África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Exportação ou exploração?
Correspondentes*

Porto Príncipe, Haiti, 25 de fevereiro de 2013 , (IPS) - (Terramérica).- Enquanto a atividade econômica do Haiti perde forças, as importações vindas do outro lado da fronteira, da República Dominicana, legais ou contrabandeadas, inundam o mercado.


Crédito: Jude Stanley Roy/HGW
Montanhas de alimentos dominicanos à venda em um mercado de rua em Pétion-Ville, subúrbio de Porto Príncipe.
"Eu compro tudo entre Haiti e República Dominicana: cenoura, abóbora, berinjela, repolho, pimentão, ovos e salame", conta a dona de um ponto repleto de produtos no mercado de rua de Croix des Bossales, na capital haitiana. "A fronteira nos dá de comer", contou a comerciante, que não quis dar seu nome temendo os fiscais de impostos. A mulher vende vegetais e outros alimentos no maior mercado de Porto Príncipe, onde, como nos supermercados haitianos, abundam montanhas de massas, ovos e bananas, pilhas de molho de tomate, ketchup, maionese e outros alimentos processados, todos dominicanos.

O Haiti tem comida. Contudo, a produção é cada vez menor neste país e uma grande quantidade procede da vizinha República Dominicana, com a qual compartilha a ilha La Espanhola, conforme comprovou a investigação feita para esta matéria. Os comerciantes custam a encontrar produtos nacionais. "Existem poucos", diz outra vendedora sentada junto a uma torre de ovos embalados em caixas de papelão dominicano.

Em outros estabelecimentos, os sacos de cimento chegam até o teto. Na maior parte das oito lojas que vendem este produto visitadas pelos jornalistas do Haiti Grassroots Watch (HGW), os responsáveis garantiram que o importado é mais barato do que o nacional, "embora de pior qualidade". A HGW não conseguiu obter dados precisos sobre a quantidade de cimento exportado pela República Dominicana para o Haiti. Mas a Associação Dominicana de Produtores de Cimento Portland garante que seis grandes empresas empregam 15 mil pessoas e que seu produto constitui 21% das vendas nacionais para o exterior.

O Haiti precisa desses produtos. Mas o fluxo comercial dominicano é uma simples exportação ou o vizinho está explorando a ocasião de uma economia demolida pelo terremoto de 2010? O Haiti sempre teve uma economia aberta. Os governos posteriores à independência de 1804 raramente desenvolveram políticas de incentivo à indústria e de modernização agrícola. As elites locais tendiam a exportar produtos básicos - café, cacau, índigo e açúcar - e a importar alimentos processados e manufaturados.

Mais tarde, o Haiti não aderiu à onda de substituição de importações adotada por muitas nações da América Latina, África e Ásia, sobretudo nas décadas de 1950 e 1960. Porém, ao menos até 1970, o Haiti era quase autossuficiente em itens como vegetais, frutas, carne e cimento. A partir de então, sua balança comercial ficou cada vez mais negativa. "Seguimos um modelo que enfraquece os setores produtivos em benefício dos importadores", disse o economista Camille Chalmers, professor da Universidade Estatal do Haiti e diretor de uma rede de organizações que promovem um "desenvolvimento alternativo".

A República Dominicana tomou um caminho diferente. Seu modelo data de "50 ou 60 anos atrás", segundo María Isabel Gassó, presidente da Câmara de Comércio e Produção de São Domingo. "Durante um tempo, houve leis que promoviam a indústria e a produção, bem como as exportações e as zonas francas. Essas indústrias estiveram ali por anos e se beneficiaram de várias políticas", explicou.

No final do século 20, as políticas econômicas neoliberais - redução de tarifas alfandegárias, privatização de estatais e redução de serviços sociais - custaram caro à frágil economia haitiana. As tarifas alfandegárias sobre alimentos e outros produtos agrícolas importados caíram pela primeira vez em 1982, e em 1995 foram reduzidas para valores entre zero e 3%. Hoje, este país tem as menores tarifas de toda a região do Caribe.

Essas reduções foram parte do acordo forjado em 1994, entre o exilado presidente Jean-Bertrand Aristide, Estados Unidos e o Fundo Monetário Internacional (FMI), pelo qual o mandatário colocaria em prática uma série de políticas de liberalização em troca de ser reconduzido ao cargo, do qual fora derrubado por um golpe de Estado em 1991.

