África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Refugiados ruandeses são contra regressar
Taylor Toeka Kakala

Goma, República Democrática do Congo, 7/5/2013, (IPS) - O governo congolense reclama uma estratégia integral que permita conseguir uma solução duradoura para a repatriação dos mais de 127.500 refugiados ruandeses que se estima residem neste país.


Crédito: Edwin Musoni/IPS
Restos de alguns dos 800 mil mortos no genocídio de Ruanda.
O ministro de Assuntos Internos da República Democrática do Congo (RDC), Richard Muyej, disse que o governo acredita que é prematuro cessar o status de refugiados para cidadãos ruandeses exilados, fixado para 30 de junho pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Esta entidade concedeu o status às pessoas que fugiram de Ruanda entre 1959 e 1998. A cláusula de cessação, vinculante para os refugiados e para os países de acolhida, indica que os implicados terão que escolher entre a repatriação voluntária e a residência onde vivem atualmente. Está previsto que podem solicitar uma prorrogação de seu status de refugiados, mas individualmente. Porém, a RDC, vizinha de Ruanda é contra a medida.

A posição do governo congolense reforça a adotada pela diáspora ruandesa na Conferência Internacional sobre os Refugiados de Ruanda, realizada nos dias 19 e 20 de abril em Bruxelas. A mesma pede ao Acnur e aos países de asilo que considerem a segurança das pessoas implicadas.

Gervais Condo, presidente do Congresso Nacional de Ruanda (CNR), com sede nos Estados Unidos, e que presidiu a conferência de Bruxelas, declarou à IPS que "não há circunstâncias sob as quais o status de refugiado seja uma solução de longo prazo". E acrescentou: "não podemos esperar que os refugiados regressem para suas casas quando as questões que os levaram ao exílio não foram resolvidas". Condo é aliado do general Kayumba Nyamwasa, ex-chefe do Estado Maior do exército ruandês e presidente fundador do CNR, e vive exilado na África do Sul.

O Acnur negociou o repatriamento de aproximadamente 3,5 milhões de refugiados ruandeses entre 1994, quando a Frente Patriótica de Ruanda chegou ao poder após o genocídio, e fevereiro de 2013. Não há dados concludentes, mas as estimativas indicam que, em 1994, morreram quase um milhão de pessoas, em grande parte da minoria tutsi e alguns hutus moderados.

O ministro Muyej disse que a RDC só aplicará a cláusula de cessação após ser implantado o Acordo Tripartite assinado por Acnur e pelos governos de Ruanda e RDC para garantir que as pessoas em questão que desejarem ser repatriadas possam regressar ao seu país com dignidade e segurança. Muyej se dirigiu assim aos ministros de Assuntos Internos dos 11 países africanos onde estão isolados os refugiados ruandeses, reunidos em uma conferência no dia 18 de abril.

Entretanto, Ruanda e Acnur insistem em que não se justifica a ampliação do status de refugiado depois de 30 de junho. O governo ruandês ofereceu garantias e disse que a situação no país dos Grandes Lagos é segura e que quer a implantação da cláusula de cessação prevista na Convenção sobre o Status dos Refugiados, aprovada em Genebra em 1951.

Em outubro de 2009 o presidente ruandês Paul Kagame e o alto comissário para os refugiados, António Guterres, acordaram que o status de refugiados cessaria em junho de 2011. Mas a oposição dos ruandeses exilados e de organizações não governamentais fez o Acnur prolongar as conversações com as partes implicadas até junho.

Preocupa os refugiados que a situação quanto à liberdade de expressão e de reunião em Ruanda não tenha mudado. Acreditam que isso está confirmado pela grande quantidade de figuras políticas no exílio, entre eles o ex-procurador geral Gérard Gahima e o ex-embaixador ruandês Théogène Rudasingwa. Também causou preocupação a detenção e o julgamento de Victoire Ingabire, candidata da oposição nas eleições presidenciais de 2010.

Ingabire foi condenada a oito anos de prisão por conspiração contra seu país. No dia 25 de março, a Anistia Internacional pediu um julgamento justo para a candidata, que cumprisse os padrões internacionais. A organização de direitos humanos declarou que o tribunal não examinou as provas. "Vários altos funcionários disseram que a Europa não considera Ruanda suficientemente segura para o retorno dos refugiados", ressaltou Condo.

A ministra de Gestão de Desastres e Assuntos de Refugiados de Ruanda, Séraphine Mukantabana, que esteve exilada no Congo-Brazzaville e foi repatriada em maio de 2011, afirmou que os refugiados não podem gozar desse status por tempo indeterminado havendo paz no país. "Incentivamos a repatriação voluntária, pois muitos refugiados terão dificuldades para permanecerem no país de acolhida", destacou a ministra.

"Os que quiserem solicitar o status de refugiado de forma pessoal não terão bases para recorrer ao Acnur", acrescentou Mukantabana, que presidiu a associação de refugiados ruandeses no Congo-Brazzaville. Para facilitar a situação, Ruanda entregará passaportes aos cidadãos ruandeses que desejarem permanecer em seu país de residência depois de 30 de junho. Envolverde/IPS (FIN/2013)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>