África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Estados Unidos abandonarão um Afeganistão quebradiço
Richard Sale

Washington, Estados Unidos, 18/3/2013, (IPS) - A retirada das forças norte-americanas do Afeganistão, que começou este ano e pela previsão deverá terminar em 2014, e a redução da ajuda deixarão o sistema político deste país da Ásia central sem legitimidade nem estabilidade, segundo especialistas, imprensa e diversos estudos.


Crédito: Giuliana Sgrena/IPS
A polícia afegã não está preparada para manter a segurança no país.
Apesar de receber dezenas de milhares de milhões de dólares de Washington, o governo afegão não conseguiu manter eficazmente projetos de desenvolvimento de infraestrutura, nem programas de capacitação e equipamento para a polícia e as forças de segurança, afirmam analistas.

Grande parte disto se deve à corrupção dos empreiteiros norte-americanos, aos frouxos controles de Washington e Cabul e à debilidade inata do governo de Hamid Karzai, acrescentam os analistas. "Como se pagará tudo isso?", pergunta Andrew Wilder, especialista afegão no Instituto para a Paz, dos Estados Unidos. "Esta é a questão crucial. Como se poderá pagar a polícia e os programas de infraestrutura quando os recursos fiscais diminuirão no próximo ano?", insistiu.

Para Vanda Felbab-Brown, especialista em Afeganistão na Brookings Institution, com sede em Washington, a ajuda norte-americana que inundou as províncias afegãs de Helmand e Kandahar, distorceu as economias locais e fez disparar a "competição pela pilhagem", em lugar de trazer desenvolvimento sustentável. Se os Estados Unidos fecharem a torneira, acontecerá uma "devastadora restrição econômica no país, que poderá desestabilizá-lo politicamente", alertou.

As notícias sobre casos de corrupção de empreiteiros privados agravaram a preocupação. Em mais de uma dezena de informes trimestrais enviados ao Congresso dos Estados Unidos, 40% dos US$ 56 bilhões destinados a projetos civis no Afeganistão não puderam ser justificados pelo escritório do Inspetor Geral Especial para a Reconstrução Afegã (Sigar). A corrupção tanto de empreiteiros afegãos como norte-americanos consome grande parte da ajuda ao Afeganistão, segundo estudos, funcionários e analistas.

Por outro lado, a polícia afegã não está preparada para enfrentar a responsabilidade de dar segurança. O contrato para treinar a polícia afegã custou aos contribuintes norte-americanos mais de US$ 9 bilhões, mas teve resultados mais do que decepcionantes, disse no Congresso a senadora Claire McCaskill, do governante Partido Democrata. No total, os Estados Unidos gastaram mais de US$ 29 bilhões nas forças de segurança afegãs, um terço desse valor com a polícia.

O problema mais agudo está no fato de o governo afegão carecer de estruturas adequadas para supervisionar a reconstrução. Uma auditoria do Sigar de 2011 indica que o Ministério de Assuntos do Interior do Afeganistão é incapaz de determinar exatamente o número de funcionários policiais e não pode garantir para onde foi o dinheiro destinado aos salários.

O informe indica ainda que há "empregados fantasmas", que simplesmente não vão trabalhar ou que recebem cheques sob diferentes nomes. A auditoria também aponta que há importantes dúvidas sobre a capacidade do governo para manter mais de 800 instalações destinadas ao exército e à polícia, que estão sendo construídas com US$ 11,4 bilhões doados pelos Estados Unidos.

Por exemplo, quando em 2012 inspetores visitaram uma instalação policial construída com US$ 7,3 milhões na província de Kunduz, e na qual deveriam ser abrigados 173 funcionários, foram encontradas apenas 12 pessoas. Outras instalações estavam fechadas, a polícia não tinha as chaves e ninguém sabia ao certo a destinação dos edifícios.

Em fevereiro, auditores do Sigar revelaram que a polícia afegã não tinha meios para manter os 30 mil veículos que os Estados Unidos doaram para essa força em oito províncias. O Sigar informou que US$ 63 milhões destinados a reparos de veículos policiais foram malversados entre abril de 2011 e setembro de 2012. Segundo notícias da imprensa confirmadas por entrevistas, policiais afegãos usavam veículos fornecidos pelos Estados Unidos para uso pessoal.

A auditoria encontrou deficiências nos inventários de peças de veículos e também descobriu que a Agência para a Administração de Contratos de Defesa nem sempre fez supervisões mensais às instalações, entre outras numerosas falhas. Enquanto isso, conforme a presença norte-americana diminui a segurança se deteriora. Uma das equipes de inspeção foi notificada de que uma localidade no norte do país estava além da "bolha" de segurança e que, portanto, "era inseguro visitá-la".

O inspetor-geral, John Sopko, disse em novembro no Stimson Center, uma organização de estudos de Washington, que a falta de segurança impediu que fossem examinadas 38 instalações, num total de US$ 72 milhões. "Estamos nos dando conta de que nem sempre podemos ter a proteção que precisamos para realizar nosso trabalho", afirmou, ainda que Cabul se encontre dentro da "bolha". E acrescentou que "sem uma adequada segurança a reconstrução será suspensa ou continuará sem a supervisão necessária". Por outro lado, milhares de milhões de dólares terminaram em contas de políticos afegãos que viajaram ao exterior e nunca regressaram, dissera à IPS ex-funcionários de inteligência norte-americanos. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>