Segundo o FMI, a balança comercial passou de US$ 500 milhões em 1995 para US$ 2,2 bilhões no ano fiscal 2011-2012. E da mesma maneira aumentou o "déficit" alimentar (quantia dedicada à importação de alimentos): de US$ 242 milhões em 2000 para US$ 342 milhões em 2007. O Ministério da Agricultura assegura que em 2005 o Haiti importava 57% de seus alimentos, uma porcentagem que atualmente é muito mais alta. O diretor-geral do Ministério de Comércio, Luc Espéca, está consciente dos danos dessas políticas.

"Os produtores locais não podem vender o que plantam. Quando alguém trabalha duro para produzir algo, mas depois não tem lucro, desanima", afirmou Espéca. Além disso, o governo de Aristide precisou privatizar várias atividades, incluindo a produção de cimento, embora o país possua todas as matérias-primas necessárias. Entretanto, as baixas tarifas alfandegárias e as importações não são a única razão para a agricultura nacional não atender a demanda de uma população que aumenta. Também contribuíram a falta de investimentos e o antiquado sistema de posse da terra.

"Quando regressei ao Haiti, em 1976, produzíamos de tudo: tubulações, cimento, etc.", recorda o empresário Gérard Emile "Aby" Brun, vice-presidente da empresa haitiana de construção Tecina, lamentando que o país tenha perdido essa produção. O mesmo aconteceu com a telefonia estatal, "o moinho de trigo e todo o resto", apontou. Brun atribui parte da culpa aos "capitalistas haitianos", grupo que integra. "O capitalismo teme a instabilidade e a corrupção. Não quer correr riscos e esperar dez ou 15 anos para colher o lucro. Na verdade, os industriais haitianos não têm nada de industriais. Três quartos deles são comerciantes ou vendedores varejistas".

Enquanto os produtores dominicanos capitalizam essa debilidade, em particular desde o terremoto de janeiro de 2010, "o Estado haitiano não defende os atores econômicos", lamentou Chalmers. Já a dirigente empresarial dominicana Gassó vai mais longe: "Gostaria de ver produtos haitianos aqui, mas o governo desse país que de deve promover o que for preciso lá para haver exportações. Falta um plano. Quando um navio parte sem destino, não chega a lugar algum".

Rodeada por montanhas de vegetais dominicanos, a vendedora de Croix de Bossales só poderia concordar. "Necessitamos uma mudança, mas de onde virá? Só o que ouvimos são lindas palavras. As pessoas devem se conscientizar e então poderemos resgatar nosso país desta situação terrível", pontuou. Em 12 de janeiro de 2010 o terremoto que matou 200 mil pessoas e deixou um milhão de desabrigados, também destruiu 8% dos bens da capital, segundo o Banco Mundial, e também causou perdas de US$ 8 milhões no setor agrícola, de acordo com o governo. Houve colheitas perdidas, infraestrutura de transporte danificada e sistemas de irrigação severamente afetados.

A necessidade de alimentos e de outros produtos, para as vítimas e os milhares de trabalhadores humanitários que chegaram pouco depois, foi uma benção para a agricultura e a indústria do país vizinho, "especialmente para os produtores de materiais de construção", disse Circé Almanzar Melgen, a vice-presidente da Associação de Indústrias da República Dominicana. Em 2000, apenas 3% das vendas dominicanas para o exterior seguiam para seu vizinho. Nove anos depois, esse fluxo era de 15%, indica o informe do Banco Mundial Haiti, República Dominicana: mais que a soma das partes, divulgado no ano passado.

A partir do terremoto, "as exportações dominicanas para o Haiti cresceram consideravelmente": em 2009 somavam US$ 647,3 milhões, e em 2011 chegaram a US$ 1,018 bilhão, segundo a diretora de Planejamento e Desenvolvimento do Ministério da Economia da República Dominicana, Magdalena Lizardo. Gassó tem claras as razões: "Em primeiro lugar, você necessita de certos produtos. Há um mercado que está comprando, mas não há fornecedores para abastecê-lo. Se havia fábricas e indústrias que sofreram (pelo terremoto), então haverá mais necessidade. Envolverde/Terramércia

* Os autores são correspondentes da IPS e da Haiti Grassroots Watch. A Haiti Grassroots Watch é uma associação entre Alterpesse, Sociedade para a Animação da Comunicação Social, Rede de Radioemissoras Comunitárias de Mulheres, Associação de Meios Comunitários Haitianos e estudantes do laboratório de jornalismo da Universidade Estatal do Haiti. Esta cobertura tem financiamento da União Europeia e é coordenada pela Cátedra Unesco de Comunicação, Democracia e Governabilidade da Pontifícia Universidade Católica Madre e Maestra da República Dominicana.

(FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>