África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Abusos infantis impunes no Sri Lanka
Amantha Perera

Colombo, Sri Lanka, 9/10/2012, (IPS) - Em 2011 foram denunciados 1.463 casos de exploração sexual de meninos e meninas no Sri Lanka. A polícia constatou que todos eram genuínos e iniciou investigações em cada um deles.


Crédito: Amantha Perera/IPS
Em média, um processo sobre abuso infantil demora seis anos para ser concluído no Sri Lanka.
Contudo, no final do ano, nenhuma das denúncias havia chegado aos tribunais superiores que, pelo sistema judiciário nacional, são os encarregados de julgar delitos contra a infância.

Os casos de abusos de menores param nos tribunais. Até agosto passado, os 34 tribunais superiores do país tinham em suas prateleiras quatro mil denúncias de abuso contra crianças, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). "Um terço dos casos pendentes nos tribunais supremos estão relacionados com meninos e meninas", segundo o Unicef.

Porém, ativistas pelos direitos da infância garantem que o número na verdade é maior, se forem considerados os abusos que nem mesmo chegam à justiça. Quando se denuncia pela primeira vez um abuso infantil, a polícia realiza investigações preliminares e um tribunal de primeira instância decide se envia o caso a um tribunal superior ou o arquiva.

"Se considerarmos todos os casos que ainda esperam uma conclusão da investigação, estamos falando de aproximadamente oito mil", disse Visakha Tillekeratne, da organização local de direitos humanos Justiça para as Vítimas, em conversa com a IPS. Em média, no Sri Lanka, um caso de abuso infantil demora cerca de seis anos para ser concluído, segundo o Unicef.

"Um estudo de 2010 sobre 110 casos de abuso infantil que chegaram ao Departamento de Medicina Forense da Universidade de Kelaniya indica que o tempo médio para obter evidência era de 62,5 meses (cinco anos) desde o primeiro exame" da vítima, disse à IPS a porta-voz do Unicef em Colombo, Suzanne Davey.

Atrasos legais não são registrados apenas em casos de abuso infantil, mas são comuns em todo o sistema, paralisado pela falta de pessoal capacitado tanto na Polícia quanto na Promotoria. "É um grande tema", disse à IPS o superintendente principal da Polícia, Ajitha Rohana. No final de 2010 os tribunais tinham 650 mil processos sem resolver, acrescentou. Agora, "estão fazendo esforços para dar atenção especial aos casos de abuso infantil", ressaltou.

O Unicef colabora com o Ministério da Justiça, o Departamento de Polícia e a Promotoria para capacitar funcionários a fim de acelerar as investigações e os processos legais. Mais de 900 funcionários são instruídos desde janeiro, e está em andamento um projeto-piloto destinado a dar prioridade aos casos de abuso infantil em seis distritos. Rohana disse à IPS que os primeiros resultados do projeto são positivos. "O plano é introduzir um sistema para todos os distritos", contou. Os especialistas acreditam que isto é urgente, já que a longa espera agrava o trauma das vítimas. "É brutal esperar, especialmente quando ano após ano nada se faz", disse Tillekeratne.

"A demora nos processos tem como resultado maior vitimização das crianças que já sofreram muito abuso e exploração", disse Caroline Bakker, chefe de proteção no escritório do Unicef no Sri Lanka. Segundo ela, quando as vítimas veem que os responsáveis são soltos sob fiança, sentem-se ainda mais desamparadas. "Os responsáveis continuam livres e cometendo crimes contra crianças impunemente", afirmou.

Rohana informou que a polícia agora tem especial cuidado em não permitir que os suspeitos saiam livres, a menos que haja ordem de um tribunal. "Todos os funcionários encarregados das delegacias foram instruídos a adotarem ações imediatas quando receberem um caso de abuso infantil", acrescentou. Contudo, Tillekeratne disse à IPS que é urgente maior ação concertada em nível nacional, devido à enormidade do problema. "É preciso não que o projeto-piloto seja aplicado em fases no resto da ilha, mas que se faça ima implantação imediatamente", apontou.

Rohana acrescentou que desde 2005, quando o governo distribuiu funcionários dedicados especialmente à proteção dos direitos das mulheres e das crianças em todo o país, a polícia começou a receber mais denúncias. Davey ressaltou que é difícil saber se esse fenômeno tem relação com a nova política do governo ou se há outros fatores envolvidos. A densamente povoada Província oeste e as agrícolas Sabaragamuwa e Central do Norte são os lugares mais afetados pelo abuso infantil no país.

Estatísticas policiais mostram que a maioria dos abusos em áreas rurais ocorreram em momentos em que as crianças foram abandonadas por muito tempo por adultos que eram seus responsáveis. Citando um estudo de 2005, o Unicef diz que 89% dos abusos infantis são de natureza sexual, 70% são cometidos por um familiar ou alguém próximo da família da vítima, 27% por conhecidos do menor e apenas 3% por estranhos. Uma recente série de abusos envolvendo políticos e outro caso de uma menina de seis anos violentada e assassinada por um familiar de 16 anos voltaram a colocar o assunto sobre a mesa neste país da Ásia meridional. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
MÁS >>