África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Operação israelense em Gaza se depara com outro Egito
Adam Morrow e Khaled Moussa al-Omrani

Cairo, Egito, 26/11/2012, (IPS) - A reação do novo governo do Egito diante da campanha militar de Israel contra o território palestino de Gaza, interrompida no dia 21 graças a um cessar-fogo, contrastou claramente com a posição do regime anterior.


Crédito: Mohammed Omer/IPS
Família palestina em uma rua de Beit Lahia, norte de Gaza.
"O governo do deposto Hosni Mubarak participou de forma descarada do sítio imposto por Israel à Faixa de Gaza, sem perder uma oportunidade de pressionar o Hamás (Movimento de Resistência Islâmica)", disse à IPS o especialista em assuntos israelenses Tarek Fahmi, do Centro Nacional de Estudos sobre o Oriente Médio, com sede no Cairo. "Por outro lado, os novos governantes egípcios expressaram seu apoio incondicional ao Hamás e ao povo de Gaza, e trataram de acabar com o bloqueio", acrescentou.

O presidente Mohammad Morsi foi eleito nas urnas no último verão, 16 meses depois da saída de Mubarak em fevereiro de 2011, após 30 anos no poder. Morsi pertence à Irmandade Muçulmana do Egito, vinculada ideologicamente ao Hamás, que controla Gaza desde 2007. E, ao contrário de seu antecessor e da maioria dos governantes ocidentais, rapidamente denunciou o último derramamento de sangue em Gaza.

Ao participar do sermão semanal islâmico do dia 16, Morsi prometeu que o Egito não deixará a Faixa de Gaza "por sua conta" para enfrentar a "descarada agressão" de Israel. Em clara alusão às mudanças ocorridas neste país em matéria de política externa após a revolta popular que derrubou Mubarak, disse que "hoje o Egito é muito diferente do de ontem".

O último episódio de violência começou no dia 14, quando as forças israelenses assassinaram Ahmad Jabari, comandante de operações das Brigadas Ezzedine al-Qassam, vinculadas ao Hamás, ao que a resistência armada palestina respondeu com foguetes contra o sul de Israel. Os dias seguintes de incessantes bombardeios, por ar, terra e mar, deixaram mais de 150 palestinos mortos, na enorme maioria civis, e centenas com ferimentos graves. Os foguetes lançados desde Gaza contra o sul de Israel mataram cinco israelenses e deixaram vários feridos.

Após o anúncio do cessar-fogo, o chefe político do Hamás, Jaled Meshaal, expressou sua gratidão a Morsi pelo papel de mediador desempenhado pelo Egito para acabar com a violência, bem como por suas "decisões e posição a respeito da última agressão de Israel contra Gaza". Desde o começo do último enfrentamento, a reação do Egito ficou reduzida a declarações fortes.

Desde o primeiro dia, Cairo anunciou a retirada de seu embaixador em Israel, enquanto Morsi pediu ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e à Liga Árabe, com sede nesta capital, para realizarem reuniões de emergência. Dois dias depois, o primeiro-ministro egípcio, Hisham Qandil, fez uma curta visita ao atribulado território palestino, de 40 quilômetros de comprimento por 14 de largura, em uma demonstração de solidariedade.

O Egito também abriu a passagem da fronteiriça cidade de Rafah, a única ligação de Gaza com o mundo exterior. Israel manteve suas fronteiras rigidamente controladas desde sua "retirada unilateral" do território palestino em 2005. Agora, pessoas e mercadorias, incluindo os tão necessários suprimentos médicos, entram na Faixa de Gaza pelo Egito, enquanto doentes palestinos podem se dirigir a este país para realizar tratamento médico.

Segundo Fahmi, a reação do novo governo frente ao último ataque contra Gaza corresponde à posição declarada de Morsi, e por extensão da Irmandade Muçulmana, diante do eterno conflito árabe- israelense. "A reação de Morsi está de acordo com sua plataforma eleitoral e com suas declarações posteriores à sua eleição", observou Fahmi. "Sob sua lideranç,a o Egito apoiará o povo palestino contra a contínua ocupação por parte de Israel e trabalhará para garantir suas aspirações nacionais", acrescentou.

A atual resposta do Egito contrasta claramente com a do regime de Mubarak diante da Operação Chumbo Derretido, lançada por Israel no final de 2008 e começo de 2009. Durante aquela campanha, em que os israelenses usaram armas proibidas, morreram 1.500 palestinos, na maioria civis, e milhares ficaram feridos.

Apesar da violência nessa oportunidade, Mubarak manteve a fronteira de Rafah fechada. Nem mesmo feridos graves puderam ser levados para tratamento no Egito. "Por pressão dos Estados Unidos e de Israel, Mubarak completou o bloqueio da Faixa, mesmo durante o pior do massacre, com a esperança de destruir o Hamás", disse à IPS o analista Magdi Hussein, ex-presidente do Partido Trabalhista Islâmico Egípcio, de tendência islâmica.

"Por outro lado, Morsi apoia abertamente a resistência em Gaza e começou a tomar medidas para abrir a fronteira, mesmo antes desta última agressão", ressaltou Hussein, que esteve preso por dois anos durante o regime de Mubarak, por ter cruzado para Gaza sem permissão durante a Operação Chumbo Derretido.

O apoio do Egito ao povo de Gaza e à resistência local não se reduziu a círculos oficiais. Além disso, "o Egito agora apoia o Hamás", enquanto o "regime de Mubarak apoiou seu arquirrival Fatah, que insiste em manter infrutuosas 'conversações de paz' com Israel e que fracassaram totalmente em melhorar a situação dos palestinos", pontuou Hussein.

Centenas de ativistas egípcios de todos os partidos políticos fizeram uma breve visita a Gaza no dia 18 para expressar solidariedade aos seus irmãos palestinos. Dois dias antes, manifestações contra o ataque reuniram dezenas de milhares de pessoas. A política do Egito mudou após a revolta popular, mas, ao que parece, a comunidade internacional não. Como ocorreu com a Operação Chumbo Fundido, o Conselho de Segurança não emitiu nenhuma resolução pedindo o fim das hostilidades.

No dia 20 deste mês, um dia antes do cessar-fogo, os Estados Unidos bloquearam uma declaração do Conselho condenado a escalada de violência. "Alguns governos europeus pareceram mais favoráveis ao Hamás e a Gaza desta vez. Mas o apoio de Washington a Israel parece total, como da outra vez", enfatizou Fahmi. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Fighting ISIS and the Morning After
 Nuclear Deal with Iran Likely to Enhance U.S. Regional Leverage
 U.S. Ground Troops Possible in Anti-ISIS Battle
 Declining Majority Still Supports “Active” U.S. Role in World Affairs
 U.S. Bypasses Security Council on Impending Invasion of Syria
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La “suerte” de las refugiadas sirias en Iraq
 La nueva ONU frente a la balcanización del mundo
 América Latina y el Caribe se hallan en una encrucijada climática
 Acuerdo nuclear con Irán reforzaría posición de EEUU en la región
 ONU lanza ambicioso plan humanitario en Gaza
MÁS >>