África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

As Escolas do Amanhã, trincheiras do saber no Brasil
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 11/1/2013, (IPS) - Os professores da Escola Municipal IV Centenário, no Rio de Janeiro, estão treinados para construir trincheiras com seus alunos no lugar mais seguro no caso de haver tiroteio.

Este é apenas um detalhe de um projeto educacional que vai muito além de tentar dar atenção diferenciada a comunidades afetadas pela violência nesta cidade. O centro educacional é uma das 152 Escolas do Amanhã, selecionadas dentro da rede municipal de ensino por estarem localizadas em áreas catalogadas como vulneráveis.

O Complexo da Maré é uma favela dos subúrbios do norte do Rio de Janeiro onde vivem 1,5 milhão de pessoas, que, como outros assentamentos surgidos espontaneamente, carece de serviços básicos. As favelas também sofrem o domínio histórico de grupos de traficantes e o surgimento recente de grupos parapoliciais, conhecidos como milícias e sustentados por poderes econômicos. "Todos estamos treinados para isso. Fizemos um curso. Assim nos dias em que temos operação policial já sabemos o que fazer", contou à IPS a diretora da escola IV Centenário, Rita de Cassia Magnino.

A capacitação ajuda a minimizar os efeitos de uma guerra urbana não declarada. Os professores levam os alunos para lugares protegidos e longe das janelas, para não ficarem expostas às balas e aos pedaços de vidro quebrado. Magnino espera que dias assim tenham fim quando, este ano, chegar ao Complexo da Maré o processo de pacificação, um plano que começou a ser desenvolvido nas favelas cariocas em 2008 e que inclui, além da ocupação policial do lugar, projetos de saneamento, infraestrutura, saúde e melhoria da renda.

O programa Escolas do Amanhã foi criado em 2009 pela Secretaria de Educação do município do Rio de Janeiro para reduzir a evasão escolar e melhorar o aprendizado em áreas de risco, e seu alcance vai além da proteção aos alunos diante de eventuais tiroteios. "O desafio é estabelecer uma escola com qualidade educacional, que enfrente as carências de comunidades tradicionalmente esquecidas", disse à IPS o presidente do Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos, Jorge Werthein.

"Para isso, é preciso saber do que necessita a comunidade atendida por estas Escolas do Amanhã e como incentivá-las a participar das atividades escolares", destacou Werthein, ex-diretor no Brasil da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). E Magnino resumiu dizendo que "a única maneira de combater realmente a violência é com uma educação de qualidade".

Essa qualidade educacional se baseia em seis pilares e beneficia mais de 109 mil meninos e meninas em comunidades pacificadas e não pacificadas. O primeiro é o de uma educação integral, com mais de 50 atividades de reforço escolar, cultura, artes e esportes. Ao contrário de outras escolas das redes municipal e estadual, estas contam com salas de leitura, de computação e laboratórios de ciência.

O programa Cientistas do Amanhã é outro pilar. Baseia-se em uma nova metodologia de ensino de ciências da Fundação Sangari, que estimula o estudante a desenvolver o raciocínio e o senso crítico. "É fantástico, o aluno aprende como nasce um peixe com um aquário, como nasce uma flor", contou a diretora. "A presença do coordenador pedagógico, importante para administrar junto ao diretor o projeto político-pedagógico", destacou, ao citar um fundamento da iniciativa: a capacitação permanente de professores e outros gestores educacionais.

Outro pilar, Saúde nas Escolas, promove o exame periódico dos alunos. Ao ser detectado um problema, o estudante é encaminhado a um posto médico municipal. Porém, Magnino destaca que o programa não seria possível sem a participação da comunidade e das famílias. O programa Bairro Educador integra os moradores e pais à escola e tenta detectar problemas em cada família. Também incorpora mães voluntárias e estagiários universitários como apoio escolar.

Magnino coordena reuniões quinzenais com os pais e representantes, nas quais a presença oscila entre 85% e 90%, um recorde que ganha maior valor porque muitas famílias têm à frente uma mulher sozinha que trabalha o dia inteiro. "O problema surge quando a família não está presente, porque ela é muito importante", destacou a diretora da escola, que tem 500 alunos de quatro a 12 anos. "De tanto convocar os pais, estes acabam acreditando no projeto", acrescentou.

Os professores também foram capacitados como mediadores de conflitos entre a escola e a comunidade, e para abordar temas como o consumo de drogas e a violência. Para a diretora, o combate à violência começa pela escola. "Explica-se às crianças que a violência nada resolve e que com diálogo tudo pode ser resolvido", enfatizou Magnino.

"O grande diferença é promover um ensino distinto, de forma integral e com uma metodologia dinâmica, que elabore o bloqueio das crianças que sofrem com a superexposição à violência", afirmou à imprensa a secretária de Educação do município, Claudia Costin. Os resultados já são visíveis nas Escolas do Amanhã. "Conseguiram aumentar o interesse dos alunos e diminuiu a evasão e a repetência", destacou Werthein, ao qualificar a iniciativa de "extremamente interessante e inovadora".

Dados oficiais mostram que a taxa de evasão escolar caiu entre 2008 e 2011 de 5,1% para 3,2%. Além disso, o Índice de Desenvolvimento de Educação Básica nacional destaca que nestas escolas, entre 2009 e 2011, aumentou a participação de alunos nas últimas séries, aquelas que adolescentes abandonam quando os grupos criminosos os recrutam. O progresso tem especial importância pelo retorno precário das escolas. "Funcionam onde há ou houve por muito tempo grandes tiroteios e os alunos abandonavam os estudos para trabalhar com o tráfico", recordou Costin.

As Escolas do Amanhã ainda são uma ilha no total de 1.074 estabelecimentos municipais de ensino, mas as autoridades do Rio de Janeiro buscam estender o programa para toda a rede, enquanto outros Estados estudam replicar a iniciativa. Werthein vai além. "Instalar escolas de qualidade nas favelas é um exemplo a ser seguido em muitos outros países da América Latina", afirmou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>