África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Rebeldes congolenses sem apoio popular
Taylor Toeka Kakala

Goma, República Democrática do Congo, 25/4/2013, (IPS) - Os rebeldes do Movimento 23 de Março (M23) organizaram marchas de protesto contra o envio de uma força internacional para o leste da República Democrática do Congo (RDC), mas tiveram que suspendê-las pela falta de participação popular.


Crédito: William Lloyd-George/IPS
O M23 tentou, sem sucesso, organizar a população local a seu favor.
Em Kibumba, 25 quilômetros ao norte de Goma, capital da província de Kivu do Norte, os moradores não só se negaram a participar da marcha como muitos abandonaram a localidade. Os rebeldes foram forçados a suspender as duas marchas, convocadas para os dias 10 e 15 deste mês.

Para o especialista em política Janvier Nkinamubanzi, da Universidade de Goma, seria um absurdo esperar que a população apoiasse o M23 e marchasse contra a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), que estabelece o envio de uma força de combate internacional para o leste da RDC.

O M23 leva o nome da data em que foi assinado um acordo de paz, em 2009, entre o governo congolense e os líderes do antigo grupo rebelde Congresso Nacional para a Defesa do Povo (CNPD). O M23 é uma cisão do CNDP, e a maioria de seus membros pertence à etnia tutsi. "Os habitantes de Kibumba e das regiões controladas pelo M23, inclusive os que vivem em Goma, têm a impressão de serem vítimas de uma ocupação estrangeira", explicou Nkinamubanzi à IPS.

A ONU acusou Ruanda e Uganda de terem apoiado os rebeldes do M23 quando estes tomaram Goma, em dezembro passado. Os insurgentes estiveram por uma semana nessa cidade e depois se retiraram. Segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, desde o início da rebelião do M23, em abril de 2012, mais de meio milhão de pessoas abandonaram suas casas em Kivu do Norte.

"Pedir aos residentes para protestarem contra uma brigada que vem para libertá-los desta situação é uma dupla humilhação, enquanto o exército nacional é incapaz de protegê-los", pontuou Nkinamubanzi. O M23 já fez vários protestos contra a resolução 2098 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que autoriza o envio de uma força de combate para o leste da RDC, para neutralizar o avanço rebelde.

Os insurgentes organizaram diferentes mobilizações de protesto, e sequestraram por cinco dias 11 veículos da Missão de Estabilização das Nações Unidas na RDC (Monusco) na localidade de Rutshuru, ao norte de Goma. "Nossos homens não duvidarão em responder se forem atacados. O bloqueio dos veículos da ONU é uma forte mensagem que deixa claro o quanto estamos falando sério", disse à IPS o porta-voz militar do M23, Vianney Kazarama.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores da RDC, Raymond Tshibanda, disse em entrevista coletiva, no dia 1º deste mês, que o único futuro para o M23 é o desarmamento. Se o grupo rebelde não se render, a força internacional o desarticulará, afirmou. "O governo finge dialogar com o M23 quando, na realidade, quer destruir os rebeldes", opinou à IPS o analista Godefroid Kä Mana, presidente do Pole Institute, centro de estudos da região dos Grandes Lagos.

Por outro lado, os líderes locais exortam o governo a integrar ao exército nacional os milicianos da Aliança de Patriotas para um Congo Livre e Soberano (APCLS). Bahati Kahembe, um dos quatro chefes tradicionais que integram a assembleia provincial de Kivu do Norte, disse que tanto os rebeldes como os soldados do exército são responsáveis por violações dos direitos humanos. "Contudo, a APCLS é menos violenta com a população do que outras forças", afirmou à IPS.

A APCLS é uma das milícias melhor organizada da região. Seu líder, Janvier Karairi, a criou em protesto contra o acordo de 23 de março de 2009. Segundo a Monusco, a APCLS conta com entre 500 e mil combatentes, a maioria pertencente à etnia hunde. Atacam especialmente tutsis, às vezes em colaboração com hutus das rebeldes Forças Democráticas para a Libertação de Ruanda, refugiados no leste da RDC desde 1994.

Os combatentes da APCLS também apoiaram as forças armadas congolenses em seu enfrentamento com o CNDP, e agora contra o M23. "Estamos apenas defendendo nossa terra dos invasores", argumentou Karairi à IPS. Porém, o governador de Kivu do Norte, Julien Paluku, afirmou que "não há rebeldes bons nem rebeldes maus". Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. to Create National Plan on Responsible Business Practices
 Militarising the Ebola Crisis
 Iraq Looking for an ‘Independent’ Sunni Defense Minister
 Zero Nuclear Weapons: A Never-Ending Journey Ahead
 Championing Ocean Conservation Or Paying Lip Service to the Seas?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Falta de controles aviva la violencia sexual en India
 Iraq busca un ministro suní “independiente” contra el EI
 Panamá, un país y un canal con dos velocidades de desarrollo
 Ãfrica tendrá una presencia mínima en negociaciones climáticas
 Los pobres se marchitan bajo el sol abrasador de Sri Lanka
MÁS >>