África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Tabagismo no centro
Fabíola Ortiz*

Rio de Janeiro, Brasil, 1º de abril de 2013, (IPS) - (Terramérica).- O Brasil, que em menos de três décadas reduziu o tabagismo de 40% para 15% de sua população, inaugura um centro de pesquisa que terá projeção mundial.


Crédito: Ida Santos/IPS
Os maços de cigarro devem destinar um espaço importante para a informação sobre saúde e tabaco.
O Brasil deu mais um passo em matéria de prevenção do hábito de fumar com a criação do Centro de Estudos Sobre Tabaco e Saúde (Cetab). Na realidade, se pretende ir mais além. O Cetab - criado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz, estatal), como parte da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - estará dedicado a pesquisar os outros três fatores de risco das doenças crônicas não transmissíveis, além do tabagismo: álcool, sedentarismo e maus hábitos alimentares.

Em 2011, o Brasil aprovou o Plano de Ações Estratégicas para Enfrentar Enfermidades Não Transmissíveis, como câncer, diabete e doenças cardiovasculares e respiratórias. "Vamos focar nelas e fazer pesquisas sobre os fatores de risco. O cigarro aparece como um grande vilão. Seu consumo não acarreta nenhum benefício, não existe um consumo razoável de cigarros que seja inócuo, só causa males", disse ao Terramérica a coordenadora do recém-criado Cetab, Vera da Costa e Silva.

O Ministério da Saúde destinará US$ 6,2 milhões ao plano apresentado em 2011, que prevê ações até 2022. Entre outros fins, se propõe a reduzir em 2% ao ano a mortalidade prematura de pessoas de até 70 anos por estas causas, para chegar a 2022 com 196 mortes para cada cem mil habitantes. Em 2011, essa relação era de 225 para cada cem mil.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo a principal causa de morte evitável em todo o mundo, e estima que um terço da população mundial maior de 15 anos fuma (um em cada três adultos). A presença de mais de 4.700 substâncias nocivas na fumaça dos derivados do tabaco faz com que este vício cause cerca de 50 enfermidades.

No Brasil, o câncer de pulmão é o tipo de tumor mais letal e também uma das principais causas de morte. Na medida em que se conseguir diminuir a exposição a esses fatores será possível também reduzir estas doenças, destacou a coordenadora do Cetab. O novo centro de estudos busca trabalhar na capacitação, pesquisa e cooperação técnica, dentro e fora do Brasil.

"Queremos trabalhar com informação, educação, regulamentação e políticas públicas para a prevenção. Vamos proporcionar aos profissionais da saúde da rede pública capacitação e tratamento dos fatores de risco. Os cursos poderão ser feitos à distância", explicou Vera. No campo da cooperação internacional o olhar está voltado a atender os países da América Latina e os africanos de língua portuguesa, o que implicará levar profissionais brasileiros aos escritórios que a Fiocruz mantém no exterior, por exemplo, em Moçambique, e, por outro lado, atrair especialistas desses lugares para o Brasil.

O Cetab pretende também apoiar a OMS e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPS). "Já tivemos bons retornos com eles como sócios internacionais, e vislumbramos possibilidades", apontou a coordenadora. O Cetab começa com uma equipe de nove pesquisadores de áreas como economia, engenharia, farmacêutica, medicina e biologia. O tabagismo é uma epidemia e o maior fator de risco conhecido, afirmou o presidente da Academia Nacional de Medicina, Marcos Moraes.

No final da década de 1980, quase 40% da população brasileira era de fumantes. Em 25 anos, essa proporção caiu para cerca de 15%. O Brasil tem atualmente mais de 192 milhões de habitantes. "Graças às medidas de controle, conseguimos chegar a esses resultados. A indústria do tabaco sempre está muito ativa, apesar de ter consciência de que vende uma doença, e nós buscamos que o país controle sua saúde e não permita a venda de produtos prejudiciais", disse Marcos ao Terramérica.

Marcos apontou que se nota uma queda acentuada de fumantes entre a juventude de classe média, mas há "um avanço lento, porém contínuo" de jovens fumantes procedentes de classes mais pobres. "Um dos pontos mais importantes no controle do tabagismo é aumentar o preço do cigarro. O Brasil conseguiu, no ano passado, gravá-lo de modo substancial, e, no entanto, é um dos mais baratos do mundo. Onde há pobreza há tabagismo", enfatizou Marcos.

E acrescentou que, segundo a OMS, para cada dólar arrecadado por estes impostos, são gastos US$ 4,5 em cuidados sanitários de doenças relacionadas com o tabaco. O Brasil destina US$ 10 bilhões de seus gastos em saúde pública para tratar problemas causados pelo cigarro, enquanto arrecada US$ 3 bilhões em impostos da indústria do setor, ressaltou Moraes. Os dados sobre a evolução da quantidade de fumantes no Brasil servem para medir a eficácia da política de prevenção, mas "essa política sempre está ameaçada", alertou.

Apesar de ser reconhecido como um exemplo no mundo, o Brasil não pode "soltar foguetes, pois é uma luta eterna", advertiu Marcos. A criação de um centro de estudos será uma ferramenta a mais para contribuir com a rede de instituições que já atua nesta área. Frequentemente, o Brasil é solicitado a fornecer cooperação internacional e trocar experiências sobre o cumprimento do Convênio Marco da OMS para Controle do Tabaco, que orienta os países a adotarem determinadas medidas para controlar o hábito de fumar. Envolverde/Terramérica

* A autora é correspondente da IPS. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
 Seguridad alimentaria convive mal con cambio climático en África
 Extinción de especies repercute en la vida diaria
 Coctel de violencia política, pobreza y narco emerge en México
MÁS >>