África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

REPORTAGEM
México pode dizer adeus ao milho importado
Emilio Godoy

CIDADE DO MÉXICO, México, 22 de outubro de 2012, (IPS) - (Tierramérica).- México pode se permitir não importar mais milho, se impulsionar a agricultura camponesa, a eficiência hídrica e o investimento em pequena agricultura.


Crédito: Mauricio Ramos/IPS
Espigas de milho em um depósito camponês de Yaluma, Chiapas
Há muito que o México, berço do milho, deixou de ser autossuficiente neste alimento milenar que é o coração de sua cozinha e de sua cultura. Contudo, novos estudos indicam que poderia conseguir isso em dez ou 15 anos. Para o agricultor Carmelo Pacheco, do Estado de Guerrero, no Sul, o que ele e outros produtores necessitam é mais irrigação para aumentar a colheita.

"Para este ano vemos uma perspectiva regular. A produção caiu devido às alterações no clima. Além disso, não há preços sólidos", disse ao Terramérica este dirigente da organização Pach- Vill, no município de Ayutla de Los Libres, que está para iniciar a colheita. Investir na infraestrutura hídrica para a agricultura no sudeste e financiar médios e pequenos produtores permitiria a este país alcançar a autossuficiência, afirma o estudo Factibilidade para Alcançar o Potencial Produtivo de Milho do México, apresentado este mês.

"O predomínio do uso extrativo de recursos ocasionou erosão e irrigação insuficiente. Pode-se aproveitar reservas de terra, água doce, tecnologia pública, agricultura camponesa e diversidade genética", disse ao Terramérica o pesquisador Antonio Turrent, do Instituto Nacional de Pesquisas Florestais, Agrícolas e Pecuárias e um dos autores do estudo.

O México poderia produzir 33 milhões de toneladas anuais de milho no prazo de dez a 15 anos, fechando o déficit atual de dez milhões de toneladas, e inclusive acrescentar outros 24 milhões por ano para cobrir a demanda projetada para 2025, de 39 milhões, afirma a pesquisa publicada em espanhol pelo Woodrow Wilson International Center for Scholars, com sede em Washington.

Atualmente o México precisa importar entre oito e dez milhões de toneladas ao ano, sobretudo dos Estados Unidos. O país conta com cerca de três milhões de produtores de milho que plantam em oito milhões de hectares. Porém, mais de dois milhões destinam suas colheitas ao consumo familiar. O cultivo se centra em espécies de grãos brancos, enquanto o amarelo, usado na alimentação animal, é importado.

O milho (Zea mays) é um vegetal simbólico na Mesoamérica, por seu forte vínculo com as culturas pré-hispânicas desta região, que se estende do centro do México até a América Central. O México é centro de origem do milho e conta com 59 espécies nativas e 209 variedades. Apenas dez espécies são usadas em melhoramento genético.

Se a eficiência na irrigação melhorar em 60% ou 70%, será possível alcançar entre 4,1 e 4,9 milhões de hectares, usando água de escorrimento, que é abundante no sul e sudeste do México, diz o estudo que também leva as assinaturas de Timothy Wise e Elise Garvey, diretor e pesquisadora, respectivamente, do Programa de Pesquisa e Política do Instituto de Desenvolvimento Global e Meio Ambiente da Tufts University, dos Estados Unidos.

A agricultura camponesa "maneja a biodiversidade do milho", opinou Turrent. Nela as "terras de trabalho são o primeiro contato no ciclo da água; seus conhecimentos são compatíveis com a agroecologia e, ao contrário do subsetor empresarial, tem ampla potencialidade para aumentar sua produção".

Os pesquisadores descartam que nesta evolução produtiva seja necessária a biotecnologia, alternativa do governo para elevar a produtividade e a resistência diante dos efeitos da mudança climática. O grão transgênico é "uma falsa e perigosa promessa", que não gera maior rendimento do que as sementes nativas ou melhoradas, representa um risco para o grão nativo e para a biodiversidade mexicana e não demonstrou ser mais resistente à seca do que outras variedades, alegam.

Desde 2009, o governo mexicano concedeu 177 permissões de plantio experimental e piloto de milho geneticamente modificado em uma superfície de 2.664 hectares. Em setembro, as transnacionais norte-americanas Monsanto, Pioneer e Dow Agrosciences apresentaram seis pedidos de plantio comercial de milho transgênico para cerca de 1,7 milhão de hectares em Sinaloa, no Noroeste, e Tamaulipas, no Nordeste.

O México tem oito milhões de hectares de terras cultiváveis ociosas que "oferecem uma oportunidade para começar do zero diante da crise alimentar e dos altos preços dos alimentos", disse ao Terramérica o acadêmico Antonio Yunes, do estatal Colégio do México, sugerindo que "se poderia aproveitar seu potencial sem conceder subsídios, com práticas sustentáveis". Em 2011 foram entregues subsídios no valor de US$ 549 milhões aos produtores, e cerca de US$ 15 milhões ao segmento de agricultura orgânica.

O informe conclui que a estratégia mais eficaz é "a extensão participativa em terras de chuva" - isto é, ampliação das plantações em áreas regadas exclusivamente por água de chuva -, e recomenda fortalecer a organização dos agricultores e o ordenamento dos mercados. Em Guerrero, os produtores de milho também plantam gergelim, abóbora e Jamaica. Entretanto, "não há garantias da produção, precisamos melhorar a organização", reconheceu Pacheco.

* (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
 Al Bagdadi y la guerra sin cuartel en nombre del califato
 Costo y oportunidad del petróleo no convencional en Argentina
 Indígenas panameños quieren aprovechar mejor sus bosques
 Historia de documento de la AIEA sugiere falsificación de Israel
MÁS >>