África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 


Somalilândia ergue-se das ruínas da Somália
Matthew Newsome

HARGEISA, 03 de janeiro, (IPS) - À medida que a Somália começa a emergir do pântano da instabilidade e caos, 20 anos de paz e relativa estabilidade começam a produzir benefícios para o seu vizinho mais próximo, a Somalilândia, que assinou em Novembro o primeiro acordo petrolífero desde que se separou da Somália em 1991.

A companhia anglo-turca Energia Genel recebeu a sua licença do governo da Somalilândia no início de Novembro para explorar e desenvolver reservas de petróleo e gás, após ter prometido investir 40 milhões de dólares em actividades de exploração. A Genel disse à IPS que "A Somalilândia oferece uma oportunidade geológica interessante e aguardamos com expectativa começar a trabalhar na região."

Esta companhia independente de exploração e produção de gás e petróleo tornou-se o primeiro investidor estrangeiro a disponibilizar um capital considerável para o sector energético do país, depois das pesquisas iniciais terem indicado "numerosas infiltrações de petróleo", confirmando a existência de um "sistema funcional de hidrocarbonetos", segundo uma declaração da Genel.

A Energia Genel, liderada pelo antigo Director Executivo da BP, Tony Hayward, deverá iniciar a fase de exploração em breve.

Tradicionalmente, o motor de crescimento da economia desta nação do Corno de África tem sido o gado. Com uma gigantesca quantidade de gado no país, triplo da população composta por 3.5 milhões de pessoas, o comércio de gado gera 65 por cento do PIB nacional, segundo explicou à IPS o Dr. Saad Shire, Ministro do Planeamento da Somalilândia.

Com um orçamento nacional limitado de 120 milhões de dólares, o governo da Somalilândia começa agora a receber as muito necessárias receitas de investidores privados estrangeiros para apoiar o desenvolvimento.

As reservas de gás e petróleo na Somalilândia atraíram a atenção de outras companhias gigantes no sector da energia, como a Ophir Energy, sediada na África do Sul, a Jacka Resources Ltd da Austrália e a Petrosoma Ltd, uma filial da Prime Resources, sediada no Reino Unido - todas as quais mostraram a sua disponibilidade em investir no país.

Nos últimos 21 anos, a Somalilândia tem sofrido por não ter sido reconhecida internacionalmente. A sua entidade legal não confirmada tem criado obstáculos às suas perspectivas económicas - poucas seguradoras estão preparadas para cobrir os investidores estrangeiros neste país. Subsequentemente, os investidores tendem a olhar para a Somalilândia como um leproso económico.

Por este motivo, o país não tem tido a aceitação necessária para receber apoio financeiro do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

No entanto, em 2012 o sector privado da Somalilândia começou a progredir contra todas as expectativas.

No início do ano, realizou-se a primeira conferência de investimento entre o Reino Unido e a Somalilândia com vista a estimular o reconhecimento do comércio bilateral. E em Maio foi inaugurada uma fábrica da Coca-Cola no valor de 17 milhões de dólares por um conglomerado do Djibouti, o maior investimento privado na Somalilândia desde 1991. Os investidores constataram que a decisão da Coca-Cola de se manter operacional na região constitui uma afirmação positiva acerca do clima de negócios estável neste país.

Prevê-se igualmente que o porto de Berbera atraia importantes investimentos nos próximos anos. Considerado a jóia da coroa económica do país, foi inicialmente construido pela União Soviética durante a Guerra Fria, e actualmente funciona como uma importante porta de saída das exportações de gado do país. Tem um enorme potencial para funcionar como centro de exportações de gás e petróleo provenientes dos países africanos sem acesso ao mar, como a Etiópia.

"Estamos localizados estrategicamente - Berbera está situado numa rota marítima - visto que 30.000 navios provenientes da Europa, Médio Oriente e Ásia passam pelo porto todos os anos. Podemos também desenvolver Berbera como importante porto seguindo o exemplo de Singapura, com terminais para contentores, zonas livres, refinarias petrolíferas e serviços relacionados com a actividade marítima," afirmou Shire.

O director do porto, Ali Omar Mohamed, está muito entusiasmado com o potencial de expansão do porto para o transformar num centro de comércio entre África e o Médio Oriente.

"Este porto pode ser tão grande e tão bem sucedido como o Djibouti. É só uma questão de tempo antes de atrairmos os investimentos necessários para a sua modernização e expansão para podermos ter a capacidade necessária se quisermos atingir o seu pleno potencial económico," disse Mohamed à IPS.

Shire está confiante que, se a Somalilândia produzir um quadro jurídico comercial mais forte, com medidas de segurança apropriadas para aumentar a confiança dos investidores privados, irá atrair investimentos que transformarão o país numa democracia próspera e florescente como Singapura. "Temos estabilidade e acesso a um porto, temos o que os investidores procuram. Se Singapura o consegue fazer, penso que também vamos conseguir," acrescentou.

A falta de cobertura de seguros disponíveis aos investidores é a maior barreira ao desenvolvimento do país, de acordo com J. Peter Pham do Michael S. Ansari Africa Center, que foi criado para ajudar a alterar a abordagem política da Europa e dos Estados Unidos em relação a África.

"Sem reconhecimento internacional e o resultante acesso a instituições financeiras internacionais, os cidados da Somalilândia enfrentam sérios obstáculos para atingir o desenvolvimento financeiro que normalmente resultaria para um estado com o historial de estabilidade política e governação democrática como a Somalilândia," disse Pham à IPS.

"Não é só uma questão de ter acesso à ajuda ao desenvolvimento e ao crédito internacional mas também de ter um quadro jurídico onde os parceiros do sector privado possam obter seguros e desse modo ter garantias quanto aos seus investimentos," apontou Mohamed.

Segungo Pham, a Somalilândia nunca estará em posição de beneficiar plenamente dos recursos naturais de que é dotada desde que o estatuto de nação seja rejeitado.

"Os recursos naturais potenciais da Somalilândia - incluindo hidrocarbonetos, minerais e pescas - não podem efectivamente ser explorados se não houver uma resolução quanto à questão de soberania."

A necessidade urgente de investimento estrangeiro foi sublinhada no plano de desenvolvimento nacional de 2012 a 2016 apresentado pelo governo em Dezembro de 2011. O plano traça a necessidade de investimentos que já deviam ter sido feitos nas infra-estruturas do país, como a construção de estradas e a eliminação de resíduos. O capital total necessário para financiar este plano ascende a 1.19 biliões de dólares.

De acordo com Shire, prevê-se que a maior parte do investimento com esta finalidade venha de fontes externas, como doadores de ajuda e investidores estrangeiros.

Contudo, há o perigo que, sem o reconhecimento imediato da comunidade internacional, o desenvolvimento seja demasiado vagaroso e possa levar ao descontentamento de certos segmentos da população. que poderão depois ficar vulneráveis a grupos como o Al-Shabaab na Somália com as suas ligações à Al Qaeda.

De acordo com Pham, a inércia da comunidade internacional quanto à resposta a ser dada à questão do estatuto de nação da Somalilândia está a colocar o país numa situação de perigo claro e actual e a torná-la vulnerável à influência daquele grupo terrorista islâmico.

"O que a comunidade internacional precisa de compreender é que, se nada for feito para libertar a Somalilândia do limbo a que foi remetida, as coisas podem não continuar a ser tão tranquilas."

"Uma população jovem e em crescimento cujas perspectivas estão limitadas pelos constrangimentos impostos ao desenvolvimento económico pode tornar-se receptiva a vozes muito diferentes das dos líderes clarividentes que construíram a Somalilândia sobre as ruínas da antiga Somália," advertiu Pham. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>