África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Japão: O dragão adormecido
Roberto Savio*

Tóquio, Japão, outubro/2010, (IPS) - Na década de 1980, o Japão era o dragão do mundo. Toda nova tecnologia - automóveis, aparelhos, câmeras, equipamento médico e novos sistemas de gestão - provinha do Japão. Depois o país começou a diminuir o ritmo, até adormecer.

No entanto, seus níveis de produção e reservas financeiras eram suficientemente altos para que a queda não afetasse muito o cidadão médio.

Apesar de a Sony ser substituída pela Apple e agora a China ter a imagem do dragão, após ultrapassá-lo como a segunda economia mundial, a qualidade de vida dos habitantes do Japão supera a de quase todos os demais países.

Mas agora se começa a tomar consciência de que os êxitos sociais podem ser afetados se a economia não cresce. A taxa de desemprego é inferior a 5%, uma magnitude irrisória na Europa, mas sem precedentes neste país.

No passado, as corporações empresariais asseguravam aos seus dependentes um emprego por toda a vida. Mas, já não é assim, o trabalho não está mais garantido e tampouco os jovens conseguem um emprego imediatamente após se formarem na escola ou na universidade.

O Japão continua sendo um modelo de ruas imaculadas, ordem, disciplina e de um forte senso cívico, onde a combinação de xintoísmo (baseado na natureza), budismo (baseado nos êxitos individuais) e confucionismo (baseado nos êxitos sociais) criou um raro equilíbrio entre natureza, ser humano e sociedade.

A história milenar desta nação, ao longo de uma linha ininterrupta de imperadores, pode explicar as diferenças profundas com a China, que foi para o Japão o que a Grécia foi para Roma.

Contudo, a modernização começa em 1853, como reação à intervenção da frota norte-americana sob o comando do almirante Matthew Perry, em 1853.

Depois da vitoriosa guerra contra a Rússia, em 1904, que colocou o Japão em pé de igualdade com as grandes potências, os círculos militares se impuseram e desencadearam uma série de conflitos regionais, que só terminaram com a derrota na Segunda Guerra Mundial.

Por pressão do general Douglas McArthur, que comandou por quase todo o período as forças aliadas que ocuparam o Japão entre 1945 e 1952, foi introduzido o sistema democrático. Porém, o Partido Liberal Democrático (PLD), que governou o país praticamente sem interrupção desde o pós-guerra, cada vez mais se converteu em uma máquina política autorreferencial, enquanto os demais partidos não puderam apresentar alternativas dinâmicas.

Hoje em dia, o que é novo e perturbador é uma onda nacionalista que criou um conflito com a China, absolutamente desnecessário sobre as pequenas ilhas Senkaku (ou Diayu, para a China).

Três cidades importantes - Tóquio, Nagoya e Osaka - são governadas por líderes nacionalistas, o prefeito de Osaka organiza um novo partido nacionalista e o líder do PLD, Shinzo Abe, é um nacionalista duro. Porém, há uma clara e crescente desconexão entre os políticos e os cidadãos. Embora esta seja uma tendência global, no Japão se destaca.

Os japoneses estão habituados a conviver com terremotos e tsunamis. O extraordinário esforço de reconstrução da cidade de Kobe, demolida em 1995 por um grande terremoto que causou 5.100 mortes, foi aclamado pelo mundo como exemplo de resiliência e solidariedade social.

Entretanto, o terremoto de março de 2011 e o consequente tsunami criaram um desafio sem precedentes. Mais de 650 quilômetros de costa no nordeste do país foram devastados e cerca de 20 mil pessoas morreram. O custo estimado dos danos chega a US$ 200 bilhões, mas ainda não está claro quanto custará a reconstrução. Basta dizer que, somente a remoção e reciclagem de seis milhões de toneladas no distrito de Ishinomaki, um dos muitos da costa, é estimado em US$ 244 bilhões.

A decadência das instituições políticas é paralela a um acelerado envelhecimento da população e a certo desânimo do setor privado.

Assim, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, percorre a sociedade japonesa um sentido de insegurança sobre o presente e de incerteza quanto ao futuro.

É particularmente grave que o número de beneficiários da assistência social governamental tenha chegado a 2,1 milhões em junho passado, um recorde para este país de 128 milhões de habitantes. Esta situação causa uma forte impressão, porque revela uma ameaçadora tendência.

Por outro lado, a mobilização da sociedade civil e o voluntariado estão aumentando. No entanto, talvez, as reações mais notáveis sejam observadas nas mulheres, que se mostram cada vez mais independentes, já não veem o casamento como necessário e não consideram o homem como seu destino primário. Uma reação extrema se nota em muitas jovens que se vestem e atuam de maneira extravagante e provocadora, em aberto desafio ao tradicionalismo japonês.

É difícil discernir se estas novas forças poderão bastar para equilibrar a queda das instituições políticas e o envelhecimento do setor privado, mas esta é a esperança mais consistente à qual o Japão de hoje pode se aferrar. Envolverde/IPS

* Roberto Savio, fundador e presidente emérito da agência de notícias IPS (Inter Press Service) e editor do Other News. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Fondos que el Sur pierde de forma ilícita alcanzan cifra récord
 Pequeñas donaciones para grandes soluciones en noreste argentino
 Ventas de armas rusas aumentan, en contra de tendencia mundial
 El hambre crece también en las ciudades de Zimbabwe
 El último clavo en el ataúd de la Primavera Árabe
MÁS >>