África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Diplomacia petroleira da Venezuela pode desamparar países dependentes
Mario Osava

Rio de Janeiro, Brasil, 19/3/2012, (IPS) - A crise econômica da Venezuela, mais do que a incertezas sobre sua sucessão presidencial, ameaça a diplomacia do petróleo utilizada pelo falecido mandatário Hugo Chávez, colocando em risco o bem- estar de diferentes povos. Cuba é o caso mais evidente. O petróleo que Caracas lhe envia cobre metade de seu consumo de combustíveis, uma conta que colocou a Venezuela em primeiro lugar entre os sócios comerciais dessa ilha do Caribe.


Crédito: Jorge Luis Baños/IPS
A refinaria cubana de Cienfuegos, reativada com fundos venezuelanos para convertê-la em petroquímica.
O comércio exterior cubano aumentou mais de quatro vezes entre 2005 e 2011, chegando a US$ 8,325 bilhões neste último. E a participação venezuelana saltou de 23%, em 2006, para 42% em 2011, segundo artigo publicado na internet pelo economista cubano Carmelo Mesa, residente nos Estados Unidos. Essa dependência ativa o temor de que se reiterem as brutais carências de bens essenciais que Cuba sofreu, incluindo prolongados apagões, no "período especial" da década de 1990, após o colapso da União Soviética em 1991.

No entanto, o economista cubano Pável Vidal, professor da Pontifícia Universidade Javeriana de Cali, na Colômbia, lida com outros dados. "A Venezuela representa hoje cerca de 20% do intercâmbio total de bens e serviços de Cuba, enquanto com a União Soviética a dependência chegava a 30%", disse à IPS por correio eletrônico. Dessa forma, o risco atual é menor, mas ainda assim "uma redução, ainda que gradual, dos vínculos com a Venezuela provocaria uma recessão", destacou.

Seu modelo econométrico aponta, simulando cenários, uma contração de até 10% do produto interno bruto, em uma recessão de dois ou três anos, devida a uma redução na entrada de divisas, depressão dos investimentos, restrições financeiras externas e importações mais caras, sem facilidades de pagamento da conta do petróleo. Tal crise exigiria um ajuste "complexo e doloroso".

A dependência tecnológica não é tão grande como com a União Soviética, o comércio externo cubano se diversificou e Cuba agora conta com turismo, antes quase inexistente, e novos instrumentos para o manejo macroeconômico. Mas o país perdeu algumas condições para aguentar uma sacudida. "Os assalariados e pensionistas estatais sofreram e pagaram o ajuste diante da crise" nos anos 1990, mas não podem fazê-lo hoje, pois seu poder aquisitivo "é apenas 27% do existente em 1989", alertou Vidal.

Além disso, o Estado, pressionado por "uma elevada dívida externa", reduziu seu orçamento da área social e isso se reflete na deterioração dos serviços de saúde e educação. Neste quadro, é difícil identificar "quem poderia pagar o custo de uma nova crise", concluiu o economista. Porém, o pesquisador Carlos Alzugaray acredita que as relações econômicas bilaterais continuar firmes, porque "foram institucionalizadas, com benefícios para as duas partes", e a oposição venezuelana não seria "tão irresponsável" a ponto de destruí-las, diante de um improvável triunfo nas eleições presidenciais de 14 de abril, afirmou.

Em contrapartida ao petróleo, mais de 50 mil cubanos trabalham na Venezuela. Apenas a exportação de serviços médicos, com cerca de 30 mil profissionais, rende US$ 1,2 bilhão ao ano. Um súbito regresso de tanta gente a Cuba é outro risco, no momento, de pura especulação. Analistas cubanos avaliam que mais seis anos de governo chavista seriam vitais para que Cuba buscasse novos fornecedores de petróleo dispostos a acordos semelhantes ao venezuelano, como Angola e Argélia, avançasse na produção própria de hidrocarbonos e ampliasse reformas já iniciadas.

Na Nicarágua, outro país beneficiado pelo petróleo venezuelano, não são esperadas mudanças drásticas após a morte de Chávez, vítima de câncer, no dia 5. O fornecimento, que desde 2007 equivale a US$ 500 milhões por ano, permitiu a esse país centro-americano estabilizar sua economia e sanear velhos déficits financeiros, segundo o economista independente Adolfo Acevedo. Essa fortaleza, alcançada também pelo cumprimento das recomendações de organismos financeiros internacionais, permitiria suportar bem qualquer mudança em Caracas, declarou à IPS.

