África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Aldeias ecológicas no auge
Marcela Valente*

Buenos Aires, Argentina, 11 de fevereiro de 2013 , (IPS) - (Terramérica).- Mudar-se para uma ecoaldeia "não se trata de voltar à época do garrote, mas de recuperar a capacidade de tomar as próprias decisões".


Crédito: Cortesia i-tekoa
Assim se constrói uma moradia na aldeia i-tekoa
Quase despercebidos, assentamentos sustentáveis que integram vida comunitária e preservação dos recursos naturais se multiplicam na Argentina como alternativa ao consumismo desenfreado. Laboratórios de vida em estreito contato com a natureza, as aldeias ecológicas com hortas comuns se expandem nas províncias de Buenos Aires, Santa Fé e Misiones (leste e nordeste), Córdoba (centro-norte), Catamarca (noroeste), San Luis (oeste), Rio Negro (sul) e inclusive na capital.

Algumas nascem como projetos familiares que se consolidam e servem de núcleo para a formação de uma vila. Outras surgem como ideia coletiva de amigos que compartilham uma mesma visão do mundo. "É um pouco de recuperar a liberdade", define Tania Giuliani, uma bióloga com mestrado em desenvolvimento sustentável que participa da criação de uma aldeia ecológica em uma Ilha do Tigre, no trecho final do delta do Rio Paraná, a nordeste da capital argentina. Giuliani mantém um cargo docente em Buenos Aires, mas já se despediu de seu apartamento na cidade, para acelerar os trabalhos de construção de sua casa na ilha, feita com materiais locais, em harmonia com a paisagem de terras úmidas.

No projeto i-tekoa (aldeia de água, na língua guarani) participam, além de Giuliani, outros sete amigos que aceitaram o desafio. Planejam construir as oito casas e um centro comunitário onde realizarão oficinas sobre arte, horta e permacultura. A permacultura - que pode ser entendida como a contração de "permanente agricultura" ou de "permanente cultura" - surgiu na década de 1970 na Austrália. Segundo Carlos Straub explicou ao Terramérica, "trata-se de criar modelos de desenvolvimento sustentável onde o ser humano possa viver em harmonia com a natureza".

Straub foi um dos pioneiros da permacultura na Argentina nos anos 1990, junto com os fundadores de Gaia, a primeira vila ecológica do país que funciona desde 1996 na localidade de Navarro, província de Buenos Aires. Além de compreender moradias construídas com materiais naturais, em Gaia funciona o Instituto Argentino de Permacultura, que realiza oficinas de capacitação para os interessados em reproduzir esta experiência. Os participantes aprendem os princípios da cozinha natural, horta ecológica, produção de sementes, construção natural, energias renováveis e alternativas de saneamento sustentáveis e de vida comunitária. Gaia é parte da Rede Mundial de Ecoaldeias (GEN) que vincula milhares de iniciativas deste tipo.

Straub coordena agora o Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Ensino da Permacultura (Cidep), em uma chácara a 15 quilômetros de El Bolsón, Rio Negro, na Patagônia. Junto à sede do Cidep, que realiza oficinas desde 2004, está sendo erguida outra aldeia ecológica para 20 famílias. Enquanto é construída, oito pessoas vivem em instalações do Centro. Além disso, Straub dá aula em comunidades da Patagônia Argentina e Chile. "Há um movimento muito grande de gente que está emigrando das cidades e compra terrenos com outras pessoas para iniciar esta experiência", contou.

Antes de se lançar ao projeto i-tekoa, Giuliani viveu em uma ecoaldeia na Nova Zelândia. Para ela, o capitalismo impõe um estilo de vida individualista, consumista e antinatural, do qual cada vez mais pessoas buscam escapar. "Uma pessoa leva uma vida solitária e materialista, para retornar a um apartamento e ter de comprar alimentos com produtos químicos", disse ao Terramérica. Junto com amigos tão descontentes quanto ela com seu estilo de vida, Giuliani comprou a área e está construindo as casas e um centro comunitário.

As obras são realizadas sem aterrar nem drenar o terreno que é pantanoso, para respeitar a função purificadora do mangue. As árvores de espécies introduzidas são cortadas e sua madeira é usada na construção das casas. Em seu lugar são plantadas espécies nativas. Para o saneamento, estão examinando se usam banheiros secos ou um biodigestor. "Viver somente da natureza nos parece um pouco utópico. A ideia é viver da horta e dos oficinas que daremos no centro e, aos poucos, ir soltando os trabalhos que temos na cidade, na medida do possível", explicou Giuliani.

Para Straub, a tendência se multiplica como reação a um estilo de vida esgotado. "Busca-se uma vida mais tranquila, na qual se possa realizar velhos sonhos sem esperar a aposentadoria", enfatizou. "Não se trata de voltar ao primitivismo ou à época do garrote, mas de recuperar a capacidade de tomar as próprias decisões. A ecoaldeia pode não ser a solução para todos, mas o projeto ajuda a recuperar uma visão mais humana da vida", opinou Straub. Trata-se de "transformar o olhar. O milagre deve ocorrer dentro de nós, e com esse caminho pode-se viver na ecoaldeia ou voltar à cidade, mas já não submetido às condições do sistema", ressaltou.

Ele mesmo não vive no Cidep, mas em El Bolsón, a 15 quilômetros da vila. Não está certo de querer viver ali, mas acredita que pode ser parte do processo como produtor de sementes. O interessante, disse, é que cada vez mais pessoas se animam a viver esse processo. "Em Gaia, quando comecei, éramos 15 ou 20, e há pouco tempo participei de um encontro em que éramos 500 os que se somaram à experiência", comemorou. Envolverde/Terramérica

* A autora é correspondente da IPS.

(FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Asia, tan cerca y tan lejos de erradicar la poliomielitis
 Premio a “visionaria” ley de Bolivia contra violencia de género
 Economía y política exterior oponen candidatos en Brasil
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
MÁS >>