África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

DESTAQUES
Decisão contra central Castilla dispara debate sobre eletricidade
Marianela Jarroud

SANTIAGO, Chile, 3 de setembro de 2012, (IPS) - (Tierramérica).- Até 2020, a mineração chilena do cobre exigirá quase o dobro de eletricidade do que a que consumiu no ano passado, segundo as autoridades.


Crédito: Alex Fuentes/IPS
Vista panorâmica de Totoral, deserto de Atacama, que ganhou disputa judicial contra a Termoelétrica Castilla
A paralisação, determinada pelo Supremo Tribunal de Justiça do Chile, da construção da central Termoelétrica Castilla desatou um debate sobre a segurança energética neste país. Autoridades e alguns especialistas alertam que o desenvolvimento nacional corre risco se não forem feitas obras desta envergadura. "Esta é uma pressão política ilegítima, é uma chantagem", afirmou o diretor do Observatório Latino-Americano de Conflitos Ambientais (Olca), Lucio Cuenca, para quem "o consumo cotidiano de energia dos chilenos e das chilenas não está ameaçado pela construção ou não da Termoelétrica Castilla".

O projeto da empresa de energia MPX, parte do grupo EBX do brasileiro Eike Batista, se coloca como a maior central de geração térmica da América do Sul, localizada 810 quilômetros ao norte de Santiago, no Deserto de Atacama e na margem do Oceano Pacífico. O projeto, de US$ 4,4 bilhões, compreende oito centrais: seis movidas a carvão, para gerar 300 megawatts cada uma, e duas a petróleo, com capacidade individual de 127 MW. Assim, o complexo poderá produzir quase 2,1 mil MW, que se somariam ao Sistema Interligado Central que abastece 90% da população chilena.

No entanto, no dia 28 de agosto, a Sala Constitucional do Supremo Tribunal ordenou a paralisação do projeto, ao acolher um recurso de proteção apresentado pela comunidade e pelos pescadores da localidade de Totoral, a mais próxima da termoelétrica, que já havia sido aceito parcialmente por um tribunal de apelações. A decisão unânime estabelece que a MPX e sua sócia alemã E.ON não podiam apresentar em separado a análise de impacto ambiental de cada componente do projeto, o complexo termoelétrico e o porto que o acompanha, onde seria descarregado o carvão e o petróleo importados para alimentar as usinas.

"A crítica em questão é efetiva", afirmou o Tribunal, pois "o porto tem com principal cliente e finalidade abastecer a central termoelétrica, e esta tem a necessidade de se abastecer de carvão e diesel que são fornecidos por intermédio do porto, de tal forma que claramente existem três unidades para uma mesma atividade que vão operar, a saber: o porto, a central e a conexão entre ambas". O Tribunal concluiu que, para seguir adiante, as empresas devem apresentar um novo estudo de impacto ambiental "que considere os dois projetos em forma conjunta e sua conexão para a transferência do carvão e do diesel, partindo do primeiro para a segunda".

Uma vez conhecida a sentença, a MPX alertou em um comunicado que "reavaliará sua estratégia de negócios no Chile". Estas declarações motivaram a reação imediata do governo. O ministro de Mineração, Hernán de Solminihac, afirmou que até 2020 a mineração do cobre exigirá 97% mais eletricidade do que a consumida em 2011. Na mesma linha, o economista Jorge Rodríguez Grossi disse ao Terramérica que a rejeição a Castilla e a outros projetos energéticos "fazem mal ao processo de crescimento econômico".

Grossi, que foi ministro de Energia no governo de Ricardo Lagos (2000-2006), acrescentou que a lei ambiental e suas indicações são "um gol contra que estamos fazendo do ponto de vista econômico". Segundo ele, "todos os chilenos querem crescer de maneira sustentável, mas não queremos que, por respeitar o meio ambiente, tenhamos atraso de dez ou 15 anos no desenvolvimento". É preciso "exigir do próprio Estado que dê aos investidores pautas claras e completamente provadas de que o caminho para avaliar um projeto é o correto", destacou.

Em sua opinião, "para que um projeto novo apareça e passe novamente pelos filtros ambientais transcorrerão dois ou três anos, podendo atrasar os investimentos em mineração". No entanto, para o ecologista Cuenca, este é "um discurso artificialmente armado em função de continuar apostando em uma estratégia de desenvolvimento equivocada", que não teria peso "se não existisse esta expansão desenfreada do investimento em mineração".

O Chile é o principal produtor de cobre do mundo. Sua capacidade instalada atual é de 17 mil MW. Em 2011, seu consumo foi pouco mais do que seis mil MW, detalhou Cuenca, o que determina uma margem ampla para atender novas demandas de curto e médio prazo. Porém, a distribuição não é parelha: 74% da capacidade instalada está no Sistema Interligado Central; 25% no Sistema Interligado Norte Grande, e menos de 1% em redes médias das regiões austrais de Aysén e Magallanes. Precisamente no norte se concentra a atividade mineradora, que consome um terço da eletricidade chilena e que tem projeções de grande crescimento.

A geração térmica, muito contaminante, abastece 63% da eletricidade e a hidráulica 34%. Os 3% restantes correspondem a fontes renováveis não convencionais. O porta-voz da associação de moradores de Totoral, Juan Carlos Morales, disse ao Terramérica que "a energia termoelétrica em nível mundial está em retrocesso, estão sendo usadas novas formas de geração, e é a megamineração a que exige energia e a que nos deixa sem água e com alta contaminação provocada pelos depósitos de dejetos" de carvão. Para Morales, a sentença foi uma surpresa. "Nos surpreende que no Chile nossos argumentos sejam respeitados e que a justiça tenha prevalecido sobre todas as pressões", ressaltou.

* (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Fighting ISIS and the Morning After
 Nuclear Deal with Iran Likely to Enhance U.S. Regional Leverage
 U.S. Ground Troops Possible in Anti-ISIS Battle
 Declining Majority Still Supports “Active” U.S. Role in World Affairs
 U.S. Bypasses Security Council on Impending Invasion of Syria
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 ONU lanza ambicioso plan humanitario en Gaza
 Las madres afganas dan a luz contra todo pronóstico
 Luchar contra el cambio climático y reducir la pobreza es posible
 EEUU podría enviar tropas terrestres a combatir al Estado Islámico
 La región más desigual da ejemplo en lucha contra el hambre
MÁS >>