África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Como o Talibã ganhou a batalha das bombas caseiras
Gareth Porter*

Washington, Estados Unidos, 11/10/2012, (IPS) - A onda de "ataques amigos" contra as forças estrangeiras no Afeganistão domina este ano as notícias sobre essa guerra. Porém, há outro fato mais importante: a categórica derrota norte-americana diante dos artefatos explosivos improvisados do Talibã.


Crédito: Departamento de Defesa dos EUA
O soldado norte-americano Shawn Williams sendo evacuado após sofrer ferimentos à bomba em Kandahar, no dia 17 de junho de 2011.
Alguns meios de comunicação afirmam que o exército dos Estados Unidos conseguiu algum progresso contra essas bombas, mas sem apresentar o contexto das tendências sazonais ou focando-se exclusivamente nas baixas norte-americanas.

A realidade mostra que o aumento de tropas não conseguiu reverter o acentuado aumento de ataques com explosivos improvisados e das baixas que causaram, que o movimento extremista Talibã iniciou em 2009 e continuou até 2011. Nesse período de dois anos, as tropas dos Estados Unidos sofreram 14.627 mortes, segundo o Departamento de Defesa e a organização não governamental iCasualties, que registra as baixas das guerras do Iraque e do Afeganistão de fontes publicadas.

Desse total, 59% (8.680 mortes) foram causadas por explosivos improvisados. A proporção de todas as baixas norte-americanas por ataques deste tipo aumentou de 56% em 2009 para 63% no ano passado. A decisão do Talibã de apelar para esse tipo de arma é um aspecto central de sua estratégia para responder à ofensiva bélica decidida por Washington. Exigiu uma grande quantidade de tempo e de energia das tropas norte-americanas e demonstrou que sua campanha contrainsurgente não conseguia reduzir o tamanho nem o poderio da guerrilha islâmica.

Além disso, ofereceu ampla evidência à população afegã de que o Talibã mantinha sua presença inclusive em distritos especificamente ocupados por tropas dos Estados Unidos. Os chefes militares norte-americanos tentaram controlar esta estratégia com duas medidas contraditórias, que ignoravam a realidade política e social do Afeganistão. Por um lado, organização conjunta para a derrota dos explosivos improvisados do Pentágono (conhecida pela sigla Jieddo) gastou mais de US$ 18 bilhões em dispositivos de alta tecnologia para detectar este armamento antes de explodir. Isto incluiu robôs e dirigíveis com câmeras de espionagem.

A tecnologia permitiu descobrir mais artefatos, mas o Talibã simplesmente se dedicou a fabricar e instalar muitos mais, elevando a pressão. Por outro lado, a estratégia concebida pelo general David Petraeus, e aplicada pelo general Stanley A. McChrystal, sustentava que a rede de explosivos improvisados seria desmantelada quando o povo virasse as costas para o Talibã. Então, os generais colocaram tanques e blindados e milhares de tropas para patrulhar a pé a fim de travar relações com a população local. O passo seguinte foi um salto na quantidade de ferimentos "catastróficos" em soldados norte-americanos causados por bombas improvisadas.

Em sua avaliação de 30 de agosto de 2009, McChrystal disse que a Força Internacional de Assistência para a Segurança (Isaf), enviada pela organização do Tratado do Atlântico Norte, "não terá êxito se não estiver disposta a compartilhar pelo menos o mesmo risco que nós". E sugeriu que uma vez que se ganhasse a confiança da população, esta informaria à Isaf onde se encontravam as bombas.

McChrystal deu maior ênfase no patrulhamento sem tanques no outono de 2009. O Talibã respondeu elevando a quantidade de artefatos dirigidos contra essas patrulhas, de 71 em setembro daquele ano para 228 em janeiro de 2010, segundo dados da Jieddo. Isto significava que a população tinha mais conhecimento da localização das bombas, o que deveria ter como resultado que informasse mais sobre esse armamento às tropas estrangeiras, segundo a estratégia de Petraeus. Mas os números mostram que ocorreu o contrário. Nos primeiros oito meses de 2009, a média de armas denunciadas pela população foi de 3%. Mas, de setembro daquele ano até junho de 2010, caiu para 2,7%.

Depois que Petraeus substituiu McChrystal como comandante da Isaf, ordenou inclusive mais patrulhas, sobretudo nas províncias de Helmand e Kandahar, onde as tropas norte-americanas buscavam controlar o que havia sido o reduto do Talibã nos anos anteriores. Nos cinco meses seguintes, a denúncia de explosivos improvisados caiu para menos de 1%.Enquanto isso, cresciam os ataques com esse armamento contra as patrulhas: de 21 em outubro de 2009 para uma média mensal de 40 entre março e dezembro de 2010. Os soldados feridos chegaram a 316 por mês nesse período, duas vezes e meia maior do que nos dez meses anteriores. Este êxito foi o principal motivo do aumento das baixas e dos feridos norte-americanos.

Em 2009, foram 1.211 feridos e 159 mortos devido às bombas improvisadas. Em 2010, 3.366 feridos e 259 mortos. Os ferimentos causados às tropas que patrulham a pé são muito piores: amputações traumáticas de membros e outras lesões severas, muito piores do que as sofridas em ataques contra veículos blindados. Em 2011, as mortes norte-americanas por bombas improvisadas caíram para 204, e o total de baixas passou de 499 para 418. Mas o número de feridos por esse artefato cresceu 10% e a quantidade de todos os feridos em combate foi quase a mesa de 2010, segundo a iCasualties.

Nos primeiros oito meses deste ano, o número de feridos caiu 10% em relação a igual período de 2011, e o de mortes foi 29% menor. A queda no número de feridos se deve em parte ao traslado de milhares de tropas norte-americanas de Kandahar e Helmand para o leste afegão.

No começo de 2011, o Pentágono sabia perfeitamente que não conseguiria cumprir o que havia planejado antes e durante a ofensiva. Em um eloquente comentário ao jornal The Washington Post em janeiro desse ano, o diretor da Jieddo, general John L. Oates, afirmava que "não é correto afirmar que estamos perdendo a guerra de explosivos improvisados, porque a ideia não é destruir a rede. Isto pode ser impossível". O objetivo é "desbaratá-los", dizia Oates, movendo, assim, o arco do lugar para não ter que admitir que não haviam feito gols. A admissão implícita de que o patrulhamento a pé de Petraeus já não é referenciado no comando da Isaf é que a ordem de agosto de 2010 foi retirada de seu site na internet. Envolverde/IPS

* Gareth Porter é historiador e jornalista investigativo especializado em política nacional de segurança dos Estados Unidos, e recebeu em 2011 o prêmio britânico Gellhorn por seus artigos sobre a guerra dos Estados Unidos contra o Afeganistão. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Países del Sur se imponen al Norte en negociación de la OMC
 BRICS, una brecha en ordenamiento financiero de Occidente
 Buen futuro para los precios agrícolas pero no tanto para los pobres
 Desplazados viven una pesadilla en el norte de Pakistán
 El duro oficio de volver al campo cubano
MÁS >>