África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A aids avança na Europa oriental e na Ásia central
Pavol Stracansky

Kiev, Ucrânia, 10/9/2012, (IPS) - Apesar das promessas dos governos da Europa oriental e da Ásia central de lutar contra a aids, a epidemia cresce mais rápido nesta ampla região do que no resto do mundo.


Crédito: International HIV/aids Alliance na Ucrânia
Na oriental região ucraniana de Dnipropetrovski é oferecida terapia de substituição de opiáceos.
As políticas antidrogas, a discriminação e as dificuldades de acesso aos medicamentos e às terapias são os principais fatores da propagação do vírus HIV (causador da aids). O vírus não poderá ser contido, a menos que os governos mudem sua estratégia, afirmam especialistas.

"Na maioria dos países pós-soviéticos, onde o HIV continua concentrado nos viciados em drogas, as políticas punitivas e a discriminação continuam paralisando a resposta à aids", disse à IPS o diretor do Programa Internacional de Desenvolvimento para a Redução de Danos da Open Society Foundations, Daniel Wolfe. Os números mostram um cenário cinzento. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), enquanto as taxas de infecção por HIV caem em todo o mundo, elas crescem na região definida por órgãos internacionais com Europa oriental e Ásia central (EECA).

A OMS informou que houve 170 mil novas infecções nesta região, em 2011, com alta de 22% desde 2005, e não há sinais de reversão da tendência. O uso de drogas intravenosas é um dos principais fatores: mais de 70% dos novos contágios ocorrem dessa forma, segundo a OMS. Ativistas dizem que a luta contra a epidemia deve se basear, antes de tudo, no combate ao vício de drogas injetáveis, no entanto afirmam que a atual postura dos governos sobre o problema não poderá solucioná-lo, mas, pelo contrário, pode agravá-lo.

"E necessário abandonar as políticas punitivas contra as drogas. As pessoas resistem a fazer o tratamento por temerem ser processadas penalmente ou ter outro tipo de problemas com a polícia", explicou à IPS a ativista Dasha Ocheret, da Rede Eurasiática para a Redução de Danos. "E há situações nas quais se arriscam a pegar infecção com o HIV em lugar de ir a um centro de troca de seringas", acrescentou. Esses centros fornecem gratuitamente material de injeção esterilizado em troca de seringas usadas, para evitar o compartilhamento destas e assim prevenir o contágio pelo HIV.

Rússia e Ucrânia são os países com os cenários mais graves. Além disso, ativistas acusam Moscou de criar obstáculos à luta contra o HIV/aids em toda a região. A terapia de substituição de opiáceos (TSO), tratamento para viciados aplicado em grande parte do mundo, no qual se oferece metadona ou buprenorfina aos consumidores de heroína, é proibida na Rússia e defendê-la é punido com prisão. Os críticos da terapia na Rússia argumentam que mantém os pacientes no vício, e que os países ocidentais a promovem apenas para obter lucro. Também afirmam que a metadona provavelmente acabará sendo vendida no mercado negro, desatando outro problema de drogas.

Nos últimos anos, a Rússia emergiu com importante doadora na EECA, e dessa forma também exportou suas políticas, incluindo sua rejeição à TSO. "A Rússia é importante ator regional, e sua política antidrogas influi em outros países da região", apontou Ocheret. Funcionários do Programa conjunto da Organização das Nações Unidas para o HIV/aids garantem que se pode conter o vírus entre os viciados em drogas combinando a TSO com programas de troca de seringas. Entretanto, porta-vozes da organização Harm Reduction International disseram à IPS que a grande diferença nas taxas de prevalência de HIV entre os viciados em drogas intravenosas nos países ocidentais e na Rússia (de até 30%) se deve à aplicação da TSO e de programas de troca de seringas nos primeiros.

No entanto, mesmo nos países da EECA onde existem estes programas os pacientes enfrentam grandes dificuldades para ter acesso a eles. Muitos governos continuam questionando sua efetividade e se negam a apoiá-los financeiramente, fazendo com que dependam de doações, o que limita sua cobertura e efetividade. Porém, o maior problema é a perseguição dos que tentam ter acesso aos programas. Muitos viciados na região denunciam torturas, chantagens, surras e acusações falsas da polícia.

Nos países da EECA pode-se ir para a prisão por períodos prolongados pela posse de uma quantidade mínima de droga. O resíduo em uma agulha entregue em um centro de troca de seringas, por exemplo, pode ser motivo suficiente para uma condenação. Um porta-voz da International HIV/aids Alliance na Ucrânia, onde a TSO e os programas de troca de seringas contam com forte apoio oficial, disse à IPS que "a intimidação física e de outro tipo contra consumidores de drogas é rotina na prática policial".

"Os viciados, os trabalhadores sexuais e os provedores de serviços denunciam que a polícia obtém dinheiro e informação dos consumidores mediante golpes, choques elétricos, simulação de asfixia e ameaças de violação. Também denunciam que a polícia coloca droga em suas casas e a usa como evidência para prendê-los", afirmou o porta-voz. A discriminação também afeta os programas de distribuição de antirretrovirais. A International HIV/aids Alliance assegurou à IPS que é "um problema comum" na Ucrânia negar antirretrovirais a viciados, embora não haja forma oficial de provar isso. Já a Rede Eurasiática informou à IPS sobre incidentes semelhantes na Rússia.

A OMS estima que apenas 23% das pessoas que podem se beneficiar de remédios contra HIV na EECA os recebem efetivamente. Na África subsaariana, a proporção é mais do que o dobro. Organizações contra a aids na EECA alertam que, enquanto não forem adotados os enfoques ocidentais de prevenção e tratamento, a epidemia continuará sem controle nesta região. "Países como a Polônia, por exemplo, adotaram na década de 1990 práticas ocidentais contra o HIV/aids, incluindo a TSO, e dessa forma mantiveram o problema sob controle. Em muitos países da EECA, estes programas seguem em eternas fases de teste e nunca avançam", enfatizou Ocheret à IPS. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>