África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Mau uso de medicamentos contra mortes maternas
Sarah McHaney

Washington, Estados Unidos, 31/10/20121, (IPS) - Na maioria dos países em desenvolvimento, onde uma mulher dá à luz é um fator que ainda determina se viverá ou morrerá, apesar da disponibilidade de medicamentos novos, baratos e eficazes.


Crédito: Patrick Burnett/IPS
Em 2011, 300 mil mulheres, quase todas em países pobres, morreram por complicações na gravidez e no parto.
A maioria dos casos das mulheres que morrem por complicações no parto em países pobres ocorre simplesmente porque se ignora que necessitam de medicamentos, segundo a Path, uma organização internacional sem fins lucrativos centrada na saúde mundial.

"Sabemos que os remédios para a saúde materna são seguros, efetivos e essenciais para manter sãs as mulheres durante a gravidez e o parto. Também sabemos que, com frequência, estes medicamentos não chegam às mulheres nem a centros comunitários de saúde", disse à IPS a autora principal de um novo informe da Path, Kristy Kane. "O que não sabemos é o número exato de mulheres para as quais não estão disponíveis esses remédios essenciais, isto é, mulheres com uma necessidade não atendida", acrescentou.

Esta falta de dados leva a uma escassez de financiamento potencialmente significativa. Simplesmente se desconhece quanto dinheiro é gasto pelos países afetados e, portanto, quanto mais se precisa. "É muito difícil fazer campanha para que haja mais contribuições quando quase não se tem dados sobre quanto, quando, onde, o quão corretamente são usados esses remédios e segundo quais padrões", disse Kane.

No ano passado, 300 mil mulheres, quase todas de países em desenvolvimento, morreram por complicações relacionadas com a gravidez e o parto. As causas mais comuns são as hemorragias pós-parto, a pré-eclampsia, e a hipertensão durante a gestação. As complicações no parto quase não existem no mundo industrializado devido a remédios efetivos e a centros de saúde de alta qualidade. Porém, como estas clínicas raramente estão disponíveis em muitos países em desenvolvimento, foram implementados outros meios médicos para abordar esta necessidade.

Durante anos, a oxitocina e o sulfato de magnésio foram usados como substâncias principais para tratar as complicações. Mas, ambos requerem temperaturas específicas para seu armazenamento, bem como profissionais formados para administrá-los, o que os torna inacessíveis e mesmo, às vezes, contraproducentes. Também existe a possibilidade de ninguém presente na hora do parto ter sido capacitado sobre como tratar corretamente a mãe.

O misoprostol, comumente usado para tratar úlceras estomacais, foi apresentado nos últimos tempos como uma solução. Tem o potencial de chegar às mulheres cujas necessidades atualmente não são atendidas devido à falta de capacidade de armazenamento ou de profissionais médicos formados. "O misoprostol demonstrou ser efetivo e seguro, sua temperatura é estável e não é preciso nenhum treinamento especial", disse à IPS o diretor de comunicações e desenvolvimento da Family Care International, Adam Deixel.

"Isto significa que pode ser usado quando as mulheres dão à luz em suas casas ou em centros rurais de saúde, ou em lugares em que não é confiável a eletricidade com fins de armazenamento", explicou Deixel. Este medicamento é distribuído em forma de comprimido na dose correta necessária quando está para ocorrer uma hemorragia pós-parto.

"Nos próximos anos poderão ser salvas seis milhões de vidas com estes novos produtos", disse Jagdish Upadhyay, do Fundo de População das Nações Unidas. "Conhecemos o problema e a solução; só precisamos trabalhar mais arduamente", afirmou à IPS. Entretanto, o misoprostol também é responsável por muitas complicações. Embora haja instruções na bula que acompanha o medicamento, nem sempre estão escritas nos idiomas locais e supõem que a usuária saiba ler.

Como ocorre com qualquer remédio novo, a comunidade médica é reticente em generalizar seu uso sem uma vigilância adequada. Também preocupa que as mulheres vejam estes comprimidos como uma solução para salvar vidas em casa e não busquem cuidados médicos apropriados para as complicações em seus partos.

"A solução clara de longo prazo é que todas as mulheres tenham acesso a melhores cuidados, a pessoal médico capacitado e a centros de alta qualidade. Mas, não podemos simplesmente destroçar as vidas dessas mulheres porque, justo agora, esses centros não estão ali. Esta é uma opção que pode salvar vidas agora mesmo", destacou Deixel. O misoprostol é facilmente manufaturado, e países em desenvolvimento, como Gana, possuem empresas que o fabricam localmente. Isto o torna barato de transportar e vender. No entanto, frequentemente seus padrões não cumprem as regulamentações internacionais.

"Estes remédios são baratos, mas costumam ser de má qualidade", afirmou Kennedy Chibwe, da Convenção de Farmacopeias dos Estados Unidos, a jornalistas reunidos na semana passada em Washington. "Precisamos de produtos de qualidade e manter o mesmo padrão para países ricos e pobres. Simplesmente não há desculpas para morrer por culpa de medicamentos de má qualidade", ressaltou.

Há esperanças de que estes remédios logo cheguem a todas que necessitam. "Vimos os incríveis êxitos aos quais se pode chegar quando há apoio público e vontade política para salvar vidas como as de milhões de pessoas que recebem medicamentos em consequência do ativismo contra o HIV/aids", observou Kane à IPS. "Não vemos a mesma quantidade de indignação e mobilização pela morte materna", acrescentou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
MÁS >>