África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Tabagismo no centro
Fabíola Ortiz*

Rio de Janeiro, Brasil, 1º de abril de 2013, (IPS) - (Terramérica).- O Brasil, que em menos de três décadas reduziu o tabagismo de 40% para 15% de sua população, inaugura um centro de pesquisa que terá projeção mundial.


Crédito: Ida Santos/IPS
Os maços de cigarro devem destinar um espaço importante para a informação sobre saúde e tabaco.
O Brasil deu mais um passo em matéria de prevenção do hábito de fumar com a criação do Centro de Estudos Sobre Tabaco e Saúde (Cetab). Na realidade, se pretende ir mais além. O Cetab - criado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz, estatal), como parte da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - estará dedicado a pesquisar os outros três fatores de risco das doenças crônicas não transmissíveis, além do tabagismo: álcool, sedentarismo e maus hábitos alimentares.

Em 2011, o Brasil aprovou o Plano de Ações Estratégicas para Enfrentar Enfermidades Não Transmissíveis, como câncer, diabete e doenças cardiovasculares e respiratórias. "Vamos focar nelas e fazer pesquisas sobre os fatores de risco. O cigarro aparece como um grande vilão. Seu consumo não acarreta nenhum benefício, não existe um consumo razoável de cigarros que seja inócuo, só causa males", disse ao Terramérica a coordenadora do recém-criado Cetab, Vera da Costa e Silva.

O Ministério da Saúde destinará US$ 6,2 milhões ao plano apresentado em 2011, que prevê ações até 2022. Entre outros fins, se propõe a reduzir em 2% ao ano a mortalidade prematura de pessoas de até 70 anos por estas causas, para chegar a 2022 com 196 mortes para cada cem mil habitantes. Em 2011, essa relação era de 225 para cada cem mil.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo a principal causa de morte evitável em todo o mundo, e estima que um terço da população mundial maior de 15 anos fuma (um em cada três adultos). A presença de mais de 4.700 substâncias nocivas na fumaça dos derivados do tabaco faz com que este vício cause cerca de 50 enfermidades.

No Brasil, o câncer de pulmão é o tipo de tumor mais letal e também uma das principais causas de morte. Na medida em que se conseguir diminuir a exposição a esses fatores será possível também reduzir estas doenças, destacou a coordenadora do Cetab. O novo centro de estudos busca trabalhar na capacitação, pesquisa e cooperação técnica, dentro e fora do Brasil.

"Queremos trabalhar com informação, educação, regulamentação e políticas públicas para a prevenção. Vamos proporcionar aos profissionais da saúde da rede pública capacitação e tratamento dos fatores de risco. Os cursos poderão ser feitos à distância", explicou Vera. No campo da cooperação internacional o olhar está voltado a atender os países da América Latina e os africanos de língua portuguesa, o que implicará levar profissionais brasileiros aos escritórios que a Fiocruz mantém no exterior, por exemplo, em Moçambique, e, por outro lado, atrair especialistas desses lugares para o Brasil.

O Cetab pretende também apoiar a OMS e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPS). "Já tivemos bons retornos com eles como sócios internacionais, e vislumbramos possibilidades", apontou a coordenadora. O Cetab começa com uma equipe de nove pesquisadores de áreas como economia, engenharia, farmacêutica, medicina e biologia. O tabagismo é uma epidemia e o maior fator de risco conhecido, afirmou o presidente da Academia Nacional de Medicina, Marcos Moraes.

No final da década de 1980, quase 40% da população brasileira era de fumantes. Em 25 anos, essa proporção caiu para cerca de 15%. O Brasil tem atualmente mais de 192 milhões de habitantes. "Graças às medidas de controle, conseguimos chegar a esses resultados. A indústria do tabaco sempre está muito ativa, apesar de ter consciência de que vende uma doença, e nós buscamos que o país controle sua saúde e não permita a venda de produtos prejudiciais", disse Marcos ao Terramérica.

Marcos apontou que se nota uma queda acentuada de fumantes entre a juventude de classe média, mas há "um avanço lento, porém contínuo" de jovens fumantes procedentes de classes mais pobres. "Um dos pontos mais importantes no controle do tabagismo é aumentar o preço do cigarro. O Brasil conseguiu, no ano passado, gravá-lo de modo substancial, e, no entanto, é um dos mais baratos do mundo. Onde há pobreza há tabagismo", enfatizou Marcos.

E acrescentou que, segundo a OMS, para cada dólar arrecadado por estes impostos, são gastos US$ 4,5 em cuidados sanitários de doenças relacionadas com o tabaco. O Brasil destina US$ 10 bilhões de seus gastos em saúde pública para tratar problemas causados pelo cigarro, enquanto arrecada US$ 3 bilhões em impostos da indústria do setor, ressaltou Moraes. Os dados sobre a evolução da quantidade de fumantes no Brasil servem para medir a eficácia da política de prevenção, mas "essa política sempre está ameaçada", alertou.

Apesar de ser reconhecido como um exemplo no mundo, o Brasil não pode "soltar foguetes, pois é uma luta eterna", advertiu Marcos. A criação de um centro de estudos será uma ferramenta a mais para contribuir com a rede de instituições que já atua nesta área. Frequentemente, o Brasil é solicitado a fornecer cooperação internacional e trocar experiências sobre o cumprimento do Convênio Marco da OMS para Controle do Tabaco, que orienta os países a adotarem determinadas medidas para controlar o hábito de fumar. Envolverde/Terramérica

* A autora é correspondente da IPS. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
 As Winds of Change Blow, South America Builds Its House with BRICS
 U.S. Accused of Forcing EU to Accept Tar Sands Oil
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 México último y EEUU entre los peores en eficiencia energética
 Gaza bajo fuego: un desastre humanitario
 Malnutrición golpea a niñas y niños sirios en Líbano
 Japón mantiene su compromiso con la Constitución de la Paz
 La ONU no intenta siquiera una resolución contra masacre en Gaza
MÁS >>