África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Mar Vermelho poderia reanimar o Mar Morto - Parte 1
Peirre Klochendler

Ein Gedi, Israel, 27/2/2013, (IPS) - O projeto para "salvar o mar Morto", declarado viável pelo Banco Mundial, é questionado por ambientalistas para os quais tal medida representa enormes riscos ambientais.


Crédito: Pierre Klochendler/IPS
Buracos como este lentamente engolem o Mar Morto.
O objetivo do "canal mar Vermelho-mar Morto" é "dessalinizar a água e/ou gerar energia hidrelétrica a um preço acessível para Jordânia, Israel e Autoridade Nacional Palestina (ANP)" e "construir um símbolo de paz no Oriente Médio".

O mar Morto, lago endorreico (sem saída para o mar) situado 426 metros abaixo do nível do mar, está secando e morrendo no deserto ao ritmo aproximado de 1,1 metro por ano. Sua superfície diminuiu um terço nos últimos 50 anos: de 960 quilômetros quadrados passou para os atuais 620. Localizado entre a meseta bíblica de Moab e o deserto da Judeia, o mar hipersalino faz limites com Jordânia, ao leste; Israel e o território palestino da Cisjordânia, a oeste.

É um spa natural. Seus minerais são extraídos para tratar enfermidades cutâneas devido às suas propriedades curativas desde a época de Cleópatra. Atualmente, a indústria química realiza uma operação multimilionária em que as empresas Dead Sea Works, de Israel, e Arab Potash Company, da Cisjordânia, exploram o recurso para fabricar potássio para fertilizantes.

O fluxo hídrico recebido pelo mar Morto diminuiu de 1, 250 bilhão de metros cúbicos ao ano para 260 milhões em 60 anos devido ao desvio de água para atividades agrícolas do rio Jordão, seu principal tributário no norte. Com os efeitos da mudança climática, o mar Morto tem um futuro mais do que funesto, preso em uma área morta devido às atividades humanas. A rota 90, que costumava margear a parte ocidental, agora passa a um quilômetro da costa.

Cerca de 300 quilômetros quadrados de seu leito marinho ficaram ao ar livre na década de 60, e o processo segue ao ritmo de cinco quilômetros quadrados por ano. Vastas planícies ficaram descobertas e levaram à formação de aproximadamente três mil buracos que aos poucos engolem terras, estradas e edifícios, o que representa um risco significativo para a agricultura, a indústria e a infraestrutura turística.

Não é surpresa que os três países vizinhos não tenham conseguido no passado que o mar Morto fizesse parte das Sete Maravilhas Naturais. Além disso, a possibilidade de figurar na lista de Patrimônio da Humanidade é um sonho distante.

"Não queremos que o mar Morto morra, queremos revivê-lo", disse à IPS o ministro de Desenvolvimento Regional de Israel, Silvan Shalom. "Nosso principal objetivo é levar mais água a essa região árida. A melhor opção é um canal que bombeie dois milhões de metros cúbicos por ano desde o Mar Vermelho", explicou. "O que poderia salvar o mar Morto da morte seria o projeto de desenvolvimento de 180 quilômetros chamado Rede Sea-Dead Sea Water Coveyance" (Transferência do mar Vermelho para o mar Morto).

A iniciativa implica bombear água do mar Vermelho, mais ao sul, para o mar Morto. Um sistema de encanamento com seis tubulações e um túnel permitiria o fluxo de água graças à gravidade, aproveitando as diferenças de elevações (ao nível do mar e abaixo dele), para uma estação de dessalinização de alto nível e duas centrais hidrelétricas.

Após uma década de estudos, o Banco Mundial concluiu que o canal Vermelho-Morto, como é conhecido este ambicioso projeto, é viável do ponto de vista técnico, econômico e socioeconômico. O custo total do projeto seria de US$ 9,7 bilhões, segundo o Banco. "Metade seria amortizada com a venda de água dessalinizada e energia hidrelétrica, e a outra teria financiamento mediante a assistência internacional ao desenvolvimento, "uma situação benéfica para todos", disse Shalom.

Porém, "o projeto não retém a água", disse Gidon Bromberg, diretor da Eco Peace/Amigos da Terra Oriente Médio, uma organização que reúne ambientalistas israelenses, jordanianos e palestinos pela paz. "A mistura do Mar Vermelho com a salmora única do Mar Morto provavelmente gere um depósito sedimentar, leve ao surgimento de algas vermelhas e turve a pureza da água. Os dois corpos de água não se misturam, como a água e o óleo. A água do mar Vermelho flutuará acima" da outra, afirmou.

De fato, especialistas do Banco Mundial disseram que a grande afluência de água do mar Vermelho poderia branquear de forma duradoura o azul França do mar Morto, mas "que esse problema poderia ser mitigado acrescentando cristais de mineral de gesso no local de descarga, o que permitiria uma sedimentação mais rápida".

Outra preocupação é a contaminação das reservas subterrâneas pelo possível vazamento de água salgada enquanto se opera o sistema de tubulações de transferência ao longo do vale de Aravá, considerado uma "zona de grande atividade sísmica". Sobre isto, Bromberg disse à IPS que "as tubulações poderiam explodir em meio a um terremoto, e milhões de metros cúbicos de água contaminaram as reservas subterrâneas". O Banco Mundial propôs alternativas especiais, como caixas de concreto envolvendo a tubulação e válvulas de isolamento, entre outras. um sistema de controle fecharia estas últimas em caso de movimento sísmico.

Quanto ao temor de que a estação de bombeamento possa ter impacto nos corais do mar Vermelho, um estudo modelo encomendado pelo Banco Mundial recomenda que a retirada de água esteja localizada a uma profundidade inferior a 140 metros. "Quanto mais profundo o local de retirada, menos provável que tenha um impacto" negativo, diz o estudo. "Houve muitas reuniões, e os argumentos redundantes foram rechaçados pelo Banco. As organizações ambientalistas não querem o projeto de maneira alguma", ressaltou Shalom.

Antes de elaborar um informe final, o Banco Mundial realiza a última série de consultas em Israel, nos territórios palestinos e na Jordânia. Se o projeto tiver apoio do Banco, as negociações intergovernamentais decidirão como proceder. "Serão necessários fundos de nossos respectivos governos, do próprio Banco Mundial e do setor privado", disse Shalom. "Depois haverá a licitação, os contratos para elaboração do projeto, a aquisição e construção do canal. Isto se discutirá entre as partes", acrescentou.

O Banco Mundial prevê que o canal seja construído em seis anos e comece a operar em 2020, atingindo seu ponto ótimo em 2060. Envolverde/IPS

* Este é primeiro de dois artigos sobre questões ambientais e políticas da proposta de recuperar o Mar Morto canalizando água do Mar Vermelho. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. to Create National Plan on Responsible Business Practices
 Militarising the Ebola Crisis
 Iraq Looking for an ‘Independent’ Sunni Defense Minister
 Zero Nuclear Weapons: A Never-Ending Journey Ahead
 Championing Ocean Conservation Or Paying Lip Service to the Seas?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Vaca Muerta, la nueva frontera del desarrollo argentino
 EEUU desarrolla plan de prácticas empresariales responsables
 La próxima despensa global en la cuerda floja
 Conflictos privan a las mujeres de atención médica en India
 El camino sin fin hacia la erradicación de las armas nucleares
MÁS >>