África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A China também se volta para a Ásia central
oshua Kucera*

Washington, Estados Unidos, 8/1/2013 (IPS/EurasiaNet) , (IPS) - A China está cada vez mais ativa na Ásia central, construindo gasodutos e lançando grandes projetos de infraestrutura, bem como expandindo sua presença diplomática e cultural.

Ao mesmo tempo, Pequim incrementa seu controle sobre a província de Xinjiang, fronteiriça com as antigas repúblicas soviéticas, criando também ambiciosos projetos de desenvolvimento, promovendo o assentamento do maior grupo étnico chinês, os han, e contendo agressivamente todas as expressões de nacionalismo do povo uigur.

Entretanto, parece difícil definir a principal motivação por trás destas políticas. Analistas que estudam a atividade chinesa na Ásia central diferem sobre qual é o maior interesse de Pequim na região. Uns afirmam que seus esforços para pacificar Xinjiang têm o objetivo de convertê-la em uma plataforma segura a partir da qual expandir-se economicamente. Outros afirmam o contrário, que Pequim, na realidade, procurar criar laços para atrair para Xinjiang o resto da China e dessa forma fortalecer o país para o interior.

Os projetos chineses mais notáveis na Ásia central são gasodutos, especialmente o que liga o país com o Turcomenistão. A China também trabalha para melhorar as redes de transporte na região, construindo novas estradas e túneis, por exemplo no Tajiquistão. Além disso, concedeu empréstimos a juros baixos para países da Ásia central por conta da última crise financeira internacional, ao mesmo tempo em que fortaleceu os laços educacionais e culturais.

No entanto, a meta de Pequim com estes projetos continua sendo nebulosa. Até agora, a Ásia central era uma baixa prioridade para o governo chinês, e sua política para a região era pragmática, baseada em acordos entre companhias ou órgãos governamentais, disse Alexandros Petersen, analista do Centro Woodrow Wilson. "Não existe uma grande estratégia para a Ásia central por parte de Pequim. O que existe é uma confluência de todas as atividades desses atores variados. Isto faz com que a China se converta no ator mais consequente da região", afirmou.

Em certa medida, os vínculos da China com a Ásia central se assemelham aos que constrói com a África e a América Latina, com forte ênfase na extração de recursos. A política de Pequim em relação à Ásia central "pode ser um reflexo da mais ampla estratégia chinesa para o mundo exterior, que implica a obtenção de recursos naturais e muito comércio", opinou, por sua vez, Sean Roberts, professor da Universidade de Washington. E a Ásia central é perfeita para esse objetivo, acrescentou, considerando que é rica em recursos e representa o primeiro passo na rota que a China construir para comercializar com o Ocidente.

Entretanto, outros analistas sustentam que o interesse na extração de recursos é secundário, e que Pequim, na verdade, é movida pela necessidade de pacificar Xinjiang. Para Kilic Kanat, especialista político da Universidade da Pennsylvania, "naturalmente a instabilidade do Turquistão Oriental (Xinjiang) é o mais importante, tanto para atrair investimentos estrangeiros diretos para a região como para proporcionar um terreno seguro para o comércio e as interações econômicas". Segundo Kanat, "a estabilidade da região também contribuirá para a estratégia econômica mundial da China, mas, eles entendem que primeiro devem colocar a casa em ordem".

Kanat afirma que os esforços para pacificar Xinjiang, e dissipar todo movimento separatista ali, têm por objetivo promover o desenvolvimento econômico. Porém, não funciona de acordo com o previsto por Pequim em razão de as demandas dos uigures terem a ver com direitos culturais e políticos, mais do que econômicos. Além disso, em todo caso, o desenvolvimento econômico somente ampliou a brecha de riqueza entre os uigures e os han, acrescentou o especialista.

Kanat, Peterson e Roberts participaram no dia 13 de dezembro do encontro "A China na Ásia meridional, central e sudeste", realizado na Universidade de Washington, na capital norte-americana. Envolverde/IPS

* Joshua Kucera é escritor radicado em Washington especializado em temas de segurança na Ásia central, no Cáucaso e no Oriente Médio. É editor do blog The Bug Pit, da EurasiaNet, onde este artigo foi publicado originalmente. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Indígenas necesitan fondos para luchar contra VIH/sida
 Países del Sur se imponen al Norte en negociación de la OMC
 BRICS, una brecha en ordenamiento financiero de Occidente
 Buen futuro para los precios agrícolas pero no tanto para los pobres
 Desplazados viven una pesadilla en el norte de Pakistán
MÁS >>