África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Violência contra a mulher não para em Bangladesh
Naimul Haq

Daca, Bangladesh, 19/10/2012, (IPS) - Bangladesh costuma ser considerado um exemplo de país com relação aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), mas nos últimos tempos parece ter retrocedido em colocar um freio à violência contra a mulher.


Crédito: Naimul Haq/IPS
Violência contra a mulher difícil de erradicar em Bangladesh.
Estatísticas da polícia e análises de organizações não governamentais mostra um aumento na quantidade de casos denunciados.

Em 2004, foram 2.981 casos de violência vinculados ao dote, segundo a polícia, bem abaixo dos 4.563 registrados nos primeiros nove meses deste ano. Além disso, até agosto de 2012 houve 2.868 denúncias de violação, contra 2.901 em 2004.

Farida Akhtar, ativista pelos direitos humanos, disse à IPS que um aspecto perturbador desta tendência é que "adota formas enganosas que excedem as estatísticas". "estando melhor informadas de seus direitos devido a uma educação, as mulheres querem defendê-los e são vítimas de violência", explicou Akhtar, que criou a ONG Ubinig, acrônimo Pesquisa Política para Alternativas de Desenvolvimento.

Com escolaridade de 95%, Bangladesh está bem encaminhado para conseguir a igualdade de gênero no ensino, um dos oito ODM com metas a serem cumpridas até 2015. Mas a igualdade de gênero e o empoderamento feminino são muito mais do que isso. "Infelizmente, a tortura psicológica não pode ser quantificada nem costuma ser denunciada. Mas o fato de o suicídio ser a maior causa de morte entre as mulheres é revelador", lamentou Akhtar.

Defensoras dos direitos femininos afirmam que muitas atrocidades não são denunciadas por meto de hostilidades de autoridades religiosas e políticas. Além disso, uma grande quantidade de casos denunciados não segue adiante por serem considerados acusações falsas. Dados da polícia mostram que houve 109.621 denúncias de várias formas de violência entre 2010 e agosto de 2012, das quais se tomou conhecimento de 18.484, mas apenas 6.875 foram consideradas "legítimas" para ser aberto processo.

Mohammad Munirul Islam, inspetor-geral da polícia e responsável pelos crimes de violência contra a mulher na sede dessa força, disse à IPS: "Em muitas ocasiões nossas investigações concluem que a lei foi utilizada para hostilizar o acusado. Parece que nem todas as denúncias são legítimas".

Por sua vez, Afroza Parvin, diretora-executiva da ONG Nari Unnayan Shakti, disse à IPS: "Graças a uma maior consciência da situação as vítimas aprenderam a levantar a voz, mas não chegam para buscar ajuda da polícia. Nos 20 anos que temos de experiência vimos como a política não costuma cooperar com as vítimas e favorece o acusado".

A ativista Shireen Huq explicou que o mais difícil é estabelecer "a presunção de fato por falta de testemunhas, provas, etc., por isso o acusado é absolvido facilmente e os casos podem ser arquivados como falsos". Huq, também fundadora da Naripokkho, disse à IPS que, "sem importar o delito ou a forma de violência, polícia e advogados consideram conveniente arquivar a denúncia como 'tortura por dote', e como este é um crime inafiançável costumamos ouvir que os mais do acusado acabam detidos".

O não cumprimento das obrigações do dote é uma das principais causas de violência contra a mulher em Bangladesh, com cerca de cinco mil denúncias por ano. Em 2010, a polícia registrou 5.331 casos, e no ano seguinte dispararam para 7.079. As estatísticas oficiais mostram que a violência contra a mulher não diminui e que muitas denúncias acabam não sendo consideradas. Dados da Associação de Advogadas de Bangladesh mostram que dos 420 casos de violação registrados em 2011 apenas 286 seguiram adiante.

Salma Ali, diretora-executiva da BNWLA, disse à IPS que uma das dificuldades para defender os direitos das mulheres é que a sociedade de Bangladesh é fortemente patriarcal. 'Isto é, as mulheres são discriminadas quanto aos direitos matrimoniais, custódia dos filhos e herança, frequentemente através de diretrizes e ordens religiosas', disse Ali, conhecida advogada local.

Hameeda Hossain, a presidente da ONG Ain-o-Shalish Kendra, disse à IPS que se "as mulheres continuam sofrendo social, cultural e politicamente" se deve "à aceitação de sua subordinação às leis discriminatórias e à falta de cumprimento da lei. Os crimes contra a mulher dentro da família costumam ser ignorados e elas são silenciadas. A violência doméstica é tolerada socialmente e as intervenções são limitadas".

O governo adotou uma série de medidas legais para melhorar a situação das mulheres com a Lei para a Eliminação da Violência Contra Mulheres e Crianças em 2000. Em 2009, foi aprovada a Lei Nacional de Direitos Humanos e no ano seguinte a Lei de Violência Doméstica. Além disso, Bangladesh é signatário de convenções e tratados internacionais que protegem os direitos das mulheres. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
 Hacia un centro de coordinación informativa sobre gobernanza mundial
MÁS >>