África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ANGOLA
Arrancada brasileira para um rio de eletricidade
Mario Osava

Cambambe, Angola, 10/12/2012, (IPS) - O rio Kwanza será o coração de Angola e um emblema da presença brasileira no desenvolvimento africano quando estiverem operando plenamente os projetos de infraestrutura previstos ao longo do principal recurso hídrico deste país.


Crédito: Mario Osava/IPS
A represa e o dique no rio Kwanza a ser elevado em 30 metros.
Nove centrais hidrelétricas e estações de captação e tratamento de água procurarão saciar as carências mais sentidas na região metropolitana de Luanda e estender a energia pelo menos ao centro-norte angolano. Será um processo que demorará mais de uma década.

O fornecimento de água tratada, por exemplo, alcançará 90% dos moradores de Luanda apenas em 2025, segundo o plano diretor. A dificuldade é acompanhar o aumento da população, que as projeções indicam 13,2 milhões de habitantes nesse ano, quase o dobro dos atuais.

O complexo hidrelétrico de Cambambe reflete a sorte de contar com o rio Kwanza, no centro e norte do país, mas também as infelicidades de Angola. Só agora, cinco décadas após a construção de sua primeira etapa, caminha-se para atingir sua conclusão, saindo de um atraso em boa parte devido à guerra civil que afetou o país desde sua independência em 1975 até 2002.

Finalmente foi colocada em marcha uma ampliação da central que quintuplicará sua potência, elevando seu dique em 30 metros. Esse projeto já havia sido explicitado por autoridades da época colonial portuguesa, afirmou Fabrício Andrade, gerente administrativo local da empresa brasileira Odebrecht, que lidera o conglomerado encarregado das obras.

Mais água e mais altura permitirão aumentar a capacidade das quatro velhas turbinas, de 46 e 65 megawatts (MW) cada uma, e instalar outra central de 700 MW. Se não houver imprevistos, tudo estará pronto em 2015 para gerar 960 MW e atenuar os apagões em Luanda. Protagonistas da guerra persistiram nesta fase. A construção do vertedouro necessário para a ampliação só pôde ser iniciado depois da limpeza de uma área minada, trabalho que demorou seis meses, informou Andrade.

A Odebrecht foi contratada pela estatal angolana Empresa Nacional de Eletricidade para realizar três obras em Cambambe. A primeira, iniciada em 2009, é reabilitar as quatro turbinas originais que, muito deterioradas, já não conseguem gerar nem mesmo metade de sua capacidade nominal de 45 MW. Também falta reformar uma última, agregando-lhe paineis de controle eletrônicos que oferecem "maior segurança com menos trabalhadores", disse Andrade. As outras duas obras são elevar o dique, com o vertedouro, e construir a nova central geradora, cuja conclusão está prevista para 2015.

Em toda megaobra trabalham 2.100 pessoas, 89% das quais são angolanas que, em geral, vivem no povoado local ou na vizinha cidade de Dondo., noroeste do país. Além disso há 238 "expatriados" que compõem uma Babel de nacionalidades, os quais convivem no isolamento da própria obra. Provêm de 15 países e há desde latino-americanos até europeus orientais, disse Andrade.

Os empregados estrangeiros da própria Odebrecht se somam aos das empresas associadas no projeto, a também brasileira Engevix, a francesa Alstom e a alemã Voith Hydro. O peruano Rufino Álvarez Ortiz é um típico operário errante das grandes obras. Começou em seu país em 1981, trabalhando em outras transnacionais brasileiras da construção antes de entrar para a Odebrecht há 25 anos.

Assim, andou por vários países até chegar a Angola em 2009 junto com seu chefe, o brasileiro gerente de equipamentos Roberval Fonseca, trabalhando em vários projetos de infraestrutura em Luanda. Antes de se instalar este ano em Cambambe, voltou por um tempo ao Peru e depois esteve na Colômbia. "Faço um trabalho duplo, um na obra e outro ensinando os angolanos, para que este país continue crescendo", disse Ortiz, explicando que ainda não trouxe a família porque seus filhos "já são grandes".

Fonseca, por sua vez, é um entusiasta de empregar mulheres e capacitá-las para trabalhos em soldagem, aparelhos elétricos e motores, ofícios que antes eram considerados de homens. "Elas aprendem mais rápido, fazem tudo com mais cuidado e disciplina, são mais eficientes", afirmou, contente com as seis operárias qualificadas que contratou.

Cambambe tem uma estrutura pequena em comparação com outras hidrelétricas de capacidade semelhante. É que sua sala de maquinas é subterrânea, instalada em um túnel capaz de receber até um caminhão grande. Assim também será a segunda, com água passando por dentro do morro para mover as turbinas.

Além disso, a represa é reduzida. O trecho médio do Kwanza, com forte declive de 940 metros em apenas 205 quilômetros de extensão, leito em vales profundos e gargantas em curva, favorece os nove aproveitamentos hidrelétricos. Por isso Cambambe provocará impactos mínimos em sua ampliação. Sua represa aumentará apenas seis quilômetros quadrados, disse Vladimir Russo, diretor da Holísticos, empresa que fez o estudo de impacto ambiental do projeto.

Além disso, não haverá população afetada, porque nunca foi permitida a presença humana nos arredores da hidrelétrica e foi protegida durante a guerra, explicou Russo, que foi diretor de Gestão do Ministério do meio Ambiente e fundador da Juventude Ecológica Angolana.

Laúca, a central mais potente a ser construída no rio Kwanza, terá uma represa de apenas 16,6 quilômetros quadrados, segundo um estudo de viabilidade da consultoria brasileira Intertechne. Quase nada para uma capacidade de 2.067 MW. A Odebrecht é a marca brasileira nesse represamento do rio Kwanza, que tem empresta seu nome da moeda nacional desde 1977, um reconhecimento do valor simbólico do rio para os angolanos.

Além de ampliar Cambambe, a transnacional Odebrecht já havia vencido o desafio de construir a represa de Capanda, 140 quilômetros rio acima, uma obra histórica, contratada em 1984 mas apenas finalizada em 2007, após interrupções, destruições e mortes causadas pela guerra civil.

Este ano, a companhia se encarregou do desvio do Kwanza, como fase preparatória para a construção, ainda não licitada, do complexo hidrelétrico de Laúca, entre Capanda e Cambambe. A própria Odebrecht responde pelo projeto Águas de Luanda, cujo componente central é a capacitação de águas do rio Kwanza para tratamento e distribuição na região metropolitana.

No interior do país, perto da hidrelétricas de Capanda, a empresa se comprometeu a desenvolver um polo agroindustrial para produzir açúcar, etanol e eletricidade a partir do bagaço da cana, milho e outros alimentos. Esse projeto será desenvolvido na fazenda Pundo Adongo, onde está previsto promover a agricultura familiar.

Tudo isso é apenas parte dos negócios e projetos em Angola da Odebrecht, o consórcio que mais empregados concentra no setor privado, ao totalizar 20 mil. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>