África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Ciganos abrem caminho na Espanha
Inés Benítez

Málaga, Espanha, 21/12/2012, (IPS) - Daniel se apresenta como "cigano e guitarrista", Francisco José pretende ir para a universidade estudar medicina, e Yomara sugere com timidez seu gosto pela cozinha, enquanto María não tem claro o que deseja estudar.


Crédito: Inés Benítez/IPS
Yomara e uma professora na aula de reforço escolar no centro educacional de Portada Alta, Málaga, Espanha.
Com idades entre 12 e 17 anos, estes alunos de um centro educacional da cidade espanhola de Málaga pertencem à comunidade cigana ou romani, marcada por altos índices de abandono e ausência escolar.

Apesar de "avanços notáveis" na escolarização infantil desta etnia nos últimos 30 anos, apenas 20% dos que começam a educação secundária obrigatória (quatro cursos entre os 12 e 16 anos) a terminam, disse à IPS o subdiretor de ação institucional e desenvolvimento territorial da Fundação Secretariado Cigano (FSC), Humbergo García. Isto "representa uma queda de 80% em relação aos que iniciaram, e nem todos o fazem", acrescentou.

O Conselho da Europa estima que a comunidade cigana espanhola está integrada por 725 mil pessoas, o que representa 1,57% dos 46 milhões de habitantes deste país. Embora haja pessoas desta etnia em todas as profissões, o normal é que se dediquem à venda ambulante em mercados e à coleta de ferro e papel velhos.

"Não estudei na escola e não quero que meus filhos sejam como eu, mas que possam se relacionar com outros e serem alguma coisa na vida", declarou à IPS a cigana Antonia Martín, de 44 anos e mãe de Yomara (16), José (15) e Jesús (24), e avó de um menino de dois anos.

Ao seu lado, seu marido, Antonio Campos, filho de pais mascates e empregado desde os 17 anos em um campo de golfe da costa malaguenha, argumenta que "é preciso mudar a mentalidade dos ciganos, que pensam que é preciso viver como nossos avós, porque hoje há mais recursos e podemos viver melhor, com mais educação, e sermos mais respeitados".

"Ser catador ou mascate não é vida, sem pão hoje e fome amanhã", pontuou Campos, favorável a "romper as barreiras" que o antigo modo de vida dos calós impõe. Caló é a fala própria dos ciganos espanhóis, que foram perdendo sua língua romani pela imposição do idioma local, e também é uma forma de nomear esta comunidade.

No entanto, a palavra "cigano" neste país não tem a carga pejorativa de outros lugares, o que não significa que a Espanha esteja livre de discriminar a minoria étnica mais importante da Europa. Até a democratização e a Constituição de 1978, o povo cigano não tinha os mesmos direitos que o resto da população. Desde então a escolaridade foi aumentando a partir de níveis muito baixos até chegar a 93,2%.

"A educação e o emprego são dois fatores fundamentais para a inclusão do coletivo de pessoas ciganas", afirmou García, da FSG, cujo programa Promove busca dar a volta no fracasso escolar atuando com alunos, famílias e centros educacionais de áreas escolhidas. Este programa é desenvolvido em 27 cidades e 300 centros de ensino espanhóis. Em Málaga conta com quatro pessoas que atendem meia centena de estudantes e suas famílias, em contato com os professores.

Elas coordenam visitas aos pais em suas casas e aulas de reforço, como a que toda terça-feira reúne Daniel, Yomara, María, Francisco José e outros no instituto Portada Alta, em Málaga. "Tudo gira em torno de combater a ausência nas aulas", explicou à IPS a professora de biologia Isabel Passas, do centro educacional Guadalmedina, onde 80% dos alunos são ciganos. Passas lamenta que a maioria das meninas deixe os estudos antes dos 14 anos, quando são "pedidas" em casamento - tradição de sua etnia - e em seguida engravidam.

Antonia Martín não quer que sua filha Yomara se case já. "Tão nova, não quero e ela também não quer. É muito atraso se casar e ter filhos tão cedo, ela terá tempo", disse esta mulher com nove irmãos. Quando criança, coube a ela acompanhar a mãe na venda de frutas e roupas pelas ruas. Muitos pais usam os filhos na venda ambulante e interrompem seus estudos, contou à IPS a subdiretora do centro de Portada Alta, María Victoria Toscano.

A crise econômica que castiga a Espanha também afeta o tradicional comércio de rua. Segundo Campos, que tem familiares nessa atividade, "pouco se vende e há uma grande competição" de imigrantes. Segundo o estudo População cigana, emprego e inclusão social, publicado este ano pela FSC, o desemprego neste grupo quase triplicou entre 2005 e 2011, chegando a 36,4% da população economicamente ativa.

Enquanto em 2005 o desemprego cigano estava 5% acima do geral, hoje a diferença é de 14%. "A crise afetou a todos, mas de forma mais severa os mais vulneráveis", detalhou García. Além disso, o olhar da sociedade "continua sendo muito negativo e há uma importante rejeição social", acrescentou. Por isto, é difícil fazer com que estudem crianças que talvez não encontrem trabalho por pertencerem a esta minoria.

Há quatro anos ensinando meninos e meninas ciganos, o professor de língua e literatura Antonio Blanco, do centro Guadalmedina, destacou a importância de estabelecer vínculos emocionais e criar um clima que anime a seguir acompanhando as aulas. Contudo, a situação da comunidade cigana na Espanha é muito melhor do que no resto da União Europeia.

"Há problemas, mas menos que na França, Romênia ou em Portugal", admitem à IPS fontes da FSC. Os ciganos espanhóis se beneficiam do caráter universal do atendimento à saúde e de programas de acesso a moradias para pessoas de baixa renda. A maioria deles vive em casas em bairros operários e apenas uma pequena parte está em condições realmente marginalizadas; mas sobrevive o estereótipo do cigano vagabundo ou ladrão.

Assim fica a questão de até onde integrar-se a uma sociedade que discrimina. Os familiares de Antonia Martín dizem que ela e os seus estão "apayaos" (os ciganos chamam de "payos" os castelhanos ou os ocidentais). E seu marido acredita que "os ciganos não devem ficar todos juntos, mas espalhados para que se adaptem a outro modo de vida". Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Asia, tan cerca y tan lejos de erradicar la poliomielitis
 Premio a “visionaria” ley de Bolivia contra violencia de género
 Economía y política exterior oponen candidatos en Brasil
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
MÁS >>