África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

DIALOGUES
Empresas estudam riscos e oportunidades climáticas
Marianela Jarroud

SANTIAGO, Chile, 22 de outubro de 2012, (IPS) - (Tierramérica) -As iniciativas para reduzir emissões climáticas nas empresas, principalmente mediante a eficiência energética, são amortizadas em no máximo três anos, segundo Juliana Campos Lopes, do Carbon Disclosure Project.


Crédito: Cortesia IBC
As empresas se arriscam a perdas econômicas pela mudança climática, afirma Juliana Campos Lopes.
Investidores e empresários se preocupam cada vez mais com os efeitos da mudança climática, sentidos em vastas regiões do planeta, e temem uma queda persistente no valor de suas operações. "Há claros sinais de que o tema está presente, e as empresas se arriscam inclusive a acumular perdas econômicas em consequência da mudança climática", disse ao Terramérica a brasileira Juliana Campos Lopes, diretora para a América Latina do Carbon Disclosure Project (CDP).

Esta organização sem fins lucrativos promove a informação de empresas, investidores e cidades para transformar as atividades econômicas de forma a prevenir uma mudança climática perigosa. Trata- se de facilitar o diálogo entre investidores institucionais e empresas, para a entrega de informação sobre riscos e oportunidades que a mudança climática apresenta e de dados sobre emissões de gases-estufa, manejo da água e cadeias de fornecimento das maiores empresas do mundo.

Em nome dos grandes investidores, o CDP envia um questionário solicitando informação às empresas mais cotadas em bolsas de valores. Hoje, mais de 655 investidores globais empregam a solicitação de informação do CDP para tomar suas decisões. A organização também tem programas para empresas e governos locais.

TERRAMÉRICA: Por que é importante os investidores e as empresas adotarem padrões ambientais?

JULIANA CAMPOS LOPES: Porque a mudança climática já é parte direta dos negócios. Temos o caso recente das companhias automobilísticas japonesas que sofreram grandes perdas pelas inundações que afetaram sua cadeia de fornecimento na Tailândia. Esta é uma visão do ponto de vista de risco, mas também é possível converter esse risco em oportunidades. Para muitas empresas que adotam padrões para reportar informações na área de clima ou da própria pegada de carbono é uma forma de acesso a novos mercados e ter vantagens competitivas. Muitos mercados restringem o ingresso de produtos que não apresentem sua pegada de carbono, o que é uma forma de cumprir obrigações de algumas regiões, como Europa ou Estados Unidos, que já exigem esses parâmetros.

TERRAMÉRICA: Qual o ritmo de adoção destes padrões na América Latina?

JCL: Em matéria de regulação não temos muitas iniciativas, mas no âmbito dos países há alguns compromissos de redução de gases de efeito estufa, embora a discussão ainda não seja concludente. Porém, existe uma tendência clara para que as regulações sejam mais restritivas e também se começará a internacionalizar os custos ambientais nos preços de produtos e serviços. Este é o cenário mais geral que acaba por implantar uma forma de fazer negócios. As companhias da América Latina que já começam a reportar seus dados climáticos têm como principal benefício antecipar- se a esse cenário, seja em termos de regulação quanto de mercado. O questionário do CDP é um plano de ação que orienta a gestão de emissões, que gera ganhos, por redução dos custos e das perdas de energia. Tudo isto gera uma amortização.

TERRAMÉRICA: Quanto tempo essa amortização demora para ocorrer?

JCL: As iniciativas para reduzir emissões, principalmente mediante eficiência energética, são amortizadas no máximo em três anos. É preciso desmitificar a ideia de que a amortização destes investimentos é de longo prazo. São alguns dos benefícios que as empresas já estão reportando.

TERRAMÉRICA: Quais os padrões ambientais que vocês propõem?

JCL: O CDP recomenda as metodologias mais aceitas, com a família de normas ISO 14.000. A maioria das companhias tem operações em mais de um país, assim o benefício de uma norma internacional é que seja compatível e aceita em diferentes regiões. Também é utilizada para se ter uma visão comparativa, que é outra coisa que fomentamos: a criação de indicadores para medir a qualidade da gestão internamente e para oferecer esses indicadores aos investidores, que os empregam na análise da composição e portfólios de investimento.

TERRAMÉRICA: Onde estão centradas as emissões das empresas?

JCL: Entre 50% e 80% estão na cadeia de fornecimento. Então, todo este esforço de medir e reportar emissões pode ficar comprometido se não houver um olhar para essa cadeia.

TERRAMÉRICA: A consciência climática de investidores e empresários aumentou nos últimos tempos?

JC: Sim, principalmente na medida em que o problema se torna mais crítico. Há claros sinais de que o tema está presente e as empresas se arriscam inclusive a perdas econômicas devido à mudança climática. Podemos citar as secas nos Estados Unidos, que levaram o preço dos grãos nos mercados internacionais a um pico. Tudo isto está gerando uma mudança de modelo. Agora devemos falar não apenas de mitigação, mas também de adaptação. A América Latina é, depois da África, a região que mais vai sofrer com a mudança climática, embora não seja a que mais contribui para causá-la. Uma característica da região é que, por exemplo, a maioria dos negócios na área agrícola se destina à exportação para mercados com critérios mais rígidos. Por isto, esse cenário leva a modificar a visão dos empresários e investidores regionais.

TERRAMÉRICA: Qual deveria ser o papel do Estado?

JCL: É muito importante em nível nacional quanto local. O setor privado se mostra cada vez mais ativo na construção desses parâmetros, mas justamente a falta de um consenso dos governos nacionais em nível global faz com que tenhamos uma abordagem muito fragmentada, e começam a surgir distintos parâmetros. Há muitas iniciativas de medição e relatórios de emissões, mas a ausência de um contexto regulatório leva a uma visão fragmentada que começa a causar inclusive algumas confusões. Um fator novo é o papel mais ativo dos governos locais. As cidades são as que sentem os maiores impactos da mudança climática e devem enfrentar o dia a dia da realidade de adaptação. Há aí um grande espaço de cooperação com o setor privado, porque tanto a mitigação como a adaptação exigem financiamento, por isso pode existir uma grande oportunidade para iniciativas público- privadas.

* (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Civil Society Calls For Impartial Inquiry on Air Crash and Catastrophe in Ukraine
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Sociedad civil exige investigación del avión derribado en Ucrania
 Masivas deportaciones no rompen sueños migratorios de hondureños
 Fomentar una ciudadanía global es vital para los ODS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
MÁS >>