África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Obesidade e fome, dois lados do mesmo problema
Joan Erakit

Nações Unidas, 11/4/2013, (IPS) - A organização Food Tank acredita que as soluções alimentares são encontradas mais rapidamente quando as comunidades têm informação básica sobre as melhores práticas para abordar os problemas agrícolas, ambientais e sociais.


Crédito: Cortesia da entrevistada
Danielle Nierenberg.
Cerca de 40 milhões de meninos e meninas menores de cinco anos no mundo tinham peso insuficiente em 2010, e, desde 1980, a prevalência mundial da obesidade duplicou, segundo a revista médica britânica The Lancet.

Danielle Nierenberg e Ellen Gustafson, cofundadoras da organização Food Tank, veem profundos problemas sistêmicos em nosso sistema alimentar, que vão além da simples escassez ou da excessiva indulgência. A IPS conversou com Danielle Nierenberg.

IPS: A Food Tank apresenta uma desigualdade que nossa geração enfrenta atualmente: alguns não têm alimento suficiente, outros comem demais. O que está ocorrendo?

DANIELLE NIERENBERG: É irônico. Produzimos mais alimentos do que nunca, mas o mundo ainda tem quase um bilhão de pessoas que a cada noite vão dormir com fome. Por outro lado, há 1,5 bilhão que tem sobrepeso ou é obeso. Estes poderiam parecer problemas opostos, mas são parte da mesma questão: um sistema alimentar que não nutre as pessoas. Estamos usando as calorias e os rendimentos como nossas únicas medidas. A maior parte das pesquisas e dos investimentos em agricultura se centram em cultivos alimentares à base de amidos, em lugar daqueles que são densos em nutrientes ou que protegem os fornecimentos hídricos, ou potencializam o solo, ou promovem a igualdade de gênero, ou empoderam os jovens.

IPS: Você vê que as nações africanas estão abraçando soluções sustentáveis para combater a fome? Há maneiras para as comunidades locais começarem a implantar soluções em menor escala?

DN: Os agricultores africanos também são empresários e empresárias, empreendedores e administradores da terra que merecem ser reconhecidos pelos serviços do ecossistema que proporcionam e que oferecem benefícios generalizados. Os agricultores e as comunidades africanas estão implantando soluções, entre elas a colheita de água de chuva, irrigação por gotejamento impulsionada pela energia solar, semeaduras que previnem perdas posteriores à colheita, semeadura de produtos autóctones, etc. Tudo isto está ajudando a melhorar a nutrição, aumentar a renda e proteger o meio ambiente. Porém, são necessários mais investimentos e mais pesquisas. Os governos africanos precisam começar a investir nos agricultores. Desde a década de 1980 a cota agrícola da assistência mundial ao desenvolvimento caiu de aproximadamente 16% para magros 4%. E apenas um punhado de nações africanas destinam 10% de seus orçamentos nacionais à agricultura como parte do Programa Geral para o Desenvolvimento da Agricultura na África.

IPS: Como sugere chegar às mulheres em matéria de assuntos alimentares mundiais?

DN: As mulheres constituem 80% da força de trabalho agrícola na África subsaariana, mas não têm o mesmo acesso ao crédito, à terra e aos serviços de extensão que os homens. Em lugares como Zâmbia, por exemplo, grupos de teatro ambulante usam suas obras para mostrar às comunidades o importante papel das mulheres na agricultura.

IPS: O que pode nos dizer sobre o meio ambiente e sua relação com os problemas alimentares mundiais?

DN: A escassez hídrica aumenta, a fertilidade do solo diminui e a mudança climática é a provável culpada por mais eventos meteorológicos extremos, como a devastadora seca que no ano passado açoitou os Estados Unidos, e as desastrosas inundações que em 2010 mataram ou deslocaram milhões de agricultores no Paquistão, ou, ainda, a seca que atualmente se registra no Sahel. A produção de alimentos depende de existirem padrões de chuvas previsíveis, solos ricos em nutrientes e um clima também previsível. Embora a agricultura contribua com 30% de todo os gases-estufa, também é o esforço humano mais dependente de um clima estável. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
 As Winds of Change Blow, South America Builds Its House with BRICS
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Inédita preocupación por matrimonio infantil y mutilación genital
 Alianza petrolera de China y Costa Rica vuelve a la vida
 Petróleo abre la puerta de comunidad lusófona a Guinea Ecuatorial
 Desastres naturales arrasarán con los beneficios del desarrollo
 Un tugurio dentro de otro se desarrolla en Kenia
MÁS >>