ban
Thalif Deen

Nova York, Estados Unidos, 20/8/2012, (IPS) - Quando Cuba assumiu a presidência do Movimento dos Não Alinhados (Noal), em 1979, o Ocidente acusou essa coalizão de carecer de legitimidade devido aos vínculos de Havana com a União Soviética.

Desde então, as potências ocidentais e alguns de seus principais meios de comunicação se referem ao Noal como o "assim chamado Movimento de Não Alinhados", mesmo com a presidência de Cuba tendo terminado em 1983.

O Irã assumirá a presidência do grupo no final deste mês, pela primeira vez na história desta coalizão de 120 membros, e é muito provável que o Ocidente reaja da mesma maneira. Israel, que ameaçou atacar unilateralmente o Irã, acusando-o de desenvolver armas de destruição em massa, exortou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, a não participar da próxima cúpula do Noal, entre 26 e 31 deste mês em Teerã.

O jornal israelense Haaretz informou, no início deste mês, que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pedira pessoalmente a Ban para não comparecer à cúpula do Noal, dizendo que o governo do Irã é "um regime que representa o maior perigo para a paz mundial". Contudo, Ernest Corea, embaixador do Sri Lanka nos Estados Unidos e autor do livro Não Alinhamento: a Dinâmica de um Movimento, disse à IPS que, se Ban participar da cúpula de Teerã, "estabelecerá um precedente e reafirmará os laços entre a ONU e o Noal".

Naturalmente, deverá estar presente, mas deveria abster-se de realizar conversações bilaterais com os líderes iranianos em assuntos que estão no âmbito do Conselho de Segurança, a menos que este órgão o autorize. Em um editorial intitulado "O chefe da ONU deve boicotar a conferência em Teerã", o jornal The Washington Post afirmou, no dia 15, que "a conferência promete ser um festival de resistência aos Estados Unidos, ao Conselho de Segurança e a Israel". O jornal também especulou que Ban procuraria dissuadir o Irã a suspender seu programa de desenvolvimento nuclear.

"Isso implica a ideia de que o líder da ONU tem mais influência do que qualquer outro que o tenha tentado antes. Nos dizem que o senhor Ban acredita tratar-se de um momento crucial para um último esforço diplomático. Porém, não parece nem remotamente que terá êxito", afirmou o The Washington Post. Se a preocupação é o programa atômico do Irã, disse um diplomata árabe à IPS, "por que o Ocidente continua evitando diplomaticamente o tema de Israel poder possuir armas nucleares e o Irã não?". Teerã insiste que o único objetivo de seu programa é atender suas crescentes necessidades energéticas e não a fabricação de armas de destruição em massa.

Chakravarthi Raghavan, jornalista que cobriu temas da ONU em Nova York e Genebra durante décadas, disse à IPS que, o Ocidente goste ou não, o Noal representa o maior grupo de nações e membros do fórum mundial. "Sejam quais forem as opiniões políticas do país anfitrião, seria uma tolice a Secretaria da ONU não estar presente para apresentar a visão das Nações Unidas e agisse como um defensor dos interesses dos Estados Unidos e de Israel, ou dos grupos pró-israelenses" em Washington, observou Raghavan, que participou das cúpulas do Noal desde seu começo.

O jornalista acrescentou que Ban "é apenas o chefe da Secretaria das Nações Unidas, segundo a Carta da ONU, embora U Thant (ex-secretário-geral) tenha dito em uma entrevista coletiva na década de 1960 que o chefe do fórum mundial também atua como consciência da humanidade". Perguntado se Ban pensava em participar da cúpula, seu porta-voz adjunto, Eduardo del Buey, disse no início do mês que "não temos nenhuma viagem para anunciar. Quando o secretário-geral tiver algo a informar, o fará". Pressionado pela imprensa no dia 15, declarou: "A mídia está cheia de informações... Não comentaremos nenhuma viagem. Posso continuar repetindo isto, se desejarem. Venho fazendo isso nos últimos dias".

Em uma declaração do dia 13, a Liga Antidifamação, forte grupo de pressão em favor de Israel, exortou Ban a "deixar claro que não tem intenções de viajar ao Irã no final deste mês". Em carta destinada ao secretário-geral, a Liga diz: "sua presença na capital iraniana desta vez será contraproducente para os esforços da comunidade internacional para fazer com que o Irã cumpra suas obrigações sob o Tratado de Não Proliferação Nuclear e abandone suas ambições atômicas". A organização ainda não recebeu uma resposta de Ban.

O Noal, criado em 1961, foi presidido por 12 países do Sul em desenvolvimento, incluindo Argélia, Índia, Indonésia, Malásia, Sri Lanka, África do Sul, a ex-Iugoslávia e Zimbábue. O Egito passará a atual presidência ao Irã na reunião de Teerã. Corea disse à IPS que o não alinhamento na Guerra Fria já era uma opção em política externa, antes do nascimento do Noal. Como explicou certa vez Jawaharlal Nehru, primeiro-ministro da Índia entre 1947 e 1967, o não alinhamento é o meio pelo qual os novos Estados independentes podem controlar sua política externa. O Noal "é uma coalizão de países que seguem uma política externa de não alinhamento, ou que professam fazê-lo", enfatizou Corea.

Seus princípios fundadores seguem intatos e são relevantes no mundo de hoje: respeito e benefício mútuo, não agressão, não interferência e coexistência pacífica, pontuou o embaixador do Sri Lanka. A relevância do Noal deve ser avaliada considerando o quanto seus membros aplicam seriamente estes princípios, acrescentou. "Todos os países que ocupam a presidência do Noal buscam ter influência. Alguns conseguem, outros não", ressaltou Corea. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
 Al Bagdadi y la guerra sin cuartel en nombre del califato
 Costo y oportunidad del petróleo no convencional en Argentina
 Indígenas panameños quieren aprovechar mejor sus bosques
MÁS >>