África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Ficção e realidade contra tráfico de mulheres no Brasil
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 11/3/2013 , (IPS) - A história costuma começar no interior do Brasil, com uma mulher jovem, bonita, pobre, de baixa escolaridade, seduzida por falsas promessas, e termina em uma rede de tráfico sexual com ramificações internacionais.


Crédito: Cortesia da SPM
A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, em seu gabinete.
Uma preocupante trama que o governo, a justiça, o parlamento e até uma telenovela começaram a desbaratar com resultados animadores.

O crime é tão complexo que existem poucos dados sistematizados. O Escritório das Nações Unidas Contra a Droga e o Crime (ONUDD) estima que no mundo existem pelo menos 2,5 milhões de pessoas vítimas do que a ONU define como escravidão dos tempos modernos. No Brasil, segundo a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) da Presidência da República, foram registradas pelo menos 475 vítimas de tráfico entre 2005 e 2011. Desse total, 337 sofreram exploração sexual e as demais foram submetidas a trabalho escravo.

"Em sua maioria, as mulheres são jovens, têm entre 18 e 20 anos, e estão em uma situação de vulnerabilidade: baixa renda, sem acesso à educação e com dificuldades para encontrar emprego", disse à IPS a ministra Eleonora Menicucci, titular da SPM. "Por isso aceitam o que, à primeira visa, são excelentes oportunidades de trabalho no exterior ou em outra parte do Brasil, acreditando que dessa forma melhorarão suas vidas e a de suas famílias", acrescentou a ministra sobre uma das formas de violência de gênero no dia 8, quando era comemorado o Dia Internacional da Mulher, cujo lema deste ano é "Uma promessa é uma promessa: acabemos com a violência contra a mulher".

A captação de vítimas ocorre em todo o Brasil, mas um diagnóstico preliminar da SPM e do ONUDD diz ser mais frequente nos Estados de Pernambuco, Bahia e Mato Grosso. São Paulo, cuja capital é a grande metrópole do país, se converteu no Estado para onde confluem mais vítimas de outros Estados e, também, no ponto de partida do tráfico para o exterior. Essas jovens "são obrigadas a se prostituir e daqui enviadas para outros países, como Espanha, Itália e Portugal", explicou à IPS a procuradora de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, Eloisa de Sousa Arruda.

Eloisa acredita que o tráfico a partir do Brasil tem origem na "existência de um fetiche em torno da mulher brasileira, e sua imagem como mulher sensual é vendida no estrangeiro". Os captadores estão em pequenas localidades do interior. A rota acaba, geralmente, em casas de prostituição no exterior. As máfias incluem brasileiros e estrangeiros. Eles percebem a vulnerabilidade da vítima e se aproximam "com propostas de trabalho muito melhores do que as que as do bairro ou cidades onde vivem", explicou a procuradora.

"Recebem propostas para trabalhar como camareiras ou em clubes. São informadas que terão a passagem paga e que os primeiros salários servirão para cancelar sua dívida e que depois receberão integralmente sua remuneração", detalhou Eleonora. O desenlace é sempre outro. No destino, a dívida e a dificuldade para pagá-la se multiplicam, e as vítimas se convertem em reféns "submetidas a situações degradantes de exploração sexual". As vítimas são constantemente vigiadas e muitas vezes mantidas em "cárcere privado", contou a ministra. "Mesmo quando há a possibilidade de denunciar, não o fazem por medo das ameaças que sofrem contra suas vidas ou de seus familiares", destacou.

Para Eleonora, que coordena em São Paulo o Núcleo de Combate ao Tráfico de Pessoas, criado em 2009, a "falta de orientação" está por trás do envolvimento com as redes de tráfico sexual. Por isso é fundamental difundir este crime e suas características, como apoio às autoridades em seu combate, ressaltou a procuradora. O instrumento oficial é a articulação de uma rede nacional e internacional que desembocou em fevereiro em um segundo Plano de Combate ao Tráfico de Pessoas. A meta é criar, até 2014, dez núcleos ou postos de atenção, que se somarão aos 13 já existentes dentro e fora do Brasil.

Além disso, serão capacitados mais de 400 agentes no combate ao crime e se fortalecerá a cooperação jurídica internacional com ajuda da ONUDD. Entre 2011 e 2012 foram formadas 716 pessoas de diversas áreas. Também foi criada uma linha telefônica internacional gratuita na Espanha, Itália e em Portugal, para receber denúncias sobre vítimas mantidas nesses países. Isto se soma à linha telefônica brasileira "180 - Central de Atenção à Mulher".

Por outro lado, a telenovela Salve Jorge, apresentada pela Rede Globo, contribui para aumentar o conhecimento e a denúncia de casos específicos. Baseada em um caso real, a novela descreve o drama de uma brasileira forçada a se prostituir em uma boate da Turquia. A autora, Glória Perez, já abordou temas sociais em outros trabalhos, como o desaparecimento de crianças. "Uma novela com audiência tão grande, transmitida em horário nobre e retransmitida no exterior, é importante para orientar em um assunto como esse. Serve para dizer: cuidado, que você ou sua filha podem ser alvo de um traficante. Não caia em promessas de dinheiro fácil", observou Eloisa.

Na novela são descritas situações reais, por exemplo, o medo de denunciar que as jovens têm devido à sua situação migratória irregular. "Também mostra detalhes como as dificuldades de comunicação que têm até em relação ao idioma, outro impedimento grave", enfatizou a procuradora. A ficção contribuiu para o resgate real, na Espanha, de uma jovem oriunda da Bahia. Sua mãe reconheceu na trama o caso de sua filha desaparecida há muito tempo sem dar notícias. As polícias dos dois países atuaram em conjunto para libertá-la do cativeiro e trazê-la de volta.

A Polícia Federal distribui folhetos em lugares como aeroportos para alertar sobre os riscos de aceitar ofertas de trabalho em outros países e sobre os lugares onde buscar ajuda, o que também contribui para a mobilização dos cidadãos. "O mais importante é dizer à sociedade que esses crimes estão muito mais perto do que se imagina, que não é coisa de telenovela", afirmou o deputado Arnaldo Jordy, presidente da Comissão Parlamentar de Investigação sobre Tráfico de Pessoas. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>