África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Chile na vanguarda em controle de resultados de terapias antiaids
Marianela Jarroud

Santiago, Chile, 23/11/2012, (IPS) - No Chile, além de serem proporcionadas terapias contra o vírus HIV, causador da aids, a quem necessita, também existem mecanismos para medir o resultado do tratamento. "Em muitas outras partes do mundo se coloca o tratamento à disposição, mas ninguém sabe se este dá resultado, ou não", explicou à IPS o infectologista Marcelo Wolff, estudioso do HIV/aids na Universidade do Chile.

Neste país "há uma cobertura que inclui praticamente todas as pessoas infectadas pelo vírus", acrescentou Wolff, que este ano recebeu o prêmio norte-americano Richard and Hinda Rosenthal, destinado aos que contribuem significativamente para melhorar o manejo clínico em medicina interna. Os registros mostram que há quase 22 mil pessoas vivendo com HIV ou aids, mas poderiam ser entre 40 mil e 70 mil. "Acredita- se que há entre duas ou três pessoas não diagnosticadas para cada uma com diagnóstico; por isto, o total fica entre 0,3% e 0,4% da população maior de 15 anos", explicou. O Chile tem 16,5 milhões de habitantes.

A abordagem conta com um sistema de monitoramento em 32 centros públicos de atenção em todo o país, que permite tomar medidas oportunas para as necessidades específicas de cada Estado. Este controle é feito pela Corte Chilena de Aids, criada por uma equipe de profissionais como Wolff, que se integraram a uma rede multidisciplinar e não governamental, a Aids Chile, fundada em 2003. "Ter o conhecimento do que acontece com as pessoas que recebem o tratamento é a principal novidade. E a Corte Chilena de Aids pode estudar isso, pode estudar qual a sobrevida, morbidade, índices de hospitalização, de reinserção trabalhista e social", detalhou o especialista.

Uma vez aplicado o tratamento, baseado em terapias antirretrovirais que reduzem a carga de vírus no organismo e prolongam a vida, é feito com os pacientes um acompanhamento homogêneo, cuja informação permite avaliar o resultado do programa. São analisados os dados gerados, para dirigir políticas de trabalho e infraestrutura. E podem ser tomadas medidas locais de adequação das terapias, com base nos resultados observados.

A informação também contribui para a avaliação mundial da pandemia. "Tradicionalmente são publicados resultados dos países desenvolvidos e das nações pobres, mas daquele grupo importante de países com recursos médios não havia uma avaliação, e isso a Corte Chilena de Aids está proporcionando", pontuou Wolff. A lei 19.779, de dezembro de 2001, resguarda os direitos das pessoas à prevenção, ao diagnóstico, controle e tratamento, e determina o livre e igualitário exercício dos demais direitos e liberdades para quem vive com HIV/aids, impedindo expressamente a discriminação no acesso a educação, trabalho e saúde.

Além disso, a atenção com o HIV/aids passou a ser contemplada também no Plano de Acesso Universal de Garantias Explícitas, que concede o direito a prestações, com certas garantias de serviço e de tempo. Por outro lado, o Programa Nacional de Acesso Expandido à Terapia Antirretroviral, em vigor desde 2001, assegurou a entrega de tratamentos de nova geração a todos os pacientes que deles necessitarem.

Como resultado da aliança entre esse programa estatal e a Corte Chilena de Aids, "diminuiu a mortalidade em mais de 80% e caíram as hospitalizações", o que "permite a reintegração das pessoas à sua vida normal", enfatizou Wolff. Sua avaliação é direta: "conseguimos em nossos pacientes resultados que são comparáveis aos dos países desenvolvidos". A partir desta sinergia, melhorou a situação social e econômica dos que vivem com HIV/aids, afirmou Manuel Jorquera, coordenador da organização não governamental Vivo Positivo. "Agora existe um tratamento mais oportuno, mais garantido, com um monitoramento gratuito", disse à IPS.

Estes benefícios são palpáveis em Martín (nome fictício), um jornalista de 36 anos que há quatro recebeu o diagnóstico de HIV. "No começo foi complexo assumir, mas tive o apoio de vários amigos que também estão contagiados e que sobrevivem muito bem à doença", contou à IPS. Desde que foram detectados os primeiros casos neste país, em 1984, o ano passado foi o de menor taxa de notificações de aids (seis em cada cem mil habitantes) e de HIV (9,6 em cada cem mil habitantes), segundo o Departamento de Epidemiologia do Ministério da Saúde.

Esta trajetória da doença no Chile coincide com as tendências mundiais que mostram uma redução de 20% na quantidade de novas infecções e aumento de 17% no número de pessoas com HIV em 2011 com relação a 2001, ano do ponto máximo da pandemia. Isto se traduz em 34 milhões de pessoas com HIV/aids no mundo, segundo o último informe mundial divulgado no dia 20 deste mês.

No Chile, porém, nem tudo está resolvido em relação à aids. Martín trabalha na área corporativa de uma empresa, onde "oficialmente" desconhecem que ele é homossexual, embora "muitos suspeitem". O que ninguém imagina é que vive com HIV, segue o tratamento antirretroviral e realiza controles em um hospital público. "Vivo totalmente normal. Vou ao trabalho, saio com amigos. E nem minha mãe sabe que estou infectado. Isto a destruiria", enfatizou.

E seus temores têm fundamento. Apesar do avanço em políticas públicas, no Chile há uma enraizada discriminação, que faz muitos terem medo de realizar o exame. "A pessoa sente o temor, que não deixa de ser real, de ser discriminada uma vez estabelecida esta condição de infectada", destacou Wolff. E sua opinião, o desafio mais importante "é evitar que as pessoas se infectem" e para isso "as campanhas de prevenção devem ser muito mais diretas do que são". Além disso, "é preciso diagnosticar todos os que não foram e incorporá-los à atenção proporcionada". Para isto também é preciso combater o estigma. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
 Ãfrica puede seguir los pasos de Suiza
MÁS >>