África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"Resistência a desastres naturais começa com as mulheres"
Julia Kallas

Nova York, Estados Unidos, 17/10/2012 , (IPS) - As meninas e as mulheres podem ser poderosas agentes de mudança, mas sofrem de forma desproporcional os desastres climáticos devido aos tradicionais papéis de gênero, à discriminação e à pobreza.


Crédito: Julia Kallas/IPS
A partir da esquerda, Haydee Rodríguez, Violet Shivutse e Josephine Castillo.
A IPS conversou a esse respeito com a ativista filipina Josephine Castillo, da rede de organizações não governamentais Dampa, Haydee Rodríguez, presidente da União de Cooperativas de Mulheres Las Brumas, na localidade nicaraguense de Jinotega, e Violet Shivutse, fundadora da Comunidade de Trabalhadoras da Saúde Shibuye, do Quênia.

O Dia Internacional para a Redução de Desastres, celebrado no dia 13, se concentrou em "Mulheres e meninas a força (in)visível da resiliência".

IPS: As três têm histórias diferentes e procedem de contextos diferentes. Poderiam explicar quais os principais desafios que enfrentam na hora de criar mecanismos de resiliência em suas comunidades?

Josephine Castillo: Sou uma das diretoras de minha associação de proprietárias, que tem 421 membros, todas donas de suas terras desde 1995, algo que conseguimos graças a um programa que realizamos com o governo nacional, que ofereceu hipotecas para que as mulheres comprassem suas casas. Temos programas que agrupam nossa comunidade em caso de desastre. Formamos equipes de resposta rápida em colaboração com o governo local, e nossos projetos de resiliência trabalham com a Huairou Comission e Groots International. Em agosto, as pessoas afetadas pelas inundações de Manila foram levadas para locais de recolocação, que resgatam famílias afetadas por inundações e terremotos. Os desastres naturais ocorrem mais frequentemente devido à mudança climática, e precisamos ter programas de adaptação climática, mitigação de desastres e resiliência.

Haydee Rodríguez: Presido a União de Cooperativas de Mulheres Las Brumas, em Jinotega, Nicarágua. Criamos 20 cooperativas de mulheres com cerca de 1.200 integrantes e outras 960 vinculadas de forma indireta. Nossa comunidade tem numerosas dificuldades com a mudança climática e a distribuição de terras. Mediante o trabalho de resiliência criamos programas para cultivar alimentos e plantas medicinais, e outros que objetivam melhorar o diálogo com o governo. Também conseguimos que as mulheres participassem de organizações partidárias. Nas próximas eleições, em 4 de novembro, haverá 14 ativistas comunitárias.

Violet Shiuvutse: Quando trabalhava em uma repartição que registrava agricultores, conheci muitas mulheres grávidas que sofreram problemas no parto. Muitas morreram, outras tiveram partos complicados após os quais o bebê morreu, ou elas ficaram com sequelas por muito tempo. O principal problema era ajudá-las e garantir-lhes o traslado para um hospital, pois a distância e o alto custo do serviço não as animava a fazê-lo. Então, comecei a pensar em como ajudar estas mulheres tão importantes para a comunidade. Foi assim que me envolvi no trabalho comunitário e em questões de saúde feminina. Os maiores problemas na comunidade incluem encontrar fundos contra o HIV/aids, segurança alimentar, os períodos de seca e as inundações. A água, o saneamento e a higiene também são grandes problemas para meninos e meninas nas escolas. Quando me dei conta de que os problemas aumentavam, reuni muitas mulheres para começar a trabalhar no desenvolvimento de nossa comunidade. Criamos a organização Comunidade de Trabalhadoras da Saúde Shibuye, que hoje conta com 2.036 ativistas.

IPS: Por que é importante se concentrar nas mulheres e meninas em matéria de redução de desastres?

JC: Porque são as mais prejudicadas em casos de desastres. Devem estar preparadas e treinadas. Não gostamos de dizer que somos vulneráveis, mas somos. Quando falamos de resiliência não nos referimos apenas aos desastres naturais. A falta de educação também significa desastre. Não podem encontrar trabalho se não têm capacitação. Por isso devemos participar de conferências internacionais, para mostrar nossas necessidades e lutar por nossos direitos.

HR: Trabalhar na resiliência de mulheres é importante porque precisamos cuidar de nossas vidas e da comunidade. Se não nos preocupamos com a água, por exemplo, não haverá cultivo e, sem produção, há fome.

VS: Acreditamos que a resiliência começa com as mulheres, já que são elas que se encarregam das comunidades rurais, porque os homens emigram para as cidades em busca de trabalho. Por isso, o impacto dos desastres para mulheres e meninas é grande. As incentivamos a trabalharem em grupos para que possam compreender como resistir. Resiliência é ter comida em suas casas, resiliência quer dizer armazenar alimentos, resiliência significa identificar recursos naturais e protegê-los. Também acreditamos que é importante as meninas aprenderem a importância da resiliência para que, quando forem adultas e mães, ajudem suas comunidades.

IPS: Como criam projetos eficazes em matéria de resiliência feminina?

JC: É importante colaborar e associar-se com autoridades locais, instituições e organizações em todo o mundo. Também é importante o diálogo entre atores locais. As organizações devem se concentrar em muitas questões porque, se trabalharem em apenas uma, podem esgotá-lo, e se esse assunto for resolvido não terão mais nada para trabalhar. Nossos programas surgem das pessoas, não dos contribuintes.

HR: Temos que impulsionar as mulheres a participarem dos processos de decisão e ocuparem cargos de liderança. As organizações devem ajudá-las e incentivar a inovação feminina oferecendo-lhes recursos. Além disso, as protagonistas devem compartilhar seu trabalho e seus projetos com outras comunidades para ajudar a propagar a resiliência.

VS: Primeiro temos que educá-las, porque do contrário não poderão participar de trabalhos comunitários. Em segundo lugar, fortalecê-las do ponto de vista político e econômico. Dar-lhes mais valor e igualdade no ambiente de trabalho. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 ONU niega que esté actuando con desidia en disputa EEUU-Irán por visa
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
MÁS >>