África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Há um Bricsit no horizonte
John Freaser

Johannesburgo, África do Sul, 22/11/2012, (IPS) - Analistas sul-africanos vislumbram que o Brics, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, poderia somar no futuro Indonésia e Turquia, para expandir rumo a novas regiões. "Estive em Moscou há pouco tempo, e ali conversei sobre a possibilidade de o Brics se ampliar e se converter no Bricsit", disse o chefe-executivo da consultoria sobre mercados emergentes Frontier Advisory, Martyn Davies.

Segundo Daveis, "há sólidas razões geopolíticas e geoeconômicas para incorporar a Indonésia e a Turquia ao bloco". Estes dois países são os que ocupam os primeiros lugares na fila de entrada para o clube de nações emergentes do Sul em desenvolvimento. O primeiro porque sua entrada permitiria a extensão do Brics à importante região do sudeste asiático, e o segundo porque acrescentaria ao bloco maior diversidade geográfica.

"Não haveria nenhum conflito com os atuais membros, pois a Rússia é o único integrante do Brics que abrange mais de uma região" (Europa e Ásia), acrescentou Davies. Por outro lado, destacou que o Brics é uma aliança que não conta com uma secretaria nem com uma infraestrutura elaborada. Isto permitiria a rápida admissão de novos membros, como ocorreu com a África do Sul em 2010, por consenso entre os integrantes e sem necessidade de longas negociações.

"Não existe nenhum processo normativo. Seria fácil fazê-lo", observou Davies. Como exemplo contrário, citou o que ocorre na União Europeia, onde os candidatos a membros devem subscrever uma série de legislações e também contar com aprovação do Parlamento Europeu, bem como das assembleias legislativas nacionais.

Por sua vez, o analista Chris Gilmour, da ABSA Investments, braço de investimentos de um dos maiores bancos sul-africanos, disse à IPS que o atual governo da África do Sul colocou como prioridade fortalecer as relações com outras nações emergentes. "Creio que o Brics se converterá em um esteio central da política externa da África do Sul", previu. "Este país sozinho é muito pequeno e insignificante para ter influência em nível global, mas, aliado a países de interesses semelhantes, pode conseguir um impacto", acrescentou.

Entretanto, Gilmour reconhece que ainda há dúvidas sobre o compromisso da África do Sul com o Brics. "Um dos perigos que vejo é a África do Sul não ter capacidade para permanecer no bloco", apontou. "Nossa taxa de crescimento, comparada com as de outros países-membros, é muito baixa, completamente irrisória. Assim, temos um longo caminho pela frente para justificar nossa inclusão neste grupo", afirmou o analista.

Calcula-se que o crescimento econômico da África do Sul será menor do que 3% este ano. Porém, Davies destacou que houve uma "drástica mudança, real ou percebida", na política externa sul-africana a favor de um vínculo mais estreito com as demais nações emergentes, desde que Jacob Zuma assumiu a Presidência, em 2009. O governo de Thabo Mbeki (1999-2008) "sempre esteve cômodo em Washington, Londres, Paris ou Tóquio, menos no mundo em desenvolvimento", ressaltou.

"A África e o Sul em desenvolvimento estiveram relativamente marginalizados" no governo de Mbeki. Em contraste, Zuma está "muito mais à vontade" entre seus colegas das nações emergentes, destacou Davies. "Isto se vê estimulado pela relação que a África do Sul mantém com a China, país com o qual goza dos mais fortes vínculos bilaterais dentro do Brics", acrescentou. O analista também explicou que Pequim e Pretória se aproximaram mais, ideologicamente, desde a crise econômica mundial, que afetou a credibilidade do livre mercado. "O Brics está na primeira fila dos mercados emergentes, e representa uma nova realidade mundial", afirmou Davies.

A cidade sul-africana de Durban será sede da próxima cúpula do Brics, em março de 2013, e espera-se que Zuma aproveite a ocasião para dissipar toda dúvida sobre o compromisso de seu país com o bloco. Também se espera que no encontro haja avanços nas diferentes iniciativas econômicas discutidas dentro do grupo. A mais elaborada destas é a criação de um banco do Brics, onde seriam reunidas as reservas estrangeiras dos países-membros, assim mantendo um fundo que serviria às nações do Sul. Para Davies, a iniciativa poderia servir de "contrapeso do Fundo Monetário Internacional".

A cúpula também revisará os progressos sobre a aliança alcançada entre as diferentes bolsas de valores do Brics, bem como uma iniciativa pela qual os membros outorgarão créditos uns aos outros em moedas locais. Esta última é uma ideia da China, pela qual o comércio aconteceria sem necessidade de dólares ou euros dentro do Brics, ou Bricsit, se Indonésia e Turquia se tornarem membros. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
 Hambre de flora y fauna en el joven sector privado de Cuba
MÁS >>