A cooperação - que representou aportes venezuelanos de US$ 2,56 bilhões entre 2007 e junho de 2012, segundo o Banco Central nicaraguense - não seria afetada, pois se baseia em acordos anteriores à chegada de Chávez ao poder, em 1999, concordaram Baiardo Arce, assessor econômico da Presidência da Nicarágua, e o embaixador venezuelano em Manágua, José Arrúe.

O Acordo de San José, que estabeleceu o fornecimento brando de petróleo do México e da Venezuela para apoiar o desenvolvimento de países centro-americanos e caribenhos, foi assinado em 1980, recordou Arrúe. Entretanto, Chávez ampliou drasticamente essa cooperação com a criação da Petrocaribe em 2005. Na Nicarágua também se duvida de que avance o financiamento de uma refinaria, em mais de US$ 5,6 bilhões, se não for mediante uma renegociação com as novas autoridades venezuelanas.

Quanto ao Brasil, que não depende do petróleo venezuelano, a crise do país vizinho afeta as exportações, que aumentaram seis vezes nos últimos dez anos, e os investimentos de empresas transnacionais. O comércio com a Venezuela representa 1,3% do que o Brasil comercializa com o mundo, mas é importante devido ao seu rápido crescimento e pelo superávit, que foi de US$ 4,059 bilhões no ano passado, superado apenas pelo obtido pela China, lembrou Rubens Barbosa, embaixador brasileiro aposentado e atual presidente do Conselho de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A crise venezuelana pode afetar interesses brasileiros, porque "algumas medidas terão de ser adotadas" por Caracas diante da elevada inflação e pelo déficit público, incluindo iniciativas impopulares, como elevação de impostos e do preço da gasolina, afirmou Barbosa à IPS, descartando um colapso econômico enquanto forem mantidos altos preços para o petróleo.

Barbosa estima em US$ 20 bilhões o valor dos projetos executados por construtoras brasileiras na Venezuela e em US$ 7 bilhões anuais a quantia do petróleo subsidiado e da assistência financeira que Caracas presta a Cuba. Os interesses econômicos são um dos fatores que aproximam o Brasil da Venezuela, acima de qualquer adversidade política, além da proximidade, da Amazônia compartilhada e do destaque na integração regional, afirmou outro embaixador aposentado, Marcos Azambuja.

Com Nicolás Maduro, virtual sucessor de Chávez, deverá ocorrer um governo "mais racional", sem danos para o Brasil. "A economia venezuelana é um subproduto do petróleo" e Caracas poderá "continuar cometendo imprudências" sem afundar enquanto o barril de petróleo custar mais de US$ 100, opinou Azambuja. Porém, o Brasil já sofre perdas por essas "imprudências". A refinaria Abreu e Lima, em construção no Estado de Pernambuco, tem atraso de três anos, pelo menos, e custos oito vezes maiores do que o orçamento original.

Parte desses problemas se devem a um acordo não cumprido pela estatal Petróleos da Venezuela, que deveria responder por 40% dos investimentos. A crise sepultou essa associação e "para a Petrobras é melhor assim", afirmou Adriano Pires, economista especializado em energia e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura. O atraso na construção, que deverá estar terminada em 2016, tem outros custos para o Brasil, que deve importar grande quantidade de gasolina e diesel a altos preços, mesmo produzindo petróleo que exporta a preços inferiores. Envolverde/IPS

* Com as colaborações de Patricia Grogg (Havana) e José Adan Silva (Manágua). (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: Violations of International Law Degenerate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
 Despite Current Debate, Police Militarisation Goes Beyond U.S. Borders
 Does Iceland Gain From Whaling?
 Protecting America’s Underwater Serengeti
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ilegales bombas de barril arrasan lo que queda de Alepo
 Caribe insular esperanzado con cumbre climática de Samoa
 La militarización policial de EEUU tiene tentáculos en América Latina
 Estadounidenses apoyan a Obama en intervención militar en Iraq
 Â¿Quién recuenta los votos en Afganistán?
MÁS >>