África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Vozes femininas nas TIC para mudar o mundo
Alberto Pradila

San Sebastián, Espanha, 26/10/2012, (IPS) - O valor das novas tecnologias para transformar realidades e o protagonismo das mulheres no uso dessas ferramentas para impulsionar processos de mudança se tornaram palpáveis no primeiro Congresso TIC para a Paz.

Realizado nos dias 23 e 24 deste mês nesta cidade da Espanha, o encontro teve como tema central "Mulher, Tecnologia e Democracia para a Mudança Social" e destacou seu papel promotor em mudanças sociais, baseado no uso das TIC (tecnologias da informação e da comunicação).

A premissa do encontro foi que as TIC são ferramentas especiais para impulsionar os direitos humanos no mundo e em particular os das mulheres, e foi promovido pela Fundação Cultura de Paz, presidida pelo espanhol Federico Mayor Zaragoza, e pela Fundação Cibervoluntários. Os organizadores do Congresso também partiram do fato de as mulheres "serem as grandes ausentes na tomada de decisões, nos processos democráticos, na construção e consolidação da paz", uma discriminação que o uso das TIC as ajuda a quebrar.

Manal Hassan, uma ciberativista que participou da revolução egípcia que derrubou o presidente Hosni Mubarak (1981-2011), e Jolly Okot, ex-menina soldado em Uganda que fundou a organização Invisible Children, foram algumas das participantes da reunião nesta cidade basca. Também esteve presente, entre representantes de diferentes regiões do Sul e do Norte, Judith Torrea, jornalista e blogueira que acompanha o cotidiano de Ciudad Juárez, no México, considerada a capital mundial dos feminicídios, ou assassinatos por razão de gênero.

As três integram o grupo de 14 ativistas que chegaram procedentes de quatro continentes para participarem do encontro e falaram à IPS de suas experiências particulares, onde os êxitos e os desafios se misturam em suas histórias, onde as TIC funcionam como especiais aliadas. Hassan trabalha, junto com seu marido, no desenvolvimento de novas tecnologias aplicadas à mudança social. Assim, não era uma noviça no assunto quando, em 25 de janeiro de 2011, centenas de milhares de egípcios ocuparam a Praça Tahrir, no Cairo, para forçar a saída de Mubarak.

Ela havia colaborado com organizações não governamentais para a criação de base de dados ou centros de documentação. Também contribuíra para criar uma plataforma de blogs onde diversos grupos políticos hospedavam seus conteúdos muito antes de a Primavera Árabe chegar ao norte da África. "No começo éramos poucos, mas a onda ficou maior e chegou à revolução", contou.

O uso de redes sociais como Facebook e Twitter se converteu em um dos símbolos da revolução, especialmente quando o regime decidiu bloquear o acesso à internet. Hassan e milhares de seus compatriotas conseguiram romper a censura. Ela, por exemplo, naqueles dias estava na África do Sul. Assim, colhia a informação que recebia por telefone e colocava nos blogs o que acontecia em Tahrir. Servidores conectados entre si para evitar o bloqueio ou um serviço de mensagem por voz que depois se converteria em tuitadas foram algumas das ferramentas utilizadas pelos manifestantes na Praça, para relatar em tempo real o que acontecia ali.

Após a queda de Mubarak, resta muito por fazer, enfatizou Hassan. "Os militares chegaram a fazer coisas piores do que os ditadores", lamentou, por isso o trabalho dos ativistas "continua sendo muito necessário", acrescentou. Também destacou um elemento importante. "As mulheres não só trabalham em questões de gênero, como estão implicadas em todas as questões políticas e trabalhistas", afirmou.

Para Jolly Okot, a infância acabou em 1986, quando foi sequestrada por um miliciano do Exército de Resistência do Senhor (ERS), em Uganda. "Tive a sorte de poder sair dali", afirmou. Em 2005, começou a desenvolver documentários e criou a organização Invisible Children, que documenta os horrores sofridos por meninos e meninas obrigados a lutar em diferentes guerras. Também promove a educação como saída para as vítimas.

Entre as campanhas promovidas por essa organização, destaca a Kony 2012, com a difusão viral pela internet dos desmandos de Joseph Kony, líder do ERS, com o objetivo de forçar que seja levado ao Tribunal Internacional de Haia. "O grande êxito das novas tecnologias é que, com um clique, milhares de pessoas recebem essa informação. Pode-se chegar aos líderes e fazer com que tomem decisões", afirmou Okot, que foi indicada para o prêmio Nobel da Paz. Porém, destacou que as TIC são um complemento para a mudança e que a verdadeira ferramenta que mudará as coisas na África é outra: a educação.

"Infelizmente, os jornalistas não têm tanto poder para mudar as coisas, nosso dever é contar e que outros assumam a responsabilidade", disse a mexicana Judith Torrea, que há 14 anos narra a tragédia que vivem as mulheres de Ciudad Juárez, fronteiriça com os Estados Unidos. Porém, destacou "a importância das vozes alternativas, que relatem de verdade o que acontece", embora, como no seu caso, se trate de "vozes incômodas" para o poder e suas diferentes expressões.

A jornalista reconhece que os autores de blogs recebem muitas pressões vindas do poder, porque são agentes especiais de mudanças em nível mundial. "Quando diferentes blogueiras, e falo no feminino porque as mais reconhecidas são mulheres, conseguem que se ouça nossa voz, é o momento em que começamos a receber mais pressões, ameaças ou campanhas de difamação", apontou.

"A todas nós acontece o mesmo, seja na Tunísia, em Juárez ou na Arábia Saudita", afirmou a jornalista, que há um ano publicou Juárez na Sombra e que recebeu inúmeros prêmios por seu trabalho. Torrea denunciou que o fenômeno "é algo global, porque o poder, quando se sente agredido, reage contra as vozes que geram debate". A ativista mexicana concluiu com uma frase repetida de uma ou outra forma pelas mulheres que deram seu testemunho em San Sebastián: "Se não sabemos o que está acontecendo no mundo, temos menos possibilidades de haver mudanças". Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
 Ãfrica puede seguir los pasos de Suiza
MÁS >>