África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Para os tanzanianos algo se esconde no Lago Nyasa
Thembi Mutch

Arusha, Tanzânia, 13/3/2012, (IPS) - A comunidade tanzaniana que vive perto do Lago Nyasa não entende nada do conflito entre seu país e Malawi, nem o que está em jogo.


Crédito: Foto: platours flickr/CC-BY-2.0
As comunidades vizinhas ao Lago Nyasa, ou Malawi, não compreendem do que se trata a questão entre Tanzânia e Malawi.
Contudo, deseja que os esforços de mediação por sua soberania comecem logo. O tranquilo lago, de 29 mil quilômetros quadrados, é um centro turístico e fonte de renda e de alimentos para a população local.

Porém, em julho de 2012 foi descoberto que o lugar também pode ser uma fonte lucrativa de gás e petróleo, e isso reavivou uma disputa entre os países vizinhos pela propriedade do Nyasa. De Malawi, se reclama a total soberania sobre o que denominam Lago de Malawi, que se estende ao longo de sua fronteira com Moçambique e Tanzânia. Este último, por sua vez, afirma que 50% do lago está em seu território.

Na região de Mbeya, sudoeste da Tanzânia, os membros de uma comunidade ribeirinha lacustre trabalham para aprender seus direitos sobre o lago, apoiados pela organização não governamental Haki Ardhi, também conhecida como Instituto de Recursos e Investigação sobre os Direitos da Terra.

"Coincidimos que não estamos de acordo com Malawi sobre este ponto, mas estas comunidades dependem totalmente da pesca e do lago para sua sobrevivência", explicou à IPS o assistente de programa da organização, Saad Ayoub. "Não houve nenhuma consulta sobre quais benefícios teremos no caso de haver petróleo. O que ganharemos? A questão da terra é nova para nós, não temos experiência", acrescentou.

Em grande parte, os moradores locais concordam com ele. Richard Kilumbo, morador no distrito ribeirinho de Kyela, disse à IPS que não entende as razões da disputa. "Temos familiares em Mzuzu, no Malawi, e tivemos um casamento no ano passado. Estamos surpresos e com medo de ver que nos preparamos para uma guerra com nossos vizinhos", lamentou. "Não sabemos por que isto é tão importante para nossos líderes. Ouvimos o que as pessoas falam do assunto, pensávamos que éramos livres para andar e desfrutar da vida", observou.

Pode-se dizer que tudo começou em 1890, quando o tratado de Heligoland-Zanzibar dividiu o lago segundo as leis coloniais. O acordo foi emendado em 1982 pela Organização das Nações Unidas (ONU). Mas, em outubro de 2011, o então presidente do Malawi, Bingu wa Mutharika, falecido em abril do ano seguinte, concedeu um contrato à British Surestream Petroleum para começar a explorar gás e petróleo na parte oriental do lago. Em dezembro de 2012 foi dada nova licença, à South African Firm SacOil.

Por sua vez, a Tanzânia anunciou, em julho do ano passado, seu plano de adquirir uma balsa de US$ 9 milhões, com ajuda da Dinamarca, para cruzar o lago. Henry Phoya, ministro de Terras, Habitação e Desenvolvimento Urbano do Malawi, protestou dizendo que a Tanzânia não tem direito de operar no lago, enquanto não se resolver a disputa sobre sua propriedade. A representante tanzaniana da região de Mbeya, Hilda Ngoye, respondeu que barcos pesqueiros e de turismo do Malawi invadiam águas jurisdicionais da Tanzânia.

A situação piorou quando o primeiro-ministro tanzaniano, Samuel Sitta, alertou que seu país não duvidaria em responder a qualquer provocação militar. "Este lago deve ser usado para melhorar a terra e o sustento das populações locais dos dois lados da fronteira", disse à IPS o jornalista e especialista em diferendo, Felix Mwakyembe. "É um recurso, e, no entanto, é usado como parte do jogo político para promover carreiras pessoais", enfatizou Mwakyembe, que escreve regularmente para jornais em swahili e em seu próprio blog.

"Não há uma disputa fronteiriça entre as comunidades locais, mas entre dirigentes, é um assunto político nas altas esferas e com vistas às eleições de Malawi em 2014, e da Tanzânia em 2015", afirmou o jornalista. "Infelizmente, as comunidades locais são peões. Não têm acesso à informação nem instrução para compreender as implicações e a seriedade disto", destacou.

"Não há problema no terreno", disse Kilumbo, morador em Kyela. "Os pescadores tanzanianos continuam com sua vida como sempre e, embora a gente saiba o que está nos noticiários, não temos ideia do motivo. Não sei nada dos planos petroleiros. E nunca ouvi falar de uma avaliação de impacto ambiental, e, certamente, nunca vi uma", contou.

A população local parece não saber do que se trata a disputa, mas tampouco conhecem seus direitos que estão em jogo. A responsável de comunicação da organização HakiElimu (Seus Direitos), Nyanda Shuli, disse à IPS que a ênfase deve ser dada à responsabilidade financeira e transparência, e que o fluxo dos investimentos e de renda deve se dirigir para as comunidades.

"Por ora, as decisões são tomadas na capital, Dar es Salaam, e não há conexão, nem diálogo significativo algum com as regiões. É mais complicado porque as distâncias são enormes e as redes telefônicas e de transporte muito ruins", detalhou Shuli. Entre o que não se sabe e os desacordos, algo está claro: há minerais pouco comuns e valiosos em engenharia debaixo do lago, e possivelmente também gás natural e petróleo. No momento, Kilumbo acredita que o que existe é suficiente. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Chile apuesta a energía termosolar con primera planta regional
 Indígenas del Pacífico necesitan fondos para luchar contra VIH/sida
 Países del Sur se imponen al Norte en negociación de la OMC
 BRICS, una brecha en ordenamiento financiero de Occidente
 Buen futuro para los precios agrícolas pero no tanto para los pobres
MÁS >>