África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

MUDANÇA CLIMÁTICA-CARIBE
Preparando-se para o pior
Desmond Brown

Brasseterre, São Cristóvão e , 1/10/2012, (IPS) - O primeiro-ministro de São Cristóvão e Neves, Denzil Douglas, recorda o quanto era tranquila e pacífica esta federação de duas ilhas durante seus primeiros 40 anos de vida. Contudo, há dez anos, este país, como o restante do Caribe, sofre eventos climáticos extremos.


Crédito: Desmond Brown/IPS
A erosão costeira coloca em risco esta estrada do sul de Antigua e Barbuda.
"Quando era pequeno, eu não sabia nada de furacões, mas na última década São Cristóvão e Neves sentiu sua ira como nunca antes", afirmou Douglas, que há 17 anos ocupa a chefia do governo.

Porém, as tempestades que afetam São Cristóvão e Neves não são exclusivas destas ilhas, acrescentou o primeiro-ministro. "É difícil esquecer a brutalidade dos furacões Ivã e Emily" em Granada, em 2004 e 2005, quando era considerada então "muito segura, localizada mais ao sul de nosso arquipélago", explicou à IPS. Em julho de 2005, o furacão Emily deixou uma esteira de destruição em Granada, quando esse país ainda se recuperava da devastação do ano anterior.

Os habitantes desta região sofrem ramificações problemáticas e polifacetárias do aquecimento global, disse Douglas aos participantes de um seminário dedicado ao tema, realizado no mês passado. O mandatário tem uma grande responsabilidade em questões ambientais e de mudança climática na Organização dos Estados do Caribe Oriental (OECS), composta por sete membros (Antiga e Barbuda, Dominica, Granada, Montserrat, São Cristóvão e Neves, Santa Lucia, São Vicente e Granadinas) e dois associados (Anguila e Ilhas Virgens Britânicas).

"Mais do que nunca nos vemos diante da ameaça de frequentes e severos furacões, secas, redução do número de peixes e muitas outras ameaças que refletem claramente a natureza de nossa própria existência insular", afirmou o primeiro-ministro. Michael Taylor, da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), concorda com Douglas quanto à necessidade de medidas urgentes. Contudo, afirmou que, embora a participação do governo seja fundamental em termos de sustentabilidade, o envolvimento da comunidade é ainda mais importante para sua continuidade.

"A capacitação de organizações não governamentais e da sociedade civil é fundamental para a conscientização geral a fim de garantir a efetiva resistência das comunidades e sua adaptação à mudança climática", ressaltou Taylor. "Se a população local não compreende bem os assuntos e não está preparada para se comprometer com a participação de forma ativa, o êxito corre risco", alertou.

A Usaid patrocinou no ano passado um painel semelhante em Santa Lucia, que examinou os impactos climáticos na gestão de recursos hídricos. Após o encontro teve início a implantação de iniciativas nacionais em vários países caribenhos. São Cristóvão e Neves é um exemplo, com a criação de um plano diretor para o setor hídrico, e também pela coleta de água em São Vicente e a distribuição por osmose inversa para os lares da ilha granadina de Bequia.

Astonia Browne, comissária de São Cristóvão e Neves na OECS, disse à IPS que, como ocorre na maioria dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento, os desafios dos países-membros do grupo estão marcados por sua reduzida extensão territorial, suas pequenas economias abertas, limitada infraestrutura e alta vulnerabilidade aos desastres naturais. Estes países devem encontrar sua própria forma de enfrentar os desafios, diante da carência de fundos externos.

A Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática identifica o Caribe como uma das regiões mais vulneráveis, que será ameaçada pelas consequências da mudança climática nos próximos 30 a 40 anos. A região terá que lidar com o aumento da temperatura, as tempestades tropicais, as terras baixas costeiras e pântanos alagados, bem como elevação do nível do mar, entre outros problemas.

"Não podemos esperar que o mundo industrializado determine se sobrevivemos, ou não, à mudança climática. Cada um de nós deve fazer o que está ao nosso alcance, agir para a redução de nossas vulnerabilidades e construir capacidade de resistência", enfatizou Browne. A comissária também se mostrou preocupada com os recursos naturais se degradando por práticas como desenvolvimento mal planejado, crescimento populacional, contaminação, exploração de recursos, entre outros. A menos que isto seja controlado, os países não poderão suportar o impacto da mudança climática. Perderão a capacidade de "fornecer serviços e funções vitais para o desenvolvimento sustentável de nossas pequenas economias insulares", alertou.

Os participantes do seminário Mudança Climática e Nossa Costa: Explorando Possibilidades, Encontrando Soluções também analisaram o impacto do aquecimento global no importante setor turístico, bem como as políticas para enfrentar esses desafios. Segundo Douglas, as consequências da mudança climática são "óbvias e catastróficas para o turismo". Também afirmou que a única maneira de a região poder lidar com as consequências deste fenômeno é se a adaptação se integrar aos diferentes setores da economia.

"O turismo será particularmente afetado pela mudança climática. Com a elevação da temperatura do mar, muitos arrecifes de coral branquearão, o que prejudicará o interesse pelo mergulho e significará uma perda importante de renda", explicou Douglas. "Afirma-se que a mudança climática é uma grande ameaça para as pequenas nações insulares. O fenômeno exacerba todas as outras ameaças e outros obstáculos que enfrentamos", concluiu. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Rousseff dos y el gran desafío: conjurar la “maldición” económica
 La pobreza infantil española desde los ojos de Encarni
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
MÁS >>