África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

BANGLADESH
A violência passou, o susto permanece
Farid Ahmed

Daca, Bangladesh, 11/10/2012, (IPS) - O nervosismo ainda não se dissipou em Bangladesh, onde há mais de uma semana um grupo de muçulmanos incendiou e saqueou mais de uma dezena de templos e casas de membros da comunidade budista do sul do país.


Crédito: Farid Ahmed/IPS
Policiais vigiando um monastério budista em Daca após o ataque muçulmano no distrito de Cox’s Bazar.
Milhares de budistas têm a firme convicção de que a violência não acaba neste país de maioria muçulmana. Apesar de o governo tentar acalmar essa comunidade garantindo o apoio e a proteção do Estado, e de o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos, Mizanur Rahman, pedir desculpas pelas atrocidades, parece que nada afasta o medo.

"Sofremos o impacto desta violência inesperada, mas chamamos todos a manterem a paz, pois o budismo prega a não violência", disse Pranab Kumar Baruya, ex-professor da Universidade de Daca, em entrevista à IPS no monastério Dharma Rajika, da capital. "Queremos harmonia comunitária. Somos apenas um milhão de pessoas e precisamos do apoio do governo e da maioria da população do país no qual nascemos e no qual o budismo é praticado há mais de mil anos", acrescentou.

A pressão para que o governo inicie uma investigação judicial sobre o ocorrido aumenta, e os principais empresários de Bangladesh se mostraram temerosos de que uma reiteração deste tipo de incidentes tenha impacto negativo na imagem, nos investimentos e no comércio internacional do país. A Federação de Câmaras de Comércio e Indústria de Bangladesh pediu ao governo na semana passada que tome medidas imediatas para garantir "que estes tipos de incidentes não voltem a ocorrer".

"Ainda persiste a sensação de medo na comunidade budista, e é responsabilidade do governo aplacar os temores oferecendo segurança e levando os culpados à justiça", disse à IPS o ex-secretário conjunto do governo de Bangladesh, Ranjit Kumar Barua.

Os distúrbios começaram em 29 de setembro, quando uma multidão de muçulmanos atacou templos budistas e incendiou casas no sudeste do país, onde reside a maioria dos membros desta comunidade. Os agressores gritavam palavras antibudistas e causaram distúrbios toda a noite no povoado de Ramu, no distrito turístico de Cox's Bazar. A violência se espalhou às áreas vizinhas e continuou no dia seguinte.

O governo local precisou chamar o exército, paramilitares da Guarda Fronteiriça de Bangladesh e forças policiais para manter a ordem. Barua disse que a multidão queimou antigas relíquias budistas além de raros manuscritos de folha de palma com relatos religiosos e populares, conhecidos como Puthis, e danificaram centenas de estátuas de Buda.

"Quase todos os templos e monastérios, enfeitados com entalhes de madeira, foram queimados e danificados. Tinham centenas de anos, alguns construídos no final do Século 17 ou começo do seguinte", afirmou o governo. "O dano é irreparável, e não há ninguém no mundo que possa compensar esta perda. As feridas podem ser curadas, mas continuarão sangrando no profundo de nossos corações", disse à IPS o diretor residente do Centro Sima Bihar de Ramu, Pragyananda Bhikkhu.

"Os templos pertenciam aos budistas, mas também eram tesouros de incalculável valor para nosso país e parte de nosso patrimônio", destacou o professor universitário Nehal Ahmed.

A polícia e algumas testemunhas disseram à IPS que a fagulha que acendeu a ira dos muçulmanos foi a fotografia de um Alcorão (livro sagrado do Islã) parcialmente queimado, ao que parece divulgado no Facebook por um jovem budista. Mas a foto teria sido colocada nessa rede social por outra pessoa, e o jovem apenas teria sido marcado nela, segundo um informe inicial sobre o acontecido.

"Isto é inaceitável neste país da Ásia meridional relativamente pacífico", destacou Ahmed, ressaltando que Bangladesh não foi afetado pela violência desatada em várias nações islâmicas por causa do filme amador A inocência dos muçulmanos, que ridiculariza o profeta Maomé. "Morreu muita gente nos protestos do Paquistão por causa do filme contra o Islã, mas Bangladesh esteve bem tranquilo", afirmou.

Dirigentes políticos da governante Liga Awami e do opositor Partido Nacionalista de Bangladesh acusaram-se mutuamente pelo ocorrido, o que só fez aprofundar a ansiedade da comunidade budista, que representa menos de 1% dos 167 milhões de habitantes deste país de maioria muçulmana. O ministro do Interior, Mohiuddin Khan Alamgir, que visitou o local dos acontecimentos imediatamente após ocorrerem, responsabilizou o Partido Nacionalista. A violência foi planejada, afirmou, acrescentando que foram encontradas pólvora e gasolina nas casas e nos monastérios incendiados.

A primeira-ministra, Sheikh Hasina Wazed, e o ministro do Interior também deram a entender que a comunidade muçulmana rohingya, cujos membros estão refugiados há duas décadas no distrito de Cox's Bazar devido à perseguição e à violência sectária na vizinha Birmânia, teria instigado os ataques.

Por sua vez, Khaleda Zia, dirigente do Partido Nacionalista e ex-primeira-ministra de Bangladesh, disse no dia 6 que o governo era responsável pelos acontecimentos. Esta semana, a Suprem Corte ordenou ao governo que garanta a segurança da comunidade budista, bem como de outra minorias.

Na Birmânia, Tailândia e no Sri Lanka, monges budistas protestaram diante das respectivas missões diplomáticas de Bangladesh para expressar seu mal-estar e pedir uma investigação imparcial dos ataques a organizações de direitos humanos, como a Anistia Internacional e que o governo de Bangladesh envie imediatamente os culpados à justiça. Mas numerosos budistas sentem que a horrorosa recordação de um dos piores ataques contra sua religião continuará vivo, independentemente do resultado das investigações. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Israel Lobby Galvanises Support for Gaza War
 Under Water: The EPA’s Struggle to Combat Pollution
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Antigua y Barbuda agobiada por necesidades energéticas
 La gente antes que las fronteras, pero no en Europa
 Desarrollo humano en Brasil avanza entre deudas históricas
 El tic-tac diplomático encubre la agresión de Israel a Gaza
 La maldición de la mala alimentación ronda a Nepal
MÁS >>