África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

O empoderamento das mulheres, todo um desafio
Julia Kallas

Nova York, Estados Unidos, 14/12/2012, (IPS) - Cerca de 125 países penalizam atualmente a violência doméstica, um grande avanço em relação a uma década atrás.


Crédito: Ryan Brown/ONU Mulheres
Lakshmi Puri, diretora-executiva adjunta da ONU Mulheres.
Contudo, 603 milhões de mulheres vivem em países onde esta prática não é crime, e sete em cada dez sofrem agressões físicas e sexuais, ou ambas. Uma das organizações dedicadas a proteger a população feminina mundial há dois anos é a ONU Mulheres, Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres.

A diretora executiva da organização, Lakshmi Puri, conversou com a IPS sobre os êxitos, desafios e o futuro da agência. "A ONU Mulheres é hoje uma organização coerente e unificada que conseguiu resultados concretos, que vão desde elevar a voz feminina na tomada de decisões em nível comunitário até impulsionar e influir nos processos nacionais e internacionais de planejamento", explicou Puri à IPS. No entanto, como indicam as estatísticas, há muito por fazer para que as mulheres possam gozar plenamente de seus direitos.

IPS: A ONU Mulheres completará dois anos em janeiro. Quais os aspectos mais destacados desde sua criação?

LAKSHMI PURI: A agência colocou muita ênfase no aumento da participação das mulheres na política. Elas devem opinar na tomada de decisões que afetam suas vidas e as vidas de suas comunidades. Nossos esforços em 14 nações contribuíram de forma direta para o aumento do número de mulheres em cargos eletivos em cinco delas. Em um ano, a quantidade de países com pelo menos 30% de legisladoras aumentou de 27 para 33. Também incentivamos a representação feminina em escala local. Na Índia, por exemplo, a ONU Mulheres capacita 65 mil mulheres eleitas para conselhos de aldeia, para transformá-las em dirigentes mais efetivas. Para melhorar a participação feminina na construção da paz e na recuperação pós-conflito, a ONU Mulheres conseguiu um acordo para destinar pelo menos 15% dos fundos das missões de paz a programas de igualdade de gênero. Outra área fundamental de trabalho da agência é o empoderamento econômico. A segurança econômica lhes dá independência para tomarem decisões informadas sobre elas mesmas e suas famílias. Nossas intervenções tentam melhorar a capacidade dos governos para impulsionar o acesso das mulheres a valores, mercados, serviços e trabalho decente. Acabar com a violência contra as mulheres continua sendo a maior prioridade. É um flagelo de proporções pandêmicas, que afeta 70% das mulheres e meninas. A ONU Mulheres trabalha em 85 países, primeiro para evitá-la e depois para acabar com a impunidade e ampliar os serviços essenciais para as sobreviventes. A igualdade de gênero e o empoderamento feminino são desafios universais e exigem a ação de todos. Sabemos que nos resta um longo trecho pela frente, mas seguimos no caminho certo. Trabalhamos em todos os países para levar adiante nosso mandato universal e fazermos progressos constantes.

IPS: Quais os maiores desafios para a agência, e para as mulheres em geral, para o próximo ano e os seguintes.

LP: Há muitas brechas óbvias na proteção dos direitos humanos das mulheres e na melhoria legítima de seu papel no desenvolvimento, na paz e na segurança. Em 2012, nossas prioridades foram renovar o impulso ao empoderamento econômico e a participação política. Nos próximos meses, nos concentraremos em pôr fim à violência contra mulheres e meninas. Em março, a questão da Comissão sobre o Estatuto das Mulheres será atender este problema. Há grandes expectativas de os governos fortalecerem os marcos internacionais para esse fim. Nesse contexto, a ONU Mulheres lançou a iniciativa Commit, que impulsiona os governos a implantarem acordos internacionais para pôr fim à violência contra as mulheres e se comprometerem com novas medidas concretas para conseguir isso. Outro desafio é a busca por fundos. As mulheres continuam sendo a maioria das pessoas pobres. Sofrem os impactos direto e indireto da crise econômica e financeira, da mesma forma que a ONU Mulheres e outras organizações femininas do mundo. Precisamos que os doadores priorizem a igualdade de gênero e o empoderamento feminino. Além de ser o correto, é o mais inteligente que se pode fazer, pois a evidência mostra que investir no empoderamento das mulheres tem um impacto exponencial no desenvolvimento social e econômico.

IPS: Na medida em que economias emergentes como os países Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) aumentam sua influência política e econômica, em que medida os direitos femininos acompanham o desenvolvimento?

LP: Alguns países mostraram um profundo compromisso com a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, e adotaram medidas e políticas especiais para retificar a pobreza profundamente arraigada, os costumes, as tendências culturais e tradicionais e os estereótipos de gênero. Porém, vemos que o crescimento econômico não necessariamente se traduz em maior igualdade de gênero. Nos países de renda média, incluídos os Brics, há muitas pessoas pobres. Uma maioria desproporcionalmente grande delas é formada por mulheres. Por isto, os governos continuam atendendo esse assunto de forma ativa.

IPS: Quais suas expectativas para conseguir uma perspectiva de gênero integral para o marco de desenvolvimento posterior a 2015 e para os objetivos de desenvolvimento sustentável que são negociados?

LP: Necessitamos uma agenda de desenvolvimento verdadeiramente transformadora que possa ser motor de mudança em temas sistemáticos e causas estruturais de discriminação, como as desiguais relações de poder, a exclusão social e as múltiplas formas de discriminação. O marco de desenvolvimento deverá se concentrar nos direitos das mulheres, na eliminação da violência de gênero, na promoção do direito à saúde sexual e reprodutiva, no acesso à infraestrutura essencial e aos serviços e no empoderamento econômico e político, tudo em um contexto mais amplo de erradicação da pobreza. Também deve reconhecer que a desigualdade de gênero é a mãe das desigualdades. Ainda não se sabe qual formato terá o marco de desenvolvimento após 2015, mas, em qualquer caso, a ONU Mulheres defende maior insistência na igualdade de gênero e no empoderamento das mulheres. Se quisermos virar a página em termos de um modelo e marco de desenvolvimento mais sustentável, equitativo e centrado nas pessoas, devemos empoderar e aproveitar plenamente o talento e o potencial de metade da humanidade. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
 Traducciones que matan
 Terrorismo en Nigeria pasa de los machetes a los lanzacohetes
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
MÁS >>