África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Greve de fome recoloca Guantânamo sob os holofotes
Joe Hitchon

Washington, Estados Unidos, 18/4/2013, (IPS) - O debate público sobre a prisão que os Estados Unidos mantêm na baía de Guantânamo, em Cuba, se avivou esta semana, após a publicação de um denso artigo redigido por um prisioneiro, um dos muitos que há meses estão em greve de fome protestando por sua "detenção indefinida".


Crédito: Shane T. McCoy, U.S. Navy/domínio público
Obama não cumpriu sua promessa de fechar Guantânamo.
A matéria foi publicada no dia 15, poucos dias depois que Navi Pillay, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, afirmou que a detenção indefinida dos presos em Guantânamo viola o direito internacional e pediu o fechamento da prisão.

"Estou em greve de fome desde 10 de fevereiro e perdi bem mais de 13 quilos. Não voltarei a comer enquanto não devolverem minha dignidade", afirma Samir Najir al Hasan Moqbel, um iemenita detido há 11 anos em Guantânamo, no artigo publicado pelo The New York Times. "Não quero morrer aqui, mas até o presidente Obama e o presidente do Iêmen (Abd Rabbuh Mansur al-Hadi) fazerem alguma coisa, corro diariamente esse risco", acrescenta. Moqbel é um dos 43 detentos de Guantânamo em greve de fome.

O artigo, que atraiu a atenção pública, não é interpretado como uma declaração de inocência, mas como testemunho do desespero que consome os prisioneiros por sua detenção indefinida. A matéria também tem o objetivo de pressionar Obama para que feche Guantânamo, uma promessa que data de 2009, quando iniciou seu primeiro mandato. Chovem críticas ao presidente porque a existência da prisão já superou as duas guerras herdadas do governo anterior, de George W. Bush (2001-2009).

"Obama incluiu em sua plataforma eleitoral o fechamento de Guantânamo e o compromisso de que os Estados Unidos respeitariam as leis internacionais de direitos humanos, mas nada disso aconteceu", disse à IPS a especialista Susan Hu, do Centro para os Direitos Constitucionais, que representa alguns dos prisioneiros. Segundo Hu, "de fato assinou um decreto em 2009 que promete fechar a prisão, mas não fez absolutamente nada a respeito. Apesar de ter o poder de transferir os presos de Guantânamo, há dois anos não o faz e os traslados pararam. Os homens pensam que é onde ficarão por toda a vida".

Hu contou que seus clientes lhe disseram reiteradamente que estão caindo no desespero e chegaram a um ponto em que se negar a ingerir alimentos é a única forma de poder expressar seu desalento. Ela também foi taxativa sobre a responsabilidade agora ser do presidente Obama. "Creio que existe um mal-entendido quanto ao Congresso ser o obstáculo para a libertação dos presos de Guantânamo, quando, na verdade, é o presidente Obama que deve ser responsabilizado por não fazer uso de seus poderes", ressaltou.

De acordo com a especialista, "a maioria das pessoas, que atualmente estão em Guantânamo, tem autorização para ser libertada, e há seis meses está nessa situação", explicou Hu. "Creio que a única razão pela qual esses homens não foram libertados é porque o presidente Obama não está disposto a arriscar seu capital político por fechar Guantânamo", ressaltou.

As críticas ficaram relativamente contidas durante seu primeiro mandato, mas a situação se agravou depois que Obama promulgou, em janeiro, uma lei que, segundo seus críticos, só faz abandonar sua promessa de fechar a polêmica prisão. A Lei de Autorização de Defesa Nacional proíbe o traslado dos presos na baía de Guantânamo para os Estados Unidos por qualquer motivo, inclusive para serem processados por um tribunal federal. Também exige do secretário de Defesa rigorosos requisitos para repatriar um preso ao seu país ou enviá-lo para outro.

"Esta lei exige um certificado de todas as agências envolvidas antes de autorizar o traslado ao seu país ou tirá-lo de Guantânamo", detalhou Hu. "A lei também proíbe usar fundos federais para o traslado de detentos para os Estados Unidos, afastando-os, de fato, da justiça federal. Naturalmente, isso dificulta a transferência de presos de Guantânamo e contribuiu para a frustração dos detentos", enfatizou.

Antes, o governo dos Estados Unidos podia trasladar um preso que havia se declarado culpado em um processo militar e cumprido sua condenação. Mas a nova lei elimina o poder de alcançar esse acordo de culpabilidade ou de aceitar as promessas de libertar os presos. Porém, Hu destacou que ainda é possível transferir os presos aos seus países de origem e fechar a prisão, pois Obama ainda tem poder para isso, apesar de não tê-lo exercido nos últimos dois anos.

Obama "fechou o escritório do Departamento de Estado encarregado de realocar os presos e não apresentou a posição da Casa Branca destinada a supervisionar o fechamento de Guantânamo. Estas são todas as coisas que poderia ir fazendo, apesar das restrições impostas pela lei", apontou Hu. A crescente frustração dos presos derivou na greve de fome que começou há alguns meses, levando os funcionários da base naval a alimentá-los à força. A situação se agravou no mês passado, com episódios de violência entre detentos e guardas.

"Pelo que ouvimos de nossos clientes, a maioria dos homens nos (blocos da prisão chamados) Campo Cinco e Campo Seis está em greve de fome", informou Hu. "Quando a greve começou no Campo Seis, participaram todos os detentos, menos dois, ou seja, cerca de 120 pessoas. Mas agora ouvimos que são 43. Ao que parece a represália dos guardas é colocá-los em isolamento, ou seja, as mesmas condições que sofreram em 2005", acrescentou. Os prisioneiros também estão sendo levados de áreas comuns para seu confinamento em isolamento. "Preocupa que piorem as condições, como se houvesse uma volta à pior parte do governo de Bush, quando os presos eram maltratados", lamentou Hu. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 OPINION: The Islamic State’s Ideology Is Grounded in Saudi Education
 Canada Accused of Failing to Prevent Overseas Mining Abuses
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
 Ãfrica puede seguir los pasos de Suiza
MÁS >>