África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"As democracias devem garantir o desenvolvimento sustentável"
Busani Bafana

Londres, Inglaterra, 7/1/2013, (IPS) - "As crescentes pressões ambientais e a desigualdade causam grandes mudanças sociais em todo o mundo, colocando à prova as democracias", disse Halina Ward, diretora da Fundação para a Democracia e o Desenvolvimento Sustentável, com sede em Londres, em entrevista à IPS


Crédito: Busani Bafana/IPS
“Precisamos de um documento inspirador”, disse Ward à IPS.
Porém, "estas não respondem de forma adequada, e exacerbam os efeitos desses desafios em lugar de vê-los como oportunidades para sua própria reforma", acrescentou. A Fundação lançará seu Manifesto Pela Mudança em março próximo. O documento é um chamado aos cidadãos e líderes de todo o mundo no sentido de se buscar vias para que as democracias assegurem igualdade e um ambiente saudável para todos.

IPS: O que vem primeiro, democracia ou desenvolvimento?

HALINA WARD: Há um intenso debate precisamente sobre essa questão, e alguns governos mais autoritários afirmam que primeiro se deve garantir o crescimento econômico e depois a democracia. De nossa perspectiva, em certo sentido, não é um tema relevante. Nossa preocupação é o desenvolvimento sustentável, e não o crescimento econômico por si só. E, na realidade, o manifesto tampouco procura pregar a "democratização". Quando se parte de uma perspectiva de desenvolvimento sustentável, que inclua ideias de igualdade e proteção ambiental, bem como de crescimento econômico, a democracia é inseparável. Uma das coisas positivas que surgiram da Conferência Nacional das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) foi o reconhecimento de que a democracia é, simplesmente, essencial para o desenvolvimento sustentável. E cremos que a democracia também necessita do desenvolvimento sustentável, porque a insustentabilidade e a desigualdade, quando não se erradica a pobreza, por exemplo, podem criar tensões no sistema democrático.

IPS: A democracia e o desenvolvimento sustentável ainda são esquivos na África. Que diferença fará o manifesto nesse continente?

HW: Trabalhamos com a ideia de que as pessoas, os grupos da sociedade civil e os representantes eleitos possam assumir compromissos para conseguir uma mudança na prática democrática. Adotamos a ideia de criar um "efeito de propagação" com o lançamento do manifesto e os posteriores processos de experimentação e inovação. Esperamos que o documento seja um recurso útil para as pessoas e as organizações em todo o mundo. Contudo, suspeito que os leitores africanos do manifesto descobrirão que há muito por fazer para adaptá-lo às múltiplas realidades e aos variados sistemas democráticos desse continente. Também devo destacar que recebemos menos insumos dos cidadãos na África do que de outras partes do mundo no processo de consultas. Desejamos que o manifesto tenha ressonância mundial, mas também reconhecemos que tanto o documento como o processo de experimentação e inovação associado a ele têm de evoluir com o tempo. Ficaremos encantados, por exemplo, se esse documento derivar em uma iniciativa para desenvolver uma série mais específica de princípios e ações para uma variedade de contextos africanos. Trata-se de capitalizar movimentos organizados para a mudança, em lugar de simplesmente difundir "nosso" manifesto no mundo.

IPS: Por que um manifesto para a mudança?

HW: Porque queremos traduzir nossos primeiros três anos de associação, análise e ativismo na Fundação no rascunho de um plano de ação. As soluções para as tensões entre a democracia e o desenvolvimento sustentável existem. Estamos convencidos disso, e estão sendo implementadas. O que precisamos é de um documento inspirador, que gere um efeito propagador e permita que tais soluções sejam difundidas por todos os lados. Esperamos que o manifesto se converta em um catalisador para a mudança, como o foram outros textos no passado.

IPS: Em que se concentrará o manifesto?

HW: Apresentará uma ampla visão de como pode funcionar uma democracia quando está equipada de forma adequada para assegurar um desenvolvimento sustentável, listará princípios voltados a essa visão e, por sua vez, apresentará sugestões de inovações para implantar esses princípios. Será um documento curto, de duas ou três páginas, com um tom positivo e construtivo, que, esperamos, tenha êxito.

IPS: A democracia pode proporcionar desenvolvimento sustentável?

HW: Neste momento, a democracia tem o potencial de garantir um desenvolvimento sustentável, mas nos fatos não o faz. As democracias, em geral, objetivam interesses de curto prazo com base nos ciclos eleitorais, com um enfoque desproporcional no crescimento econômico e com um insuficiente entendimento dos compromissos que implica uma democracia direta, representativa e deliberativa. Para piorar as coisas, algumas democracias nem mesmo garantem os direitos básicos. Violam os direitos humanos fundamentais, não proporcionam um acesso adequado à informação nem garantem a justiça, e mostram pouco respeito ao império da lei. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
 Hambre de flora y fauna en el joven sector privado de Cuba
MÁS >>