África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Rebeldes sírios conseguem reconhecimento internacional
Correspondentes da IPS

Doha, Catar, 14/12/2012, (IPS) - Mais de cem países reconheceram a nova coalizão opositora síria, abrindo a porta para maior ajuda às forças que tentam derrubar o presidente Bashar Al Assad, e que poderia chegar ao campo militar.


Crédito: Televisão Estatal da Síria
Assim ficou o acesso à sede do Ministério do Interior da Síria, após a explosão de um carro-bomba.
O apoio à Coalizão Nacional Síria, formada no Catar em novembro, ficou expresso em uma conferência internacional de "Amigos do Povo Sírio", realizada no dia 12, na cidade de Marrakesh, no Marrocos.

Os grupos opositores estiveram sob forte pressão internacional para criarem um âmbito mais organizado e representativo, por meio do qual pudesse ser canalizada a ajuda de terceiros países. A coalizão agradeceu a decisão, mas disse que busca apoio político e financeiro mais tangível e que pretende que os membros do governo de Assad sejam levados perante o Tribunal Penal Internacional, com jurisdição sobre crimes de lesa humanidade.

No ano passado, o reconhecimento internacional à oposição da Líbia significou um enorme impulso para sua luta contra o então líder desse país, Muammar Gadafi, que depois foi referendado por bombardeios aéreos das potências ocidentais. No momento, a intervenção militar não aparece nas cartas que se jogam sobre a Síria, cujo governo ainda goza do apoio de China e Rússia (com poder de veto no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas) e do Irã.

O ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, disse que a conferência de Marrakesh representa um "avanço extraordinário". A União Europeia está renovando seu embargo de armas para a Síria a cada três meses, em lugar de fazê-lo anualmente, para ganhar flexibilidade diante de uma situação muito mutável no terreno, disse Fabius. "Queremos contar com a capacidade de manter ou mudar nossa atitude a este respeito", acrescentou.

No dia 12, um carro-bomba e outras duas explosões aconteceram na entrada principal do Ministério do Interior da Síria, em Damasco, informou a televisão estatal do país. Mais cedo, o mesmo canal informou que outro carro-bomba havia causado a morte de pelo menos uma pessoa, perto do Palácio da Justiça.

"O fato de a coalizão, que reclama o direito à autodefesa, ser reconhecida por uma centena de países, ontem os Estados Unidos e antes a França, é um ponto muito importante", destacou Fabius. Os Estados Unidos anunciaram que entregariam US$ 14 milhões em nova ajuda humanitária destinada a "apoio nutricional para a infância, bem como mais suprimentos de emergência médica e de abrigo para famílias necessitadas na Síria". Segundo comunicado do Departamento de Estado norte-americano, os novos fundos elevam a ajuda humanitária à Síria para US$ 210 milhões.

A declaração final da conferência afirma que Assad perdeu toda legitimidade, mas não chega a pedir sua renúncia, algo que foi feito de forma individual pelos ministros presentes. O texto também alerta contra o uso de armas químicas, "o que daria lugar a uma dura resposta" da comunidade internacional. "De todas as reuniões feitas até agora pelos amigos da Síria, esta será a mais significativa", disse o secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, William Hague, na coletiva de imprensa.

Os membros da conferência também anunciaram maior ajuda humanitária, incluindo US$ 100 milhões da Arábia Saudita e um fundo que será administrado por Alemanha e Emirados Árabes Unidos para a reconstrução do país, após a presumível queda de Assad. As potências ocidentais se mostraram reticentes quanto a enviar armas à Síria, em boa parte para não repetir a experiência da Líbia, quando o Ocidente prestou ativo apoio a uma das partes combatentes na guerra civil de um país que depois acabou inundado de grupos armados.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, declarou, de Bruxelas, que o reconhecimento internacional da oposição síria "é um passo correto para uma solução política". Em declarações à rede de televisão Al Jazeera, afirmou que, "claramente, não há solução militar para o conflito sírio; é necessária uma solução política. Não temos nenhuma intenção de intervir militarmente".

O chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, disse que o reconhecimento da oposição contradiz acordos internacionais anteriores destinados a iniciar um diálogo que incluísse todas as partes em conflito. Por outro lado, a câmara baixa do parlamento alemão debaterá o envio de mísseis Patriot e de 400 soldados para a fronteira sírio-turca. A Alemanha analisa, a pedido turco, armar essa fronteira para evitar que o conflito sírio avance para países vizinhos. Envolverde/IPS

* Publicado sob acordo com a Al Jazeera. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Hacia un centro de coordinación informativa sobre gobernanza mundial
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
 Los tiempos de la migración de supervivencia
 Las grandes represas y su relación con la mala calidad del agua
 Crece movilización contra abuso de antibióticos en India
MÁS >>