África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Sara Montiel e Margaret Thatcher
Miami, Estados Unidos

* Joaquín Roy , abril/2013, (IPS) - Sua morte no mesmo dia é mera coincidência, mas simbólica e representativa.

Sarita e Maggie revelam o cenário de seus respectivos países, velhas nações europeias e antigos impérios que resistiram a se desvanecer, aferrados a alguns traços de identidade que somente as duas damas desaparecidas (e seus numerosos admiradores) compreendiam.

Mas a Espanha de "la violetera" e a Grã-Bretanha da "dama de ferro", que ambas teimosamente tentaram manter inalteradas, foram (e são) antiéticas e de diversa sorte.

A beleza em tecnicolor que a cantora natural da Mancha transmitiu com sua voz inconfundível contrasta com a face séria e distante da ex-primeira-ministra britânica (1925-2013). Mas nas duas se nota traços intra-históricos ainda perceptíveis.

A Espanha, que era o contexto da época gloriosa de Sara Montiel (1928-2013), embora resita a desaparecer, parece ter sido superada pelo desenvolvimento, pela industrialização e depois pela bolha imobiliária que levou à crise e ao desprestígio.

O país que as canções maquiavam era então um cenário mais próximo, por mais imaginado que fosse. O lançamento hollywoodiano, que a levou a alternar com Gray Cooper e Burt Lancaster, era o triunfo que apagava o desencanto de "Bem-vindo Mr. Marshall", em um Estado ditatorial sustentado por Washington.

Mas os espectadores arrebatados por seus filmes aceitavam de bom grado as melodias que os convidavam a contemplar uma paisagem pobre, sem alternativas a não ser o silêncio, a resignação ou a emigração.

A Grã-Bretanha, na qual se lançou com fúria Margaret Thatcher (1979-1990), era vista por seus círculos conservadores como uma traição aos valores eternos da Inglaterra imperial, que deixara paulatinamente que em muitos de seus antigos territórios coloniais o Sol se pusesse.

Tratava-se ainda de paliar esse lento desmoronamento com a admirável ficção jurídica da Comunidade de Nações, que em seu ponto alto se colocava a monarca ainda atual.

Eram os tempos felizes em que os escândalos da casa de Windsor ficavam reduzidos à memória de Eduardo VIII, que renunciou insolitamente ao trono em 1936 "pelo amor de uma mulher" (com ar de bolero). Depois viriam as aventuras de Charles e a tragédia de Diana.

Os tempos de Sara, lidos hoje, sobretudo com uma perspectiva reacionária, são lembrados com nostalgia. Nada se sabia (ou não se publicava devido a uma imprensa amordaçada) da corrupção barata e de pouca monta que dominava a sobrevivência em um país que apenas se recuperara da cruel Guerra Civil (1936-1939) e do isolamento após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Sarita vendia violetas enquanto presos republicanos terminavam a construção do Vale dos Caídos. A Sexta Frota chegava aos portos mediterrâneos, enquanto Rota e Torrejón eram objetivos estratégicos dos soviéticos na Guerra Fria, convertendo a Espanha em um membro forçado da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), sem voz nem voto, com todas as desvantagens e nenhuma das vantagens. O franquismo recebia uma prorrogação de duas décadas.

Thatcher surgiu em meio a um país que havia adotado numerosos adereços do Estado de bem-estar, com o qual ainda tentava corrigir os históricos desequilíbrios sociais que haviam se entronizado desde a Revolução Industrial. A evidente divisão de classes era suavizada por serviços de saúde, pensões, educação, que foram a marca dos governos trabalhistas.

Ela se propôs desmantelar esse emaranhado contrário ao laissez faire com o (velho) liberalismo que havia desempoeirado do outro lado do Atlântico o sócio idôneo para dançar o tango da expressão anglo-americana: Ronald Reagan.

A Espanha de Sarita, uma vez desaparecido o franquismo, se apressou em recuperar o tempo perdido e apostou em sua reinserção no outro lado dos Pirineus. José Ortega e Gasset haviam dito que "a Espanha era o problema e a Europa a solução".

Desde 1986, ano de ingresso na comunidade europeia, até meados da década de 1990, a Espanha se converteu na décima potência econômica do mundo e maior doadora de ajuda para o desenvolvimento na América Latina. Nunca tantos espanhóis de três gerações que viviam nesses anos tinham vivido melhor durante tanto tempo.

Thatcher havia absorvido em seu momento a entrada da Grã-Bretanha na então ainda chamada Comunidade Econômica Europeia, centrada no Mercado Comum. Vindo em seguida ao seu correligionário Edward Heath, se propôs deter a europeização além do mercado único, enterrando todo sinal de supranacionalidade, um roteiro herdado por David Cameron.

O que há apenas poucos anos era uma distante hipótese acadêmica, o "brexit", a saída da União Europeia, agora é parte do plausível roteiro.

Hoje, a Espanha de Sarita ressuscitou com o colapso imobiliário, o desemprego generalizado, a emigração e as dúvidas sobre seu sistema político. A Grã-Bretanha imperial recebeu uma dose de vitaminas com a decisão de Maggie de contra-atacar nas Ilhas Malvinas.

Curiosamente odiada em Buenos Aires, merece um monumento diante da Torre dos Ingleses, ao lado do memorial dos caídos. Sua decisão representou o golpe de graça à decrépita ditadura do general Leopoldo Galtieri.

Entre regulamentações e protestos de indignados, aos espanhóis não resta outra coisa que não seja o consolo de um "fumando espero pelo homem que quero". Nem socialistas nem conservadores são aceitáveis.

David Cameron se move como um Hamlet entre o ser ou não ser na Europa. Maggie teria feito de outra forma. Sarita é apenas uma memória da falácia de que qualquer tempo passado foi melhor. Aos fumantes não resta nem o consolo de fumar, expulsos dos locais públicos. Envolverde/IPS

* Joaquín Roy é catedrático Jean Monnet e diretor do Centro da União Europeia da Universidade de Miami (jroy@Miami.edu). (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Miles de cristianos iraquíes, perseguidos por EI, huyen a Jordania
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
MÁS >>