África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

BANGLADESH
A violência passou, o susto permanece
Farid Ahmed

Daca, Bangladesh, 11/10/2012, (IPS) - O nervosismo ainda não se dissipou em Bangladesh, onde há mais de uma semana um grupo de muçulmanos incendiou e saqueou mais de uma dezena de templos e casas de membros da comunidade budista do sul do país.


Crédito: Farid Ahmed/IPS
Policiais vigiando um monastério budista em Daca após o ataque muçulmano no distrito de Cox’s Bazar.
Milhares de budistas têm a firme convicção de que a violência não acaba neste país de maioria muçulmana. Apesar de o governo tentar acalmar essa comunidade garantindo o apoio e a proteção do Estado, e de o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos, Mizanur Rahman, pedir desculpas pelas atrocidades, parece que nada afasta o medo.

"Sofremos o impacto desta violência inesperada, mas chamamos todos a manterem a paz, pois o budismo prega a não violência", disse Pranab Kumar Baruya, ex-professor da Universidade de Daca, em entrevista à IPS no monastério Dharma Rajika, da capital. "Queremos harmonia comunitária. Somos apenas um milhão de pessoas e precisamos do apoio do governo e da maioria da população do país no qual nascemos e no qual o budismo é praticado há mais de mil anos", acrescentou.

A pressão para que o governo inicie uma investigação judicial sobre o ocorrido aumenta, e os principais empresários de Bangladesh se mostraram temerosos de que uma reiteração deste tipo de incidentes tenha impacto negativo na imagem, nos investimentos e no comércio internacional do país. A Federação de Câmaras de Comércio e Indústria de Bangladesh pediu ao governo na semana passada que tome medidas imediatas para garantir "que estes tipos de incidentes não voltem a ocorrer".

"Ainda persiste a sensação de medo na comunidade budista, e é responsabilidade do governo aplacar os temores oferecendo segurança e levando os culpados à justiça", disse à IPS o ex-secretário conjunto do governo de Bangladesh, Ranjit Kumar Barua.

Os distúrbios começaram em 29 de setembro, quando uma multidão de muçulmanos atacou templos budistas e incendiou casas no sudeste do país, onde reside a maioria dos membros desta comunidade. Os agressores gritavam palavras antibudistas e causaram distúrbios toda a noite no povoado de Ramu, no distrito turístico de Cox's Bazar. A violência se espalhou às áreas vizinhas e continuou no dia seguinte.

O governo local precisou chamar o exército, paramilitares da Guarda Fronteiriça de Bangladesh e forças policiais para manter a ordem. Barua disse que a multidão queimou antigas relíquias budistas além de raros manuscritos de folha de palma com relatos religiosos e populares, conhecidos como Puthis, e danificaram centenas de estátuas de Buda.

"Quase todos os templos e monastérios, enfeitados com entalhes de madeira, foram queimados e danificados. Tinham centenas de anos, alguns construídos no final do Século 17 ou começo do seguinte", afirmou o governo. "O dano é irreparável, e não há ninguém no mundo que possa compensar esta perda. As feridas podem ser curadas, mas continuarão sangrando no profundo de nossos corações", disse à IPS o diretor residente do Centro Sima Bihar de Ramu, Pragyananda Bhikkhu.

"Os templos pertenciam aos budistas, mas também eram tesouros de incalculável valor para nosso país e parte de nosso patrimônio", destacou o professor universitário Nehal Ahmed.

A polícia e algumas testemunhas disseram à IPS que a fagulha que acendeu a ira dos muçulmanos foi a fotografia de um Alcorão (livro sagrado do Islã) parcialmente queimado, ao que parece divulgado no Facebook por um jovem budista. Mas a foto teria sido colocada nessa rede social por outra pessoa, e o jovem apenas teria sido marcado nela, segundo um informe inicial sobre o acontecido.

"Isto é inaceitável neste país da Ásia meridional relativamente pacífico", destacou Ahmed, ressaltando que Bangladesh não foi afetado pela violência desatada em várias nações islâmicas por causa do filme amador A inocência dos muçulmanos, que ridiculariza o profeta Maomé. "Morreu muita gente nos protestos do Paquistão por causa do filme contra o Islã, mas Bangladesh esteve bem tranquilo", afirmou.

Dirigentes políticos da governante Liga Awami e do opositor Partido Nacionalista de Bangladesh acusaram-se mutuamente pelo ocorrido, o que só fez aprofundar a ansiedade da comunidade budista, que representa menos de 1% dos 167 milhões de habitantes deste país de maioria muçulmana. O ministro do Interior, Mohiuddin Khan Alamgir, que visitou o local dos acontecimentos imediatamente após ocorrerem, responsabilizou o Partido Nacionalista. A violência foi planejada, afirmou, acrescentando que foram encontradas pólvora e gasolina nas casas e nos monastérios incendiados.

A primeira-ministra, Sheikh Hasina Wazed, e o ministro do Interior também deram a entender que a comunidade muçulmana rohingya, cujos membros estão refugiados há duas décadas no distrito de Cox's Bazar devido à perseguição e à violência sectária na vizinha Birmânia, teria instigado os ataques.

Por sua vez, Khaleda Zia, dirigente do Partido Nacionalista e ex-primeira-ministra de Bangladesh, disse no dia 6 que o governo era responsável pelos acontecimentos. Esta semana, a Suprem Corte ordenou ao governo que garanta a segurança da comunidade budista, bem como de outra minorias.

Na Birmânia, Tailândia e no Sri Lanka, monges budistas protestaram diante das respectivas missões diplomáticas de Bangladesh para expressar seu mal-estar e pedir uma investigação imparcial dos ataques a organizações de direitos humanos, como a Anistia Internacional e que o governo de Bangladesh envie imediatamente os culpados à justiça. Mas numerosos budistas sentem que a horrorosa recordação de um dos piores ataques contra sua religião continuará vivo, independentemente do resultado das investigações. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Criminalisation of Homelessness in U.S. Criticised by United Nations
 OPINION: Civil Society Calls For Impartial Inquiry on Air Crash and Catastrophe in Ukraine
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Sociedad civil exige investigación del avión derribado en Ucrania
 Masivas deportaciones no rompen sueños migratorios de hondureños
 Fomentar una ciudadanía global es vital para los ODS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
MÁS >>