África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Sudão do Sul, "entre Somália e RDC"
Katelyn Fossett

Washington, Estados Unidos, 29/4/2013, (IPS) - Especialistas pedem aos Estados Unidos e à comunidade internacional em geral que aumentem a pressão sobre o governo do Sudão do Sul para que resolva suas debilidades em matéria de governança.


Crédito: Integrantes da etnia murle, do Sudão do Sul, esperam pela ajuda alimentar após os ataques de uma etnia rival, em 2012, que afetaram pelo menos 120 mil pessoas, segundo a ONU.
Jared Ferrie /IPS
Um painel formado por acadêmicos e especialistas alertou, no dia 24, que corrupção, má gestão e falta de unidade nacional representam obstáculos para a estabilidade desse país africano.

"Esse é o medo, e por isso falamos de uma reforma", explicou Lual Deng, diretor do Centro Ebony de Estudos Estratégicos, com sede em Yuba, capital do Sudão do Sul. "Vemos que o Sudão do Sul está entre Somália e República Democrática do Congo (RDC). Se não tivermos cuidado, cairá para qualquer dos lados", alertou.

Deng se referia a uma tema de crescente preocupação, que é a grande concentração de poder nas mãos de umas poucas pessoas, bem como os sinais de corrupção generalizada. Em especial, mencionou o desaparecimento, no ano passado, de US$ 8 bilhões da venda de petróleo, que se acredita foram roubados por funcionários públicos.

A negligência do governo sul-sudanês também preocupa organizações de direitos humanos, após a divulgação, há cerca de dez dias, do informe mundial publicado pelo Departamento de Estado norte-americano anualmente sobre este assunto particular. O documento detalha um panorama lúgubre em 2012, primeiro ano de soberania do Sudão do Sul, após uma guerra civil com seu vizinho do norte, que gerou o que se considera uma das piores crises humanitárias dos últimos anos.

Os principais problemas mencionados pelo informe incluem atropelos das forças de segurança, falta de acesso à justiça e abusos em áreas de conflito. Também menciona "assassinatos extrajudiciais, torturas, violações, intimidações, corrupção na justiça e deslocamento de população civil devido a combates entre forças sudanesas e sul-sudanesas".

Várias organizações de direitos humanos, entre as quais se destacam Act for Sudan, American Jewish World Service, Enough Project e United to End Genocide, divulgaram um comunicado no dia 22, no qual consideram que o informe do Departamento de Estado é uma "oportunidade" para que o governo do Sudão do Sul resolva os problemas.

As alternativas são investigar e assegurar "que tais atropelos não voltem a ocorrer, bem como levar adiante o plano de ação assinado com a Organização das Nações Unidas (ONU), submeter-se a todos os tratados relevantes em matéria de direitos humanos e avançar no processo de reconciliação nacional previsto".

"Queremos que fique claro que apoiamos o Sudão do Sul, como fazem muitas organizações não governamentais e governos, mas não queremos fechar os olhos às violações de direitos humanos só por ser um país novo e com muitos desafios", disse à IPS o diretor-executivo da Enough Project, John C. Bradshaw.

O debate do dia 24 se concentrou no fortalecimento das instituições de governança do Sudão do Sul como a única forma de enfrentar as possíveis ameaças à sua existência, que são a corrupção, os abusos do governo e a má gestão econômica. "Creio que é muito importante ver a história e o contexto onde surge o Sudão do Sul", afirmou Kate Knopf, do Centro para o Desenvolvimento Global, com sede em Washington. "É um Estado construído do nada e virtualmente sem antecedentes de governança centralizada", acrescentou.

De fato, um dos principais assuntos do debate foi a falta de capacidade local para desempenhar cargos de governo. Uma das soluções apresentadas no painel, especialmente por Deng, foi incentivar o retorno, de forma temporária ou permanente, dos sul-sudaneses no exterior para que ocupem esses postos.

O professor Eirk Reeves, do SmithCollege, especializado em Sudão e Sudão do Sul, alertou que uma leitura incompleta do informe do Departamento de Estado pode minar as esperanças de encontrar uma solução. Reeves disse que não se pode compreender as violações de direitos humanos do governo sul-sudanês sem vinculá-las ao agravamento das hostilidades de seu vizinho do norte.

Segundo Reeves, o Sudão abriga e apoia combatentes armados renegados que, se sabe, cometem ataques no Sudão do Sul, a maioria deles por conflitos étnicos. "O efeito é enormemente destrutivo e aviva as tensões raciais que já são importantes no Sudão do Sul", afirmou à IPS, lembrando que "Cartum cria uma situação incendiária na qual é mais provável que ocorram violações de direitos humanos".

Reeves indicou que o Departamento de Estado foi descuidado ao não contemplar o papel de Cartum na situação dos direitos humanos no Sudão do Sul, em seu desejo de preservar a relação com o governo sudanês por seus interesses em matéria de contrainteligência. Depois deu a entender que a embaixada dos Estados Unidos em Cartum realiza intensas atividades de inteligência. "O informe sobre o Sudão do Sul é uma ampliação da política norte-americana para o Sudão, que foi e continua sendo desequilibrada por sua excessiva valorização de questões supostamente antiterroristas", acrescentou.

Além das causas externas, alguns dos assuntos que mais preocupam sobre o Sudão do Sul parecem ser a corrupção e a concentração do poder. São problemas que, se não receberem atenção, tirarão peso de alguns progressos, como a ampliação do acesso à educação e a melhoria nas relações com o Sudão.

"Esperamos que o presidente sul-sudanês, Salva Kiir, leve muito a sério o problema da corrupção e detenha algumas vacas sagradas para enviar uma forte mensagem", ressaltou Deng. "Oferecer ao Sudão do Sul as melhores lições aprendidas com outros países não importa. As soluções devem vir de dentro", insistiu Knopf. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 â€œSonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
 Europa, paralizada por la división entre norte y sur
 El cambio climático desafía la bonanza de Etiopía
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
MÁS >>