África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Agora, somos todos thatcheristas
Roberto Savio*

Roma, Itália, abril/2013, (IPS) - A avalanche de artigos lamentando a morte da ex-primeira-ministra britânica Margaret

Thatcher publicados depois de seu falecimento, no dia 8, é um bom indicador de como todos nos convertemos em thatcheristas, sem nos darmos conta.

Somente aqueles que já não gozam seus anos de juventude percebem o quanto sua obra de governo mudou o mundo e a política, a tal ponto que seria correto chamá-la de uma "grande revolucionária".

Para apreciar a dimensão da mudança, recordemos que, imediatamente depois da Segunda Guerra Mundial, outros dois grandes acontecimentos tiveram lugar: o fim do colonialismo e a emergência do Terceiro Mundo, e a formação de um poderoso bloco socialista, encabeçado pela União Soviética, mas com rebentos na África, América Latina e Ásia, como, por exemplo, Angola, Cuba e China.

Os dois acontecimentos tiveram um efeito instrutivo nos setores políticos e filosóficos identificados com o capitalismo, conduziram à era da social-democracia e inspiraram o desígnio de estabelecer uma ordem internacional baseada na cooperação e na justiça social.

Isso fez com que, em 1974, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovasse por unanimidade um plano de ação para um novo sistema de relações internacionais que permitiria aos países subdesenvolvidos regular e controlar as atividades das corporações multinacionais, adotaria medidas para reduzir a brecha entre Norte e Sul, e outras disposições que hoje seriam consideradas fantasiosas.

Propiciava-se a cooperação internacional como fundamento das relações entre os Estados e foi convocada a cúpula Norte-Sul, realizada em Cancún, em 1981.

Thatcher assumiu o poder em 1979, e em Cancún conheceu Ronald Reagan, eleito presidente dos Estados Unidos alguns meses antes da cúpula. Foi a primeira prova internacional para Reagan, que evitou com desagrado qualquer diálogo sobre cooperação internacional.

Instigado e apoiado por Thatcher, simplesmente disse que os Estados Unidos haviam se convertido em um grande país não graças à ajuda, mas mediante o esforço de milhares de indivíduos que construíram suas ferrovias, fábricas e escritórios. Afirmou que Washington não contrairia acordos internacionais por considerá-los contrários aos seus interesses e apresentou a fórmula "comércio em lugar de ajuda".

A partir desse momento, a "revolução de Reagan" mudou o mundo. Marginalizou-se a ONU e travou-se uma implacável campanha contra o conceito da sociedade e do Estado. Thatcher declarou gloriosamente: "A chamada sociedade não existe. Existem homens e mulheres de forma individual, e existem as famílias".

Reagan se especializou em dar respostas simples a questões complexas. A contaminação? "As árvores contaminam, não as fábricas". Thatcher proclamou: "Nos vangloriemos de nossa desigualdade". Catalogava Nelson Mandela como "terrorista", e mais adiante elogiaria o ditador Augusto Pinochet como "defensor da democracia".

Pouco a pouco, os dois partidos conservadores, o Republicano norte-americano e o Conservador britânico, sofreram uma metamorfose antropológica. Deixaram para trás o "conservadorismo compassivo" e se arrebataram com uma ideologia que exaltava a riqueza, a aceitação da injustiça como um fato da vida, a demonização do Estado e a divinização do mercado, e a convicção de que a assistência social, os sindicatos e demais instrumentos de igualdade eram improdutivos e desnecessários.

Reagan demitiu os controladores aéreos. Thatcher desmantelou os sindicatos de mineiros do carvão e proclamou: "Marks e Spenser (a rede de supermercados) derrotou Marx e Engels". Reagan deixou os Estados Unidos com um pesado déficit e uma crescente desigualdade.

Quanto Thatcher chegou ao governo o nível de pobreza marcava 9%, quando o deixou havia aumentado para 24%.

Thatcher e Reagan abriram o caminho para a legitimação dos aspectos menos sociais dos indivíduos e da política: o egoísmo, a ostentação do poder e o status, e a crença de que os que mais ganham são os melhores. O diretor-executivo do JP Morgan, Jamie Dimon, calou a boca de um acionista em um debate dizendo-lhe: "Tenho a razão porque sou mais rico do que você".

Esse tipo de cultura, desconhecida antes de Thatcher e Reagan, engendrou os Madoff, os Berlusconi e os Murdoch de nossos dias.

Com o passar do tempo, a maré subiu até causar a perda de identidade da esquerda, neutralizada pela prolongada campanha para um capitalismo desbocado como a única solução.

Thatcher lutou eficazmente para que a Grã-Bretanha obtivesse privilégios especiais na Comunidade Econômica Europeia, plantando as sementes que colheram os céticos do euro, que agora condicionam o governo de David Cameron.

Seus sucessores John Major e Tony Blair, e o próprio Cameron, empreenderam ações desde a guerra no Iraque até a extrema austeridade atual, que não seriam imagináveis sem o legado de Thatcher.

O sonho de uma Europa unida está em sério perigo. Não há solidariedade entre Europa do Norte e Europa do Sul. Os interesses nacionais estão se impondo sobre os comunitários, tal como está ocorrendo no plano mundial. O fato é que não há valores comuns capazes de consolidar a cooperação internacional.

Atualmente não dispomos de governo internacional, no sentido real da palavra. A ONU foi confinada aos temas do desenvolvimento. O mundo não é capaz nem mesmo de tomar medidas concretas para enfrentar a mudança climática, que constitui uma ameaça real para a humanidade.

Pelo contrário, muitas companhias esperam com entusiasmo o degelo do Ártico, pelas perspectivas que se abririam para o tráfego e a exploração de minérios e hidrocarbonos.

As finanças estão fora de controle e a desigualdade é escandalosa. Em 2012, o capital apropriado pelos cem indivíduos mais ricos do mundo cresceu US$ 240 bilhões, uma soma que bastaria para resolver os problemas da pobreza global.

Porém, não se ouve uma só voz pedindo a redistribuição desse descomunal lucro. Como essas cem pessoas já são enormemente ricas, não sofreriam muito se pagassem um imposto de 75% sobre o lucro.

A tentativa de aplicar esta ideia equitativa na França converteu o presidente François Hollande em objeto de escárnio.

O desastre financeiro afundou mais de cem milhões de pessoas na pobreza. E, segundo a Eurostat, o desemprego entre os jovens europeus chegou a 22,4% no ano passado.

Por que tudo isto é tolerado, por que não há uma verdadeira reação? Porque todos nos tornamos thatcheristas. Envolverde/IPS

* Roberto Savio, fundador e presidente emérito da agência de notícias IPS (Inter Preess Service) e editor do Other News. (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>