África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Senegal tenta pôr freio ao "baby boom"
Issa Sikiti da Silva,

Dacar, Senegal, 23/1/2013, (IPS) - Uma mãe de 25 anos, originária da província senegalesa de Tambacounda, acredita que os anticoncepcionais prejudicam o útero e causam problemas à saúde no longo prazo, como aumento da pressão arterial e enxaquecas crônicas.


Crédito: karah24 /CC-BY-ND-2.0
Apenas 12% das senegalesas usam anticoncepcionais.
"Foi isso que ouvi de algumas mulheres em um ônibus", disse à IPS esta mãe de cinco filhos, que mora em Dacar desde que se divorciou. Tinha 16 anos quando foi obrigada a se casar com seu primo de 35, que bateu nela e a ameaçou apenas por ter sugerido o uso de anticoncepcionais. "Me bateu e jurou que me mataria se voltasse a falar disso. Então, continuei tendo filhos", contou.

Devido a ideias equivocadas sobre planejamento familiar, dogmas religiosos e falta de serviços de saúde reprodutiva, milhares de mulheres por todo o Senegal sofrem. Ter filhos é um sinal de riqueza neste país da África ocidental com 12 milhões de habitantes, um conceito que incentivou o baby boom (auge da natalidade), afirmam especialistas. "Esta antiga crença implica que ter mais filhos significa mais mão de obra para trabalhar na terra, ou a possibilidade de ver seu filho conseguir ser um homem rico, ministro ou presidente da república", disse à IPS a conselheira matrimonial Fatoumata Sow.

"Enquanto isso, muitas filhas trazem para seus pais dinheiro ou gado como dote quando se casam", acrescentou Swo. "Desde que as mulheres se casam, começam a ter filhos", contou, ela mesma mãe de nove. "Embora esteja usando o Senegal como caso de estudo, esta é uma tendência em toda a África ocidental", acrescentou, explicando que o planejamento familiar é um tabu em muitas partes da região, sobretudo em comunidades rurais onde o analfabetismo é grande e os serviços de planejamento familiar não existem.

"A falta de políticas efetivas sobre planejamento familiar e a ideia de que os filhos são símbolos de riqueza prejudicam seriamente a fábrica social do Senegal", disse à IPS um médico de um dos hospitais públicos do país, que não quis se identificar por medo de represálias das autoridades. "Pergunto a cada mulher grávida que consulto se alguma vez usou anticoncepcional, e a resposta que recebo sempre é que não", afirmou.

Só 12% das senegalesas usam anticoncepcionais, segundo a ministra da Saúde e Ação Social, Awa Marie Coll-Seck, em uma conferência em Londres no ano passado. Coll-Seck, que confessou que a taxa de uso de anticoncepcionais em seu país é uma das menores do mundo, afirmou que o governo tenta fazer com que aumente dos 12% atuais para 27% até 2015. Isto significa conseguir aumento de cinco pontos percentuais ao ano. "É possível", disse, otimista, a ministra à imprensa em Dacar.

Em um esforço para criar consciência e romper os estereótipos, o governo lançou no ano passado um plano de ação nacional pelo planejamento familiar. A iniciativa chega no tempo certo. Segundo a ministra, uma em cada duas mulheres deseja ter mais tempo entre uma gravidez e outra, mas não tem acesso a métodos seguros para fazer isso. A campanha também terá o objetivo de sensibilizar os homens sobre a importância do planejamento familiar como assunto do casal, e não apenas das mulheres.

O governo traçou a meta de assistir 350 mil mulheres nos próximos três anos, e para isso dividiu a campanha em três fases, segundo o diretor nacional de Saúde Reprodutiva e Sobrevivência Infantil, Bocar Mamadou Daff. A primeira é gerar consciência por intermédio de meios de comunicação de massa, com mensagens a setores específicos da população e integrando líderes políticos para que apoiem publicamente o planejamento familiar.

A segunda implica a criação de um sistema de distribuição de anticoncepcionais nas comunidades, integrando também o setor privado, disse Daff. E a terceira etapa consiste em verificar e garantir que os métodos de planejamento familiar sejam acessíveis a todas as pessoas que necessitam. Segundo Sow, um melhor planejamento familiar também pode ajudar o governo a resolver problemas relacionados, com os quais luta há muitos anos, como desnutrição e falta de moradias.

Em dezembro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) informou ter proporcionado tratamento vital a mais de 850 mil meninas e meninos severamente desnutridos na região do Sahel, zona afetada por uma grave fome desde 2012. O Senegal apresenta uma das taxas mais altas de desnutrição aguda do mundo. Na província de Matam chega a 19%, segundo o Programa Mundial de Alimentos. "Onde há muitas crianças para alimentar, o chefe de família deve ter muito dinheiro para atendê-los, de outra forma ficarão doentes pela fome e morrerão, ou acabarão nas ruas pedindo esmolas", advertiu Sow.

Porém, nem todos aprovam a nova campanha do governo. Muitos líderes muçulmanos conservadores como Al-Hajj Ibrahima Dieng acreditam que são práticas "anti-islâmicas". Dienge declarou que "é Alá que nos dá filhos, e cabe a ele prover tudo o que necessitam para permitir que cresçam fortes e saudáveis", disse à IPS este religioso, pai de 15 filhos. "Quer que seja diferente? Juro por Alá que nunca serei parte desse absurdo", acrescentou.

Outros, como o respeitado imã Mbara Segnane, estão muito preocupados com o baby boom. Este religioso afirmou em 2012 que o governo deveria resolver o problema. Inclusive sugeriu que as autoridades impusessem um limite de filhos por família. No entanto, alguns especialistas, como Sow, acreditam que a mudança só se conseguirá paulatinamente. "Penso que como sociedade ainda não estamos prontos para uma evolução assim. As tradições e crenças culturais afetaram tanto nossa mentalidade e nos lavaram o cérebro de tal forma que estamos cegos. Mas, ainda há esperança", ressaltou. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>