África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

HIV-BRASIL
Dia de comemorações relativas
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 3/12/2012 , (IPS) - Embora o número de portadores do HIV tenha caído no Brasil, o governo está preocupado pelo aumento da epidemia entre jovens homossexuais, que representam quase a metade dos novos casos registrados no país, e também pela quantidade de pessoas que não sabem que estão infectadas.

"Não é uma comemoração, mas um dia de luta", disse Dirceu Greco, diretor do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), Aids e Hepatite, do Ministério da Saúde. "É que, apesar da pandemia ser muito menos intensa no mundo do que há dois ou três anos, para nós não há comemoração enquanto não estiver sob controle", afirmou à IPS.

Os cálculos do último Estudo Epidemiológico do Ministério da Saúde e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Onusida) indicam que a quantidade de pessoas infectadas com o vírus no Brasil caiu de 600 mil para 530 mil. com 194 milhões de habitantes, o país é considerado uma referência mundial no combate à aids.

O Sistema Único de Saúde (SUS) garante há 16 anos o acesso universal a todos os medicamentos necessários para tratar pacientes com o vírus HIV, causador da aids, além de disponibilizar os exames e controles médicos necessários para um universo de 217 mil pessoas atualmente. O SUS oferece tratamento antirretroviral para 97% dos brasileiros diagnosticados com aids. No total são 20 medicamentos.

"Cerca de 70% dos que tomam antirretrovirais no Brasil diminuíram sua carga viral em seis vezes depois do tratamento", disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em um ato realizado na última quinta-feira no Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz, onde são produzidos oito desses remédios.

Padilha apresentou outros êxitos do programa, como o trabalho focado nas gestantes, que permitiu a redução dos casos por transmissão vertical. Em 2006, apenas 62% das grávidas faziam o teste de aids, enquanto no ano passado esse indicador subiu para 84%.

Agora, o governo de Dilma Rousseff dirige a atenção em especial para outros grupos populacionais, com os "jovens que praticam sexo com outros homens" (definido assim epidemiologicamente). Trata-se de pessoas entre 15 e 24 anos.

"Como vários países da América Latina, temos uma epidemia chamada concentrada. A prevalência da doença, em geral, é de 0,4% no Brasil, semelhante ao que ocorre nos Estados Unidos e na Europa ocidental. Mas, há grupos mais expostos, como os homossexuais masculinos", explicou Greco. "É necessário focar respostas nesses grupos", acrescentou.

Entre outros fatores, o diretor de DST mencionou a razão "inconsciente" de pensar que a epidemia está controlada e que agora a cura é possível. Também apontou "o esquecimento da aids por parte dos meios de comunicação". Segundo Greco, "a maioria nos procura nas épocas em que temos um evento, como o Dia Mundial da Luta contra a Aids, celebrado no sábado passado, ou na época do carnaval. Mas o problema existe o ano todo e é preciso continuar falando a respeito".

Com relação aos jovens homossexuais, Greco disse que muitos têm medo de assumir sua condição perante o sistema de saúde às vezes "deixam até de buscar tratamento por medo de não serem bem atendidos". Um grupo de pacientes do Hospital Evandro Chagas, da Fundação Oswaldo Cruz, conhece muito bem esse preconceito. Identificando-se apenas pelas iniciais FR, um jovem produtor cultura disse à IPS que em seu trabalho não se atreve a dizer que é portador de HIV.

"Muitos não me contratariam porque diriam: "é um aidético", afirmou. Entretanto, se considera vitorioso por poder estar celebrando "a vitória da vida dia a dia" graças aos medicamentos.

Pedro Chequer, representante da Onusida no Brasil, destacou que, em primeiro lugar, o grupo de homens que faz sexo com homens "enfrenta um risco maior de contrair HIV", junto a outros segmentos populacionais como usuários de drogas injetáveis e trabalhadores e trabalhadoras sexuais. Em entrevista à IPS, Chequer afirmou que há queda no uso de camisinha, mudando a tendência de alta verificada tempos atrás. "Como consequência disso temos um crescimento da epidemia entre homens e mulheres jovens", explicou.

Chequer atribui este descuido na prevenção à "ideia de que a aids como epidemia perigosa passou, porque há tratamento. Isto criou uma falsa impressão de que o problema está solucionado", acrescentou. Embora tenha diminuído a mortalidade, "a verdade é que ainda não há cura para a doença. Temos que manter e manter a guarda", enfatizou.

Clever Gonçalves, ativista do grupo homossexual Arco-Íris,tem uma explicação adicional. Disse que o próprio governo deixou de lado em suas campanhas os homens homossexuais. "Apesar de se falar em uma estabilização da epidemia, entre esse público o número de novos casos é muito alto", afirmou. "Ainda assim não há campanhas dirigidas para esse público. Existe uma resistência muito grande devido a pressões de líderes religiosos dentro do governo. Falar de homossexualidade é um tabu para eles", acrescentou.

Mas esse não é o único desafio para o governo. Também se manifesta preocupado pelos altos índices de pessoas que não sabem que são portadoras do HIV. Segundo Padilha, isto diminui a possibilidade de salvar vidas por um tratamento que comece mais cedo, além de aumentar o potencial de propagação da epidemia.

Para promover uma detecção mais precoce, o Ministério da Saúde iniciou uma mobilização nacional para que a população faça exames de aids, hepatite e sífilis. E o ministro começou dando o exemplo, submetendo-se a esse teste publicamente em dois dias consecutivos. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Al Bagdadi y la guerra sin cuartel en nombre del califato
 Costo y oportunidad del petróleo no convencional en Argentina
 Indígenas panameños quieren aprovechar mejor sus bosques
 Historia de documento de la AIEA sugiere falsificación de Israel
 Israel planea expulsión masiva de beduinos en Cisjordania
MÁS >>