África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ONU tenta dar um basta aos mercadores do ódio
Thalif Deen

Nações Unidas, 27/2/2013, (IPS) - Em meio a uma onda de intolerância racial e religiosa em todo o planeta, a Aliança de Civilizações das Nações Unidas (Unaoc) se reúne em Viena esta semana para fortalecer as relações culturais em um mundo que considera "alarmantemente fora de equilíbrio".


Crédito: Anurup Titu/IPS
Guardas de fronteira em Bangladesh impedem a entrada de refugiados rohingya.
Nesta era de interconexões e informação, "talvez não possamos deter cada mercador do ódio em cada parte do mundo, mas podemos construir pontes suficientemente fortes para resistir a essas forças", afirmou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon.

E a tarefa de construir essas pontes é uma das principais responsabilidades da Unaoc, que realiza seu V Fórum Mundial, destinado a "promover uma liderança responsável em diversidade e diálogo". Os últimos quatro fóruns foram realizados em Madri (2008), Istambul (2009), Rio de Janeiro (2010) e Doha (2011). O de Viena, que acontece hoje e amanhã, é o primeiro encabeçado pelo novo alto representante da Unaoc, Nassir Abdulaziz Al-Nasser, do Catar, ex-presidente da Assembleia Geral da ONU, e presidente do Conselho Diretor da agência de notícias IPS (Inter Press Service).

Consultado sobre a forma mais efetiva de remediar os crescentes problemas de xenofobia, antissemitismo e islamofobia, o diretor da Unaoc, Matthew Hodes, disse à IPS que a intolerância e a discriminação sempre são uma parte triste e inaceitável da experiência humana, e devem ser completamente erradicadas.

"O que a comunidade internacional pode fazer, o que os órgãos da ONU podem fazer e o que continuaremos fazendo é manter a luta contra esses flagelos", afirmou Hodes. Seja estabelecendo padrões por meio de instrumentos internacionais, denunciando abusos ou com esforços proativos de reconciliação, "todos temos um papel a desempenhar nessa luta", ressaltou.

Por outro lado, a propagação dos crimes de ódio também é atribuída à cobertura sensacionalista de grandes meios de comunicação internacionais. Quando a ONU comemorou o Dia Internacional da Paz, em setembro, as celebrações foram manchadas por notícias de uma onda de ódio no mundo islâmico, a contínua e sangrenta guerra civil na Síria, atentados suicidas no Afeganistão e Iraque e violentas manifestações em Bangladesh, Indonésia e Paquistão contra um vídeo acusado de ofender a imagem do profeta Maomé.

Em seu discurso, Ban Ki-moon alertou que o mundo enfrenta violência por culpa do fanatismo, mas também apontou a responsabilidade da mídia. No mundo de hoje - disse - os que mais levantam a voz são os que têm o microfone. "As câmeras de televisão focam a periferia. Os extremistas ganham facilmente publicidade com suas fogueiras de fanatismo", afirmou.

Por sua vez, Navi Pillay, alta comissariada das Nações Unidas para os Direitos Humanos, também expressou suas reservas sobre a forma como a imprensa cobre os fatos relacionados com intolerância religiosa, dizendo que a melhor forma de vencer esse fenômeno é ignorá-lo.

Perguntado se o sensacionalismo na imprensa é um fator que contribui para os crimes de ódio, Hodes disse à IPS que "as sociedades mais livres no mundo são aquelas cuja mídia não tem censura". Porém, destacou que os profissionais da mídia devem seguir certos padrões para garantir que seu trabalho aconteça de forma responsável.

Segundo Hodes, a imprensa tem um papel central nos esforços para melhor compreensão de temas delicados, como a intolerância religiosa, as migrações e a diversidade. Todos esses fatores podem contribuir para polarizar as comunidades. "A Unaoc tenta enfrentar este desafio convocando regularmente editores e proprietários de meios de comunicação, bem como especialistas, para estabelecer uma plataforma para o diálogo que derive em recomendações concretas", explicou. "E procuramos organizar uma reunião sobre religião e intolerância religiosa no próximo ano", ressaltou.

Indagado sobre a islamofobia, uma das formas mais propagadas de intolerância, Hodes afirmou: "Ao que parece, uma agenda de medo se arraigou em certas partes do mundo. Mas isso não pode justificar que se manche toda uma religião ou seus seguidores". "A islamofobia é um fenômeno real em certos lugares e deve ser enfrentada", pontuou.

Um documento de reflexão preparado pela Secretaria da Unaoc e pelo Ministério Federal da Áustria para Assuntos Europeus e Internacionais, que será discutido no fórum de Viena, se concentrará em como os líderes mundiais podem fazer uma diferença em três aspectos fundamentais.

O primeiro é a promoção, proteção e o pleno gozo do direito à liberdade religiosa em um contexto de pluralismo, que inclui não apenas uma diversidade maior, mas também a interação entre diversos grupos religiosos. Em segundo lugar, o pluralismo de meios de comunicação e a diversidade do conteúdo jornalístico, bem como sua contribuição para o debate público, a democracia e a consciência da diversidade de opiniões. E, por fim, a criação de um novo discurso sobre as migrações, a integração e a mobilidade na economia mundial. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Rousseff dos y el gran desafío: conjurar la “maldición” económica
 La pobreza infantil española desde los ojos de Encarni
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
MÁS >>