África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Escândalos bancários, uma história de nunca acabar
Roberto Savio*

San Salvador, Bahamas, agosto/2012, (IPS) - Não passa uma semana sem que surja um escândalo relacionado com os bancos.

O último foi o do banco britânico Standard Chartered, acusado pelo departamento de finanças do Estado de Nova York de lavagem de US$ 250 bilhões para potencial apoio a atividades terroristas.

Até agora, o Standard Chartered era considerado um dos bancos mais limpos, mas no dia 14 deste mês concordou em pagar uma gigantesca multa de US$ 340 milhões para frear a ação judicial.

Estamos agora entrando em outro nível da série incessante de escândalos bancários, já que começa a afetar diretamente alguns dos mais poderosos financistas do mundo, não apenas seus próprios bancos.

O ex-ministro da Economia da Espanha e ex-diretor gerente do Fundo Monetário Internacional, Rodrigo Rato, foi responsabilizado pela desestabilização do sistema bancário espanhol, foi inquirido em uma audiência parlamentar e se sucedem os apelos públicos para seu julgamento.

E, algo impensável até há pouco, o escritório do defensor do Povo Europeu (ombudsman) anunciou que iniciará uma investigação sobre a afiliação do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, ao chamado Grupo dos 30, por ser "incompatível com a independência, reputação e integridade do BCE".

Draghi foi vice-presidente do Goldman Sachs, o maior banco de investimentos do mundo, e o Grupo dos 30 (organização privada de altos funcionários, financistas, executivos de corporações e acadêmicos) é acusado de reunir personalidades influentes para orientar decisões nas áreas de economia, finanças e política internacionais.

Acusações semelhantes foram feitas durante anos contra a Comissão Trilateral, o Grupo Bilderberg e o Fórum Econômico Mundial. A diferença é que o Grupo dos 30 ocupa-se especificamente de finanças.

Por sua vez, a organização não governamental Corporate Europe Observatory, aponta o caso de outro executivo do Goldman Sachs: Mario Monti, primeiro-ministro da Itália, conselheiro internacional desse banco de investimentos entre 2005 e 2011.

Que tudo isto tenha algum resultado, é muito duvidoso. Os laços entre finanças, corporações e política são tão estreitos que apenas uma verdadeira revolução poderia desfazê-los.

O exemplo mais patente do caminho que está sendo seguido vemos nos Estados Unidos, onde o custo da campanha presidencial provavelmente superará a assombrosa quantia de US$ 2 bilhões. Isto se deve em grande parte à decisão de 2010 da Suprema Corte, que estendeu o direito à liberdade de expressão das pessoas às empresas.

Portanto, as corporações já não estão sujeitas a limitações em suas doações para as campanhas eleitorais.

O dinheiro procedente de doações secretas aumentou de 1%, em 2006, para 44%, em 2010. Este ano, 26 multimilionários doaram US$ 61 milhões aos Comitês de Ação Política. O valor do patrimônio desses 26 magnatas é igual ao valor conjunto da renda média de 50 milhões de norte-americanos.

É democrática a proporção entre a liberdade de palavra de 26 multimilionários e de 50 milhões de cidadãos "normais"?

Está bastante claro que o candidato republicano Mitt Romney, que junto com seu companheiro de chapa, Paul Ryan, ocupa a direita do cenário político norte-americano, dispõe de mais fundos para sua campanha do que seu adversário, o presidente Barack Obama, graças às contribuições das corporações e em especial dos bancos.

Aparentemente, algumas pessoas começam a se dar conta da gravidade da situação e de sua insustentabilidade.

Causou grande surpresa Sanford Weill (banqueiro, financista e filantropo norte-americano) declarar publicamente que "o que provavelmente deveríamos fazer seria separa os bancos de investimento dos bancos de depósito. Os bancos não devem fazer operações que coloquem em risco o dinheiro dos contribuintes, nem deve haver bancos que sejam grandes demais para quebrar".

Weill, ex-presidente do Citrigroup, manteve durante anos em seu escritório uma placa onde se lia "O destruidor de Glass-Steagall". A lei Glass-Steagall, aprovada pelo parlamento norte-americano em 1933 após a grande Depressão de 1929, estabeleceu uma rígida separação entre os bancos de depósito (comerciais) e os bancos de investimentos.

Dessa forma se protegeu o dinheiro dos clientes dos bancos comerciais, já que a lei determinava que não podia voltar a ser utilizado para atividades especulativas, que ficaram reservadas para os bancos de investimentos, por sua conta e risco.

A lei Glass-Steagall foi revogada pelo presidente Bill Clinton em 1999 para agradar Wall Street.

Desde então, John S. Reed, o cofundador do Citigroup, pediu perdão por ter criado este gigante devastador que, para impedir sua quebra, teve que ser socorrido por milhares de milhões de dólares de empréstimos governamentais, isto é, dinheiro dos contribuintes.

Outros dois ex-diretores executivos de bancos de investimentos, Philip Purcell, do Morgan Stanley, e David Romansky, do Merrill Lynch, que tiveram papéis de destaque na revogação da lei Glass-Steagall, expressaram semelhante arrependimento.

É uma pena que Weill e seus amigos já não estejam no poder.

Até uma módica medida, com um imposto simbólico sobre as transações financeiras, chamada Taxa Tobin, é rechaçada pelo mundo das finanças, embora tenha o apoio de personalidades tão respeitáveis como a chanceler alemã, Angela Merkel. o ex-presidente francês, Nicolas Sarkozy, e seu sucessor, François Hollande. Envolverde/IPS

* Roberto Savio é fundador e presidente emérito da agência de notícias IPS (Inter Press Service) e editor do Other News. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Declining Majority Still Supports “Active” U.S. Role in World Affairs
 U.S. Bypasses Security Council on Impending Invasion of Syria
 Obama’s Anti-ISIS Strategy Met with Scepticism
 Mideast Nuclear Weapons-Free Zone Remains in Limbo
 U.S. Military Joins Ebola Response in West Africa
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 El CIADI dirime demanda de empresa minera contra El Salvador
 Cumbre del Clima de la ONU: ¿puro teatro o hechos concretos?
 Varias iniciativas buscan “romper el silencio” sobre la esclavitud
 EEUU se salta la venia de la ONU en su inminente invasión a Siria
 El eterno retorno hacia la nada de los migrantes afganos
MÁS